Notícias

Alertas de desmatamento na Amazônia seguem em alta em fevereiro

Foi o segundo pior fevereiro desde 2016, só perdendo para 2020. Números são 22% maiores que mesmo período do ano passado, segundo balanço parcial do INPE

Cristiane Prizibisczki ·
8 de março de 2022

Os alertas de desmatamento na Amazônia em fevereiro somaram 149,88 km², um aumento de 22% em relação ao mesmo período em 2021, quando foram registrados alertas para 122,8 km². A área sob alerta indicada pelo Programa Deter, do Instituto de Pesquisas Espaciais, é quase do mesmo tamanho que a cidade de Natal (RN).

Apesar de os dados serem ainda parciais, já que a plataforma foi atualizada somente até 25 de fevereiro, a área derrubada na Amazônia até este dia já é a segunda maior do que qualquer fevereiro completo desde 2016, perdendo somente para fevereiro de 2020, quando os alertas indicaram desmatamento de 185,73km².

Em janeiro, a Amazônia já havia registrado recorde de alertas de desmatamento, que somaram 430,44 km². O número foi quatro vezes maior do que em janeiro de 2021 e o pior desde 2016.

“Isso é mais do que esperado em um governo que implodiu com a política ambiental e que vê a legislação ambiental e a atuação da fiscalização como entraves a serem afastados. O governo Bolsonaro entregará um legado desastroso: desmatamento, garimpos ilegais, invasão de terras indígenas e de áreas ambientalmente protegidas, aumento das emissões de gases de efeito estufa”, disse a ((o))eco a especialista em políticas públicas do Observatório do Clima, Suely Araújo.

Dentre os estados, o Mato Grosso foi o que contabilizou maior número de alertas, com 49,35 km² de desmatamento, seguido pelo Pará, com 47,62 km², Amazonas, com 40,49 km², Roraima, com 4,95 km², Rondônia, com 3,64 km², Maranhão, com 3,46 km² e Tocantins, com 0,37km². O estado do Acre não registrou alertas de desmatamento para o período, segundo a plataforma do INPE. 

Estimativas feitas pela plataforma de inteligência artificial PrevisIA indicam que, em 2022, a área derrubada na Amazônia pode chegar a 15 mil km². A plataforma leva em conta o período chamado de “calendário do desmatamento”, que vai de agosto de um ano até julho do ano seguinte.

“Em um ano eleitoral somado ao pacto entre o governo e sua base no Congresso em prol do desmonte das leis ambientais, esse quadro de retrocessos tende a piorar. Demoraremos tempo para conseguir reverter o verdadeiro desastre causado por Bolsonaro nesse campo de políticas públicas”, finaliza Suely Araújo.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Salada Verde
3 de fevereiro de 2022

Amazônia registra recorde de desmatamento em janeiro

Somente nas três primeiras semanas do ano, bioma perdeu 360 km² de floresta, maior número desde 2015, segundo INPE. Mato Grosso está no topo da lista de desmatadores

Salada Verde
9 de maio de 2021

Desmatamento recorde em abril expõe política de terra arrasada do governo Bolsonaro

Sem fiscalização, alertas de desmatamento do INPE apontam que 580 quilômetros quadrados de área de floresta desapareceram em abril

Notícias
21 de fevereiro de 2022

Contra desmatamento, varejista alemã Aldi anuncia que não venderá mais carne brasileira

Multinacional segue exemplo de outras grandes empresas europeias que, em dezembro passado, anunciaram boicote à carne do Brasil como resposta à destruição da floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta