Notícias

Criminalidade emperra o avanço de economias que preservam a Amazônia

Predomínio de delitos transfronteiriços se deve a falhas regulatórias e ao crescente envolvimento do crime organizado

Aldem Bourscheit ·
12 de julho de 2023

Reunidos esta semana em Letícia (Colômbia), líderes de países vizinhos ouviram de Lula uma proposta para integrar polícias e o controle do tráfego aéreo na Amazônia. A ideia é combater crimes que cruzam fronteiras.

A sugestão veio num encontro prévio à Cúpula da Amazônia, marcada para agosto, em Belém (PA). Junto à brasileira Tabatinga (AM), a cidade colombiana é um polo do comércio ilegal de drogas, armas e animais.

A recomendação do presidente brasileiro chega em boa hora. Afinal, quadrilhas ganharam força e terreno no país graças ao esfacelamento da fiscalização no governo Jair Bolsonaro. 

Os crimes ambientais na Amazônia já têm conexões com 24 dos 27 estados, exceto Alagoas, Pernambuco e Paraíba. O Instituto Igarapé conclui isso analisando mais de 300 operações da Polícia Federal, entre 2016 e 2021. 

Grilagem de terras, desmate, garimpo e agropecuária ilegais foram os delitos mais comuns, até em áreas protegidas. Dentro e fora da Amazônia, Pará, Rondônia, Amapá, São Paulo, Paraná e Goiás lideram em ocorrências.

As conexões com a criminalidade na floresta equatorial brasileira alcançam igualmente países como Guiana Francesa, Venezuela, Suriname, Colômbia, Paraguai e Bolívia. 

Um estudo publicado na OECD Trade and Environment Working Papers estima que os crimes ambientais crescem 8% ao ano no mundo e que movimentem até US$ 281 bilhões anuais, ou cerca de R$ 1,35 trilhão.

“O predomínio de crimes ambientais transfronteiriços se deve a falhas regulatórias e ao crescente envolvimento do crime organizado transnacional, que exigem respostas internacionais coordenadas”, diz o relatório.

Sem dúvida um cenário desafiador para negócios amigáveis à floresta, como a bioeconomia. Uma proposta para fortalecer essa agenda na Amazônia foi divulgada no encontro de Letícia, por 100 organizações internacionais.

Isso trará “mais e melhores condições de trabalho e de vida para comunidades tradicionais e povos indígenas” e promoverá “o desenvolvimento sustentável tanto das cidades como do interior da Amazônia”, diz o documento.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Notícias
27 de outubro de 2022

Cerca de 40% da cocaína traficada através do Brasil passa pela Amazônia

Economia gerada pela ilegalidade potencializa crimes ambientais, como desmatamento e garimpo ilegal, diz Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Notícias
10 de julho de 2023

Lula sugere a criação de um IPCC para a floresta amazônica

Em reunião preparatória para a Cúpula da Amazônia, na Colômbia, Lula pregou união entre países e desmatamento zero em todo bioma

Reportagens
29 de agosto de 2022

Como o Brasil se conecta à Amazônia pelos crimes ambientais

Dos 27 estados brasileiros, 24 estão conectados à Amazônia pelos crimes ambientais. Essas ramificações, identificadas a partir de dados de mais de 300 operações da Polícia Federal entre 2016 e 2021, envolvem 254 municípios

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.