Notícias

Arco do desmatamento será monitorado no período de chuva

Defesa e Ministério do Meio Ambiente assinam acordo para compra de imagens de radar orbital, capaz de ter nitidez mesmo com tempo nublado

Daniele Bragança ·
22 de julho de 2015 · 6 anos atrás
Céus nublados não serão um problema para o novo sistema de radares. Foto: lesanta/Flickr.

O Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Defesa assinaram ontem um acordo (21) que promete tornar mais dura a vida dos desmatadores ilegais da Amazônia. Com dinheiro do Fundo Amazônia e da União, os dois ministérios anunciaram a compra de imagens de um radar orbital que permitirá o monitoramento de parte da floresta amazônica mesmo durante as chuvas.

O monitoramento ficará a cargo do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), do Ministério da Defesa. Além de detectar o corte ilegal de vegetação, o radar também será usado pela Defesa para monitorar a existência de garimpos ilegais e pistas de pouso clandestinas utilizadas pelo narcotráfico.

O projeto coordenado pelo Censipam se somará ao trabalho já realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que coordena o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter).

As análises de desmatamento geradas pelos dois órgãos (agora mais consistentes) subsidiarão o trabalho de fiscalização das equipes do Ibama em campo.

Antes, o monitoramento ficava prejudicado durante o período de chuva na Amazônia  entre outubro e abril , pois o DETER não consegue “enxergar” mudança no solo com a presença de nuvens.

Agora, em pelo menos 950 mil quilômetros quadrados da região amazônica, as nuvens não serão mais problemas. O monitoramento com o novo radar abrangerá uma área de 17% do total da Amazônia Legal, justamente na faixa intitulada arco do desmatamento, onde a expansão da agricultura e pecuária ameaça a floresta.

O pacote de imagens do novo radar custou R$ 80,5 milhões de reais. Desse total, R$ 63,9 milhões vieram do Fundo Amazônia e o restante é proveniente do orçamento da União.

 

 

Leia Também
Unidades de Conservação mais desmatadas são vizinhas das grandes obras na Amazônia
Infoamazônia lança estudo sobre gastos no combate ao desmatamento
Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
12 de abril de 2013

Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

De São José dos Campos (SP) e Belém do Pará (PA), os dois institutos mantêm um olhar agudo sobre o desmatamento na Amazônia. Entenda como.

Notícias
1 de abril de 2015

Infoamazônia lança estudo sobre gastos no combate ao desmatamento

Segundo portal InfoAmazonia, houve queda também nos investimentos em sustentabilidade. Entretanto, perda de floresta está no seu nível mais baixo.

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta