Notícias

INPE abre ao público dados oficiais detalhados sobre mudanças no solo amazônico

Sala de Situação da Amazônia mostra, diariamente, onde o desmatamento, degradação, corte seletivo ou mineração estão ocorrendo no bioma e como essas mudanças variam no espaço e tempo

Cristiane Prizibisczki ·
23 de fevereiro de 2022

O Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) atualizou, na tarde de ontem (22), a plataforma oficial de dados do desmatamento TerraBrasilis, tornando abertas informações detalhadas sobre o tipo de mudança que vem ocorrendo em solo amazônico e onde elas acontecem. 

A partir de agora, é possível pesquisar não só os dados de corte-raso – quando a floresta vai efetivamente ao chão –, mas também de degradação florestal, corte seletivo e mineração, e saber em quais categorias fundiárias essas mudanças estão ocorrendo: se em áreas privadas, unidades de conservação, terras indígenas, florestas públicas ou assentamentos. 

“O objetivo principal da ferramenta é subsidiar o planejamento de ações de fiscalização pelas instituições responsáveis, tanto no nível federal quanto estadual”, diz nota do Instituto.

Chamada de “Sala de Situação da Amazônia” (TerraBrasilis-AMS), a ferramenta foi lançada oficialmente em julho de 2021, mas como uma versão inicial, na qual os dados agora disponíveis ainda não estavam abertos ao público.

Nesta nova versão, é possível escolher a área específica para qual se quer gerar as informações – se por Estado, municípios ou células com 300×300 km² e 150x150km² – e em qual intervalo de tempo – agregado semanal, agregado de 15 dias, agregado mensal, agregado trimestral ou agregado anual.

Por exemplo: o usuário pode escolher gerar os dados de desmatamento para o Estado do Pará no último mês. Ao selecionar tais variáveis, ele vai descobrir que, neste período selecionado, o território paraense computou 73,69 km² de desmatamento, sendo que 32,5% dessa destruição da floresta aconteceu em Áreas de Proteção Permanente (APP), 25,1% em áreas com Cadastro Ambiental Rural (CAR), 18,8% em assentamentos, 11,4% em Florestas Públicas, 4,45% em Unidades de Conservação e 5,25% em áreas não definidas.

Nova ferramenta TerraBrasilis-AMS. Imagem: INPE

“Com mais essas funcionalidades, a TerraBrasilis-AMS pode apoiar ainda mais o planejamento de ações adequadas considerando o tipo de ator envolvido e também as áreas de maior concentração de eventos”, diz a nota do Instituto.

Para criar a base de dados e os mapas fundiários, o INPE utilizou diversas fontes oficiais, tanto no nível Federal quanto Estadual, para as nove unidades da Federação que compõem a Amazônia Legal.

Segundo o Instituto, os painéis do TerraBrasilis são aprimorados constantemente. No caso da Sala de Situação da Amazônia, por exemplo, está previsto expandir a funcionalidade também para o bioma Cerrado e incluir indicadores do número de queimadas nos dois biomas – Amazônia e Cerrado. “Além disso, estamos trabalhando também no desenvolvimento de indicadores de risco futuro de curto e médio prazo”, diz o Instituto.

PRODES X DETER X Sala de Situação da Amazônia

Os três programas do INPE – PRODES, DETER e agora a Sala de Situação da Amazônia – são realizados dentro do chamado Programa de Monitoramento da Amazônia e Demais Biomas (PAMZ+).

O PRODES (Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite) realiza o monitoramento do desmatamento por corte raso na Amazônia Legal e produz, desde 1988, as taxas anuais de desmatamento na região, que são usadas – ou deveriam – pelo governo brasileiro para o estabelecimento de políticas públicas.

O DETER (Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real) é responsável por gerar alertas de desmatamento na Amazônia e Cerrado, de forma a dar suporte à fiscalização e no controle do desmatamento e da degradação florestal.

Já a Sala de Situação da Amazônia possibilita a visualização detalhada de indicadores nas áreas críticas de desmatamento, degradação florestal, corte seletivo e mineração no bioma, integrando os alertas do DETER. Os indicadores são atualizados diariamente.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
17 de fevereiro de 2022

Mesmo com recomposição, orçamento do INPE para 2022 cai 32% em relação a 2020

Instituto deve receber do Governo Federal R$ 92,3 milhões. Valor é o segundo menor da década, só perdendo para 2021, quando foram destinados R$ 79 milhões ao órgão

Salada Verde
3 de fevereiro de 2022

Amazônia registra recorde de desmatamento em janeiro

Somente nas três primeiras semanas do ano, bioma perdeu 360 km² de floresta, maior número desde 2015, segundo INPE. Mato Grosso está no topo da lista de desmatadores

Notícias
11 de fevereiro de 2022

Mais de 11 milhões de hectares são passíveis de desmate legal na Amazônia, mostra estudo

Áreas estão dentro de propriedades privadas e excedem aquelas que, por lei, precisam ser preservadas. Pesquisadores testam mecanismo privado de compensação financeira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta