Notícias

Cinco municípios concentram 100% da exploração ilegal de madeira em Rondônia

Chupinguaia, Pimenta Bueno, Machadinho D´Oeste, Porto Velho e Corumbiara figuram na lista. Área total explorada no estado é de mais de 16 mil hectares

Cristiane Prizibisczki ·
11 de outubro de 2022

O estado de Rondônia explorou recursos madeireiros em 16.377 hectares de floresta entre agosto de 2020 e julho de 2021, os dados mais recentes. Deste total, 2 mil hectares ocorreram de forma ilegal, sendo que apenas cinco municípios do estado concentraram 100% de toda ilegalidade. Os dados são de uma pesquisa da Rede Simex que, pela primeira vez, distinguiu a exploração irregular da regular em estados da Amazônia.

Ao cruzar informações sobre as autorizações para extração madeireira emitidas pelos órgãos ambientais do estado com imagens de satélite, os pesquisadores chegaram à conclusão que Chupinguaia concentrou 29% da extração ilegal, Pimenta Bueno, 27%, Machadinho D´Oeste, 23%, Porto Velho, 17% e Corumbiara, 5%.

Dois dos cinco municípios que mais exploraram de forma ilegal ficam na porção norte do estado, o que pode ser um indicativo do avanço do desmatamento naquela região de Rondônia.

O corte seletivo de madeira é o primeiro passo para a devastação total, já que a área fica “empobrecida” sem os recursos madeireiros e passa a ser utilizada para outros usos, como pasto e lavoura.

Das explorações não autorizadas, 98% ocorreu dentro de imóveis rurais privados, o que permite a atribuição da responsabilidade aos donos das propriedades. 

Nos outros 14.361 hectares, a extração ocorreu de forma legal. O número representa 88% do total explorado.

A Rede Simex é formada por quatro instituições ambientais:  Imaflora, Imazon, Idesam e ICV.

“A transparência dos dados é algo fundamental para qualificar o debate sobre o setor florestal. Temos dialogado com os órgãos estaduais de meio ambiente visando a construção de uma agenda positiva e o compartilhamento de conhecimento”, ressalta Leonardo Sobral, gerente florestal do Imaflora.

Para esse estudo, foram utilizados os dados abertos do Sinaflor, a partir do Sistema Compartilhado de Informações Ambientais (Siscom), e dados dos Planos de Manejo Florestal Sustentável disponibilizados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM/RO).

Todas as explorações encontradas em Unidades de Conservação foram autorizadas, e estão concentradas em duas Concessões Florestais: Floresta Nacional do Jamari e Floresta Nacional de Jacundá. 

Não foram encontradas explorações em áreas restritas como Unidades de Conservação de Proteção Integral e Terras Indígenas.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
30 de setembro de 2022

Ilegalidade chega a quase 40% da exploração de madeira na Amazônia, mostra estudo

Área em que madeira foi tirada sem autorização foi de 142 mil hectares, sendo 15% dentro de terras protegidas, como unidades de conservação e territórios indígenas

Notícias
21 de setembro de 2022

Sob Bolsonaro, extração ilegal de madeira em áreas protegidas do Pará aumenta 1000%

Cerca de 40% da exploração madeireira no estado como um todo aconteceu de forma ilegal, mostra levantamento de instituições ambientais divulgado nesta quarta-feira (21)

Reportagens
17 de agosto de 2022

Indústria madeireira concentra exploração em apenas 2% das espécies disponíveis na Amazônia

Estudo realizado pelo Imaflora mapeia pela primeira vez as espécies exploradas no bioma. Apenas 10% do total comercializado é auditado para garantir legalidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Praieiro da Praia Alta/Guaporé diz:

    Vcs querem que eu acredite que não teve NENHUMA árvore derrubada ilegalmente e indo pras serraris em Costa Marques, Guajará, São Francisco do Guaporé, Nova Mamoré, Buritis, etc, etc, etc? Só nesses 5 municípios? Isso é acreditar demais no tal do “pixel”!!!