Notícias

Bolsonaro dissemina comparação distorcida sobre desmatamento na Amazônia durante campanha eleitoral

Nas redes sociais, o candidato afirma que o governo Lula registrou o dobro de perda florestal, mas ignora a progressão da série histórica

Débora Pinto ·
8 de setembro de 2022 · 2 anos atrás

O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) utilizou suas redes sociais para disseminar, na sexta-feira (02/09), a informação de que o desmatamento ocorrido no governo de seu rival Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi o dobro do registrado em seu mandato. De fato, durante a gestão de Lula, o desmatamento na região amazônica já apresentava números alarmantes. A diferença entre as duas gestões, porém, está na progressão. 

De acordo com informações fornecidas pelo PRODES (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal), do INPE, quando Lula iniciou a sua gestão em 2002 o índice de desmatamento era de 21.650 quilômetros quadrados (km²). Nos dois primeiros anos, esses números apresentaram aumento, com o registro de 25.396 km² em 2003 e 27.772 km² em 2004. Em 2005, esse número passou a cair, com o registro de 19.014 km² de área desmatada. 

Os números de 2010 foram comemorados com uma baixa recorde de desmatamento e a retirada de 6.451 km² de área de floresta. A tendência continuou sendo de queda até que aumentos voltaram a ser registrados em 2013, quando a Amazônia perdeu 5,8 km², 28% a mais do que no ano anterior.

Quando Bolsonaro se elegeu, em 2018, a área desmatada registrada pelo PRODES era de 7.536 km². Desde então, os números apenas aumentaram. A perda florestal em 2021 foi de 13.038 km², um aumento de 20% em relação ao ano anterior e o maior índice desde o acumulado de 2006.

Segundo informações divulgadas pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), entre janeiro e novembro de 2021 a floresta perdeu 10.222 km², um índice 31% superior ao mesmo período de 2020 e a pior dos últimos 10 anos. Ainda de acordo com os dados do SAD, o acumulado anual é o dobro do índice  registrado no ano anterior ao início do governo Bolsonaro. 

Vale ressaltar, porém, que no último debate  o ex-presidente Lula  também realizou uma afirmação equivocada, ao dizer que o seu governo havia sido responsável pela menor taxa de desmatamento registrada. Na verdade,  o menor índice histórico, desde que o monitoramento começou a ser realizado pelo PRODES em 1988 aconteceu em 2012, sob gestão da ex-presidenta Dilma Rousseff. Naquele ano foram registrados 4.571 km² de floresta desmatada, um índice cada vez mais distante da realidade da Amazônia.

  • Débora Pinto

    Jornalista pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, atua há vinte anos na produção e pesquisa de conteúdo colaborando e coordenando projetos digitais, em mídias impressas e na pesquisa audiovisual

Leia também

Notícias
15 de novembro de 2013

Zangada, ministra anuncia aumento de 28% no desmatamento

Izabella Teixeira revelou essa tarde que a Amazônia perdeu 5,8 mil km de floresta, quebrando uma série de 5 quedas consecutivas desde 2008

Reportagens
1 de dezembro de 2010

Amazônia: baixa recorde do desmatamento

Dados preliminares do Prodes computam retirada de 6.451 km² de área de floresta, com queda de 14% em relação a 2009.

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.