Notícias

Alertas de desmatamento somam 8.712 km² e indicam que tendência de alta se mantém

Dados são de agosto de 2020 até o dia 30 de julho deste ano. Apesar da queda de 5% em relação ao período anterior, este é o segundo pior número dos últimos 5 anos

Cristiane Prizibisczki ·
6 de agosto de 2021

O acumulado de alertas de desmatamento na Amazônia em 2021, medidos pelo sistema Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), foi de 8.712 km. Os dados, atualizados nesta sexta-feira (6) na plataforma TerraBrasilis, revelam que esta é a segunda pior temporada dos últimos cinco anos, mesmo faltando ainda um dia para fechar o ciclo, que vai de 1º de agosto de um ano a 31 de julho do ano seguinte (os dados disponíveis vão até 30 de julho).

A área indicada pelo Deter equivale a cerca de sete vezes o tamanho da cidade do Rio de Janeiro. O valor representa uma queda de cerca de 5% em relação aos dados de 2020, quando o sistema de alertas contabilizou 9.216 km² de áreas desmatadas.

Mesmo que um pouco menor do que o ano passado, o número continua alto, observam especialistas.

“Apesar da redução entre um ano e outro de 5%, seguimos em níveis altíssimos de desmatamento na Amazônia”, afirma o diretor-executivo do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), André Guimarães. “Estamos em um momento crucial para o equilíbrio climático do planeta, e manter as florestas é a principal contribuição que o Brasil pode dar neste momento a esse desafio global”, disse, em nota divulgada pela entidade.

“Os três recordes da série foram batidos no governo Bolsonaro, no qual os alertas são 69,8% maiores que a média dos anos anteriores. O resultado indica que o desmatamento anual deverá, pela terceira vez, ficar próximo de 10 mil km², o que não ocorria desde 2008”, alerta o Observatório do Clima.

Na última segunda-feira (2/8), o general Hamilton Mourão, comandante do Conselho da Amazônia, antecipou que o governo, de fato, não conseguiria cumprir a meta de redução que havia prometido nas semanas anteriores.

“Fechou o ciclo, o ciclo fechou no dia 31 de julho, provavelmente não vou cumprir aquilo que eu achava que seria o nosso papel de chegar a 10% de redução. Acho que vai dar na faixa de 4% a 5%, uma redução muito pequena, muito irrisória, mas já é um caminho andado”, disse o vice.

Ao apresentar em julho a nova operação de Garantia de Lei e da Ordem (GLO) contra crimes ambientais na Amazônia, a Operação Samaúma, o vice havia declarado que desejava atingir até 12% de redução na taxa anual de desmatamento.

No ano passado, Mourão havia sido ainda mais otimista, ao declarar a embaixadores estrangeiros que a queda seria de 15%.

Desmatamento nos Estados e por categorias

No período compreendido entre agosto de 2020 e 30 de julho de 2021, os estados da Amazônia Legal que mais acumularam alertas de desmatamento foram: Pará (com 3.449km²), Mato Grosso (1.475 km²), Amazonas (1.693 km²), Rondônia (1.314 km²) e Acre (490km²). 

A análise por categorias de alertas indica que a degradação florestal – quando é removida parte da vegetação – também atingiu nível recorde: 6.062 km² em 2021, a maior marca desde 2017, início da série histórica disponível, e aumento de 87% em relação a 2018.

Se considerarmos apenas o corte seletivo, ou seja, a extração de madeira, o sistema Deter informa que a área de alertas quase triplicou em 2020 e 2021, em relação à média dos anos anteriores.

A mineração também foi responsável pela subida nos alertas, com alta de 62% em relação a 2018. Em 2021, a mineração devastou 125 km², a maior marca desde o início da série histórica do Deter-B, em 2016.

No primeiro semestre de 2021, o Deter já havia indicado que a ocupação irregular de florestas públicas não destinadas, categoria fundiária sob a responsabilidade da União e Estados, estava impulsionando a alta nos números. Nos primeiros seis meses desse ano, 32% da derrubada registrada pelo Deter aconteceu nestas áreas, enquanto 25% foi registrada em imóveis rurais e 19% em assentamentos.

“É um indício claro do avanço da grilagem e da ilegalidade”, explica o pesquisador sênior do IPAM, Paulo Moutinho.

Governo é responsável pelas altas

Segundo o Observatório do Clima, falta ao Brasil o essencial para que os números do desmatamento não sejam tão escandalosos: uma política de controle do desmatamento.

“Há dois anos e meio o regime de Jair Bolsonaro se dedica a desmontar a governança ambiental e a ativamente estimular o crime”, diz nota do OC. “O destino da floresta está nas mãos das quadrilhas de grileiros, madeireiros ilegais e garimpeiros. Hoje, são eles que determinam qual será o dado oficial de desmatamento. Na Amazônia, o crime ambiental atua livremente, e conta com a parceria do atual governo”, complementa Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

A entidade lembra o principal plano de controle do desmatamento da Amazônia, o PCCDAm, criado em 2004, foi abandonado tão logo Bolsonaro chegou ao governo, assim como também sofreu forte impacto a aplicação de multas ambientais e as ações de proteção financiadas pelo Fundo Amazônia.

No fim de junho, o ministro Ricardo Salles caiu sob acusação de montar um escritório do crime no ministério para favorecer madeireiros e o atual governo conta agora com o apoio fundamental do Centrão, comandado por Arthur Lira (PP-AL), para fazer andar no Congresso pautas muito nocivas ao meio ambiente e que têm impacto direto no aumento do desmatamento, como a liberação de garimpo em terras indígenas, o fim do licenciamento ambiental e a anistia potencialmente eterna à grilagem de terras.

“Os altos índices de desmatamento e o desmonte da legislação ambiental têm repercussão mundial e prejudicam imensamente a imagem do país. É neste cenário que o Brasil chegará, daqui a alguns meses, na conferência do clima da ONU”, conclui Márcio Astrini.

A taxa anual oficial do desmatamento, medida pelo sistema Prodes, deve ser divulgada somente no final do ano, mas os alertas do Deter ajudam a projetar e antecipar o tamanho do problema. E já se sabe que ele será grande.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
27 de julho de 2021

Auditoria do TCU aponta erros do governo federal no combate ao desmatamento na Amazônia

O Ministério do Meio Ambiente terá 120 dias para apresentar um plano de ação com cronograma e medidas que corrijam as falhas apontadas pelo TCU, como a asfixia do Ibama por falta de fiscais

Notícias
29 de junho de 2021

Militares voltam a atuar na Amazônia, por apenas 2 meses

Bolsonaro autorizou retomada de uma nova operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ambiental, mesmo com os baixos resultados da 1ª e 2ª GLO

Reportagens
11 de junho de 2021

Relatório mostra que 99,8% dos desmatamentos no Brasil em 2020 foram ilegais

Documento inédito do MapBiomas Alerta com dados consolidados dos biomas do país mostra que desmatamento subiu 14% no ano passado e somente 2% tiveram alguma providência do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta