Notícias

Após pressão, Pacheco adia votação de projeto que regulariza a grilagem de terras

Senadores não tiveram acesso ao relatório de Carlos Fávaro e nem a todas as 98 emendas feitas ao texto. Representantes do agronegócio, ambientalistas e famosos protestam nas redes contra PL

Duda Menegassi ·
28 de abril de 2021

Após colocar o Projeto de Lei nº 510/2021 sorrateiramente na ordem do dia, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cedeu à pressão de parlamentares e da sociedade civil e tirou a votação do projeto de lei da pauta do Senado nesta quarta-feira (28). O projeto de autoria do senador Irajá Silvestre (PSD-TO), batizado de PL da Grilagem, amplia a anistia aos invasores de terras públicas e às infrações ambientais, e herda a polêmica discussão da sua antecessora, a Medida Provisória 910 – de quem recicla boa parte do texto –, que caducou no último ano na Câmara dos Deputados. O PL será pauta de audiência pública nesta quinta-feira (29) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). A expectativa é de que o tema possa ser debatido com maior profundidade entre os parlamentares e possa ser construído um acordo acerca das 98 emendas que o texto original do projeto já recebeu, para que o PL vá para votação dentro das próximas semanas.

A maioria dos senadores, assim como as organizações ambientais, foram pegas de surpresa quando na noite de ontem veio a notícia de que Pacheco havia pautado a votação do polêmico PL para a sessão virtual desta quarta-feira. A ausência de debates prévios, a não disponibilidade de todas as 98 emendas (até a noite de ontem havia apenas 53 emendas disponibilizadas no site do Senado) e do próprio texto do relator Carlos Fávaro (PSD-MT), assim como a falta de tempo para aprofundar a leitura da matéria e a complexidade do tema, foram os principais argumentos dos senadores que solicitaram a retirada do projeto de pauta. 

“Nós pedimos que esse projeto não fosse colocado na ordem do dia, sem que necessariamente antes passasse pelas comissões, especificamente as de agricultura e meio ambiente. Ontem, eu fui surpreendida, assim como demais colegas de parlamento e várias autoridades da área ambiental, de que o projeto estava na pauta do dia. Nem mesmo o conhecimento do substitutivo [texto final do relator, com as emendas] nós tínhamos até hoje pela manhã. Então imaginem, um projeto dessa magnitude, a gente não ter tempo de ter uma leitura mais aprofundada e ao mesmo tempo não propor as alterações, não passar pelas comissões, não ter audiência pública, traz um resultado muito danoso para o Brasil”, pontuou a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), uma das seis que se manifestou pela retirada do PL 510 da pauta. Eliziane reforçou ainda o pedido de que neste período de pandemia e diante da limitação das sessões remotas do Senado, a casa se concentre em votar as ações relacionadas com a Covid-19.

“Nós estamos discutindo aqui sem sequer conhecer o relatório do relator Carlos Fávaro”, ressaltou o senador Jaques Wagner (PT-BA). “Nós já vamos para a terceira lei de regularização. Em cada uma, o perdão daqueles que eventualmente ocuparam terras públicas vai se estendendo, era 2008, 2011, 2014… Eu não consigo entender, algo que é tão necessário, por que fazê-lo de afogadilho?”, questionou o senador baiano.

O único que pediu para que o projeto se mantivesse na ordem do dia foi o senador Marcos Rogério (DEM-RO).

Após o anúncio de Pacheco de que acataria a manifestação majoritária dos parlamentares e tiraria o PL da pauta, o relator do projeto, Carlos Fávaro (PSD-MT), se pronunciou em defesa do projeto de lei que, em sua opinião, não possui “uma única frase que precarize o meio ambiente”.

Além do PL 510, também saiu de pauta o item número dois na ordem do dia do Senado: o projeto de lei nº 6.539/2019, que atualiza a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), instituída por lei em 2009, em função do compromisso brasileiro assumido no Acordo de Paris em 2015.

Pressão nas redes

“@Anitta: Atenção para a boiada da grilagem! O senador Rodrigo Pacheco quer colocar o PL 510 em votação hoje, na surdina! Hoje, às 14h, vamos todos marcar o @rpsenador e o @Carloshbfavaro e reforçar que #@GrilagemÉCrime e #PL510Não! Não podemos deixar esse trator passar!”, tuitou Anitta.

O anúncio de que o PL 510 poderia ser votado nesta quarta-feira (28) mobilizou as redes sociais desde a noite de ontem com as hashtags “GrilagemNão” e “PL510Não”. que chegou a ocupar a lista dos assuntos mais comentados no Twitter na tarde desta quarta. As publicações contrárias à votação do PL foram desde organizações socioambientais a celebridades, como a cantora Anitta, e até o próprio agronegócio.

A Coalizão Brasil, Florestas e Agricultura, movimento formado por mais de 280 representantes do agronegócio e dos setores financeiro, industrial e academia, enviou ao Senado uma carta na qual aponta que o PL representa uma ameaça às florestas públicas e às populações tradicionais da Amazônia brasileira. “Essa lógica de constante flexibilização do marco temporal e do tamanho dos imóveis a serem titulados acaba por legitimar práticas de grilagem e estimular novas ocupações ilegais, aumentando a pressão sobre as florestas públicas”, ressalta o posicionamento da Coalização.

Audiência na Comissão de Agricultura

Nesta quinta-feira (29) a partir das 13h30 está prevista uma audiência pública sobre a regularização fundiária na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária. A princípio, o objetivo seria discutir principalmente o Projeto de Lei nº 4.348/2019, que também traz novas regulamentações ao tema, mas os holofotes devem mudar para o PL 510/2021. 

Para o debate foram convidados a coordenadora de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil, Mariana Mota, e representantes da Secretaria Especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag).

A audiência será transmitida online através deste link.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Notícias
28 de junho de 2020

Grileiros já tomaram quase 12 milhões de hectares de florestas públicas na Amazônia

Estudo aponta que 23% dos 49,8 milhões de hectares de florestas públicas não destinadas da Amazônia já foram invadidas pela grilagem, um dos principais motores do desmatamento

Salada Verde
6 de agosto de 2017

O que é grilagem e o que ela tem a ver com o desmatamento na Amazônia

O que a Lei 13.365, a chamada Lei da Grilagem, tem a ver com a derrubada da Amazônia? E por que esse assunto voltou ao noticiário? Entenda neste vídeo do Observatório do Clima

Notícias
28 de abril de 2021

Senado vota PL que regulariza a grilagem de terras públicas até dezembro de 2014

Pacheco incluiu na ordem do dia projeto do senador Irajá Abreu que resgata texto da MP da grilagem, que caducou. Proposta deve ser votada às 16h

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta