Notícias

Aportes do Fundo Amazônia vão exigir renegociação entre governo e BNDES

Projetos importantes, como combate ao desmatamento e queimadas, já perderam vigência e não foram renovados por Bolsonaro. Mecanismo foi retomado ontem (3)

Cristiane Prizibisczki ·
4 de janeiro de 2023

A reativação do Fundo Amazônia, viabilizada ontem (3) após a publicação de um decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o anúncio de novos aportes da Alemanha e Noruega ganharam as manchetes nestes primeiros dias do novo governo. Projetos importantes que eram financiados pelo Fundo, no entanto, como combate ao desmatamento e queimadas, já perderam vigência e não foram renovados durante o governo Bolsonaro. Para que possa continuar a receber recursos,  governo Lula vai ter de negociar juridicamente com o BNDES, diz especialista.

Nos últimos cinco anos, o Fundo Amazônia custeou parte das ações de fiscalização na Amazônia Legal realizadas pelo Ibama, por meio de um contrato assinado em 2018 no âmbito do mecanismo. O projeto, no valor de R$ 140 milhões, destinou recursos, principalmente, para o aluguel de veículos especiais, como picapes e helicópteros, usados em operações de combate à destruição da floresta tropical.

Os aportes tiveram início ainda em 2018 e se estenderam ao longo dos anos seguintes. O último, que contemplou o valor total do projeto, aconteceu em setembro de 2022.

A situação se repete com o projeto de combate ao fogo (Prevfogo), que teve início em 2014 no âmbito do Fundo, no valor total de cerca de R$ 15 milhões. Os aportes tiveram início naquele mesmo ano e se estenderam até setembro de 2022

Ainda que o recebimento de recursos tenha se mantido durante o período de paralisação do Fundo – entre 2019 e 2022 –, tais projetos não foram renovados. Nem tampouco novas iniciativas com mesmo objetivo foram contratadas durante o governo Bolsonaro.

Segundo Eugênio Pantoja, diretor de Políticas Públicas e Desenvolvimento Territorial no IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), como a aprovação de novos projetos exige tempo dentro das regras do mecanismo, a solução é encontrar uma brecha jurídica para a renovação dos já existentes.

“A avaliação de um projeto no Fundo Amazônia não é rápida, então, a saída seria, talvez, o aditamento dos já existentes. Mas isso vai depender, logicamente, das tratativas entre o Ibama e o próprio Fundo Amazônia, na figura do BNDES [gestor do Fundo], no caso, para saber se é possível fazer alguma espécie de aditivo ao projeto, uma renovação automática. É preciso ver se há previsão legal para isso nas regras do Fundo ou mesmo dentro do próprio contrato”, explicou o diretor, em entrevista a ((o))eco.

De acordo com Pantoja, outra saída para que o governo consiga manter a ajuda do Fundo Amazônia no financiamento de ações de combate ao desmatamento e queimadas em 2023 seria a criação meios para acelerar a aprovação de novas propostas.

“É claro que o ideal é que se faça novos projetos, com valores corrigidos e que possa ser avaliado de uma forma célere, para que durante a temporada de desmatamento e incêndios [maio e setembro] o órgão já tenha esses recursos disponibilizados para as ações. Temos uns meses aí pela frente”, diz ele.

Importância do Fundo Amazônia 

Em 15 anos de existência, o Fundo Amazônia apoiou 102 projetos, no valor total de R$ 1,9 bilhão. Muito deste recurso ainda não foi aportado em iniciativas já aprovadas, devido à paralisação do mecanismo pela gestão Bolsonaro, a partir de 2019. No total, o Fundo ainda possui cerca de 3 bilhões disponíveis.

Cerca de 60% dos recursos já aportados pelo Fundo Amazônia desde sua criação foram destinados a instituições do governo. Este é o caso dos projetos de monitoramento e controle do desmatamento (Profisc) e de combate a incêndios e queimadas (Prevfogo), citados acima.

Os recursos para bancar tais despesas, no passado, vinham do próprio orçamento do Ibama, mas, com a adoção do teto de gastos durante o governo de Michel Temer, em 2016, a autarquia passou a depender de verbas extras.

Post no Twitter do ministro do Meio Ambiente da Noruega, Espen Barth Eide.

“Para a realização das atividades de fiscalização são necessários meios de transporte adequados a esse tipo de operação na região amazônica, tais como: veículos pick-ups 4×4, para as ações terrestres, e helicópteros, para as ações por via aérea. Historicamente, o Ibama dispunha desses meios e executava suas ações fiscalizatórias com considerável sucesso. No entanto, nos últimos anos, o orçamento desse órgão ambiental vem sendo contingenciado, em decorrência da situação fiscal do país”, diz o órgão na descrição do Profisc no Fundo Amazônia.

A primeira versão desta iniciativa vigorou entre 2016 e 2019 dentro do Fundo. Em 2017, considerando o tempo burocrático desde a aprovação da proposta até a efetivação dos repasses, o governo submeteu um novo projeto, citado acima, e que vigorou até 2022. 

Com a retomada do mecanismo no atual governo, a Noruega, principal doadora, já anunciou que vai destravar os cerca de R$ 3 bilhões destinados pelo país ao Fundo. A Alemanha, segunda maior doadora, também anunciou, na segunda-feira (2), que vai doar mais cerca de R$ 200 milhões. 

Além destes países, Suíça e Reino Unido também já manifestaram o interesse em estabelecer parcerias com o Brasil.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
3 de novembro de 2022

Ministros do STF determinam que governo deve reativar Fundo Amazônia

Supremo reconheceu omissão deliberada, dolosa e inconstitucional da gestão Bolsonaro na paralisação do mecanismo. R$ 3,2 bi devem ser destravados

Notícias
31 de outubro de 2022

Noruega chama vitória de Lula de “nova esperança” para esforços no combate às mudanças climáticas

Ministro do Meio Ambiente da Noruega anunciou nesta segunda-feira (31) a retomada de doações ao Fundo Amazônia. R$ 2,5 bilhões já estariam disponíveis para o Brasil

Reportagens
4 de setembro de 2019

Por que, afinal, Noruega e Alemanha doam recursos para o Brasil? O Fundo Amazônia em 10 perguntas e respostas

((o))eco buscou relatórios oficiais, ouviu ex-ministros , funcionários do BNDES e pesquisadores para responder às principais dúvidas que circulam na internet sobre o Fundo Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta