Notícias

Comissão de Meio Ambiente aprova PL que transforma Reserva do Arvoredo em Parque

Finalidade do projeto é permitir visitas turísticas e mergulho nas ilhas que compõem a atual reserva. Proposta ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça

Bruna Martins ·
20 de maio de 2021 · 1 anos atrás

Localizada no litoral do Estado de Santa Catarina, entre os municípios de Florianópolis e Bombinhas, a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo pode ser transformada  em Parque Nacional Marinho do Arvoredo. A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados aprovou,  na terça-feira (18), o Projeto de Lei 4198/12, que possibilita essa conversão.

O projeto está tramitando no Congresso desde 2012.

De acordo com as informações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a reserva possui 17.600 hectares de superfície e comporta em seu interior as ilhas do Arvoredo, Galé, Deserta, Calhau de São Pedro e uma considerável área marinha ao redor desse arquipélago. Ela também possui uma extensa diversidade de ambientes marinhos e terrestres, abrigando uma imensa quantidade de espécies de animais, muitos deles raros e ameaçados de extinção. 

Criada em 12 de março de 1990, atendendo o Decreto Federal n° 99.142, ela é uma unidade de conservação federal de proteção integral que apresenta grande importância biológica. Por esse seu caráter de preservação, a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo acaba sendo um espaço seguro para a vivência dessas espécies. As ilhas possuem locais de reprodução para aves marinhas e sítios arqueológicos com sambaquis e inscrições rupestres, além dos ambientes marinhos que viabilizam abrigos para a reprodução de espécies. Pela atual categoria, apenas estudos científicos são permitidos no local. 

Atividades de baixo impacto

Com a transformação em parque, será permitido o turismo e o mergulho recreativo nas ilhas que fazem parte da reserva. Essa é a proposta do autor, deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC) e, segundo ele, antes da criação da reserva, as ilhas eram um destino tradicional de mergulho recreativo no sul do Brasil. Ambas as formas de unidade de conservação, reserva e parque, são de proteção integral, não permitindo a exploração direta de seus recursos naturais; a diferença é a possibilidade de visitas turísticas

Relator do projeto na comissão de Meio Ambiente, o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) é favorável ao projeto e acredita que será uma mudança benéfica, pois as atividades são caracterizadas como de baixo impacto e, quando conduzidas de forma adequada, não prejudicam o meio ambiente. Além disso, será positivo para as comunidades que vivem no entorno, que poderão se beneficiar com a economia do turismo.

“A recategorização da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo em parque nacional vai possibilitar o desenvolvimento da visitação, de forma controlada pelo ICMBio, com amplo benefício econômico para as comunidades locais e, inclusive, para a gestão da unidade, já que a visitação será uma fonte importante de arrecadação de recursos para o parque”, afirmou.

O turismo, para a população que irá consumir, é visto como uma forma de ocupar seu tempo livre longe do estresse da cidade. Observando de uma ótica diferente, para as comunidades que vivem próximas, significa oportunidade de trabalho e renda.

Como a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo está dividida. Imagem: ICMBio.

Zona de amortecimento

O projeto também estabelece os limites da zona de amortecimento do futuro parque, na qual a pesca deverá obedecer ao disposto no plano de manejo da unidade de conservação.

Os conselheiros não possuem uma opinião consensual sobre a transformação da reserva em parque. No entanto, em documento enviado à Comissão do Meio Ambiente sobre o PL 4198/12, o Conselho Consultivo da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo afirma que, caso haja a mudança, a definição da zona de amortecimento será atitude de ação imediata.

“A zona de amortecimento é importante para garantir que atividades humanas no entorno da unidade de conservação ocorram sem a degradação dos recursos naturais e, portanto, deve ser definida e suas regras implementadas imediatamente”, afirma o documento. “Consideramos fundamental que um novo plano de manejo, adequado à categoria parque nacional, seja elaborado antes da abertura para atividades de uso público”, acrescenta.

Tramitação

O projeto será analisado em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, ou seja, aprovado nas comissões, segue para o Senado sem precisar passar pelo Plenário. Mas, se 52 deputados recorrerem, o projeto vai para o Plenário.

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Salada Verde
26 de maio de 2022

A proposta de restaurar 900 campos de futebol de Mata Atlântica em dois anos

Projeto teve início no primeiro semestre de 2022 e seguirá até dezembro de 2023, com a proposta de restaurar 886.3 hectares de vegetação, sendo 720.8 em áreas de RPPNs e 165.5 em regiões do entorno

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta