Notícias

Amazônia tem recorde de alertas de desmatamento em fevereiro

Área sob alerta no mês é 62% maior do que mesmo período do ano passado. Este é o pior fevereiro desde 2016. Desmatamento consolidado no ano é 3 vezes maior que em 2021

Cristiane Prizibisczki ·
11 de março de 2022

O número de alertas de desmatamento na Amazônia bateu recorde em fevereiro. Os dados consolidados para o mês, atualizados nesta sexta-feira (11) na plataforma do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), mostram que foram gerados alertas para 199km², um crescimento de 62% em relação ao mesmo período de 2021, quando os alertas indicaram desmatamento em 122,89 km². Este é o pior fevereiro desde 2016.

Janeiro já havia registrado recorde na área sob alerta, considerando a série histórica do Deter-B, que tem início em 2016. No acumulado do ano (janeiro e fevereiro), os alertas indicam desmatamento em 629,11 km² de floresta, número três vezes maior que o mesmo período do ano passado, quando foram desmatados 205,68 km².

“Isso tudo em um período no qual o desmatamento costuma ser mais baixo por conta do período chuvoso na região. Este aumento absurdo demonstra os resultados da falta de uma política de combate ao desmatamento e dos crimes ambientais na Amazônia, impulsionados pelo atual governo. A destruição não para”, afirma o porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, Rômulo Batista.

Entre os estados que mais desmataram em fevereiro, o Mato Grosso foi o que registrou alertas para a maior área (78,05 km²), seguido do Pará (48,79 km²), Amazonas (40,49 km²), Rondônia (22,56 km²), Roraima (4,95 km²) e Maranhão (3,46 km²). Acre e Amapá não registraram alertas para o período.

Segundo a Sala de Situação da Amazônia, outra ferramenta de monitoramento do INPE, no Mato Grosso, até o dia 4 de março, a maioria dos alertas (60%) foram gerados para áreas com Cadastro Ambiental Rural (CAR). No Pará, 28,1% dos alertas foram concentrados em Áreas de Preservação Permanente (APPs), 23,9% em áreas com CAR e 18,9% em Assentamentos. No Amazonas, 56% dos alertas foram gerados para áreas indefinidas e 36,1% em Assentamentos.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
10 de março de 2022

Em dia de Ato pela Terra, Lula afirma que se for eleito “não terá garimpo em Terras Indígenas”

Lula e Ciro foram os únicos presidenciáveis a se manifestarem sobre evento contra “pacote da destruição” e sobre aprovação na Câmara de urgência para mineração em TIs

Notícias
10 de março de 2022

Avança na Câmara projeto que pretende retirar Mato Grosso dos limites da Amazônia Legal

Projeto, apresentado no final de fevereiro pelo deputado Juarez Costa (MDB/MT), está sendo avaliado nas comissões permanentes da Câmara em tramitação ordinária

Notícias
23 de fevereiro de 2022

INPE abre ao público dados oficiais detalhados sobre mudanças no solo amazônico

Sala de Situação da Amazônia mostra, diariamente, onde o desmatamento, degradação, corte seletivo ou mineração estão ocorrendo no bioma e como essas mudanças variam no espaço e tempo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1