Notícias

Decreto de Lula vai revelar nomes de desmatadores da Amazônia

Canetadas de Lula em sua chegada ao Planalto retomam a participação da sociedade civil com restabelecimento do CONAMA e são o primeiro passo para país reconstruir sua política ambiental

Fabio Pontes ·
3 de janeiro de 2023 · 1 anos atrás

Os decretos assinados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, revogando parte da “herança maldita” da política ambiental de seu antecessor, Jair Bolsonaro, são os primeiros passos para reestruturar as ações de proteção dos biomas brasileiros, em especial da Amazônia, o mais impactado pelo avanço do desmatamento e do fogo ao longo dos últimos quatro anos.

Retomar a agenda de preservação da Floresta Amazônica estava entre as principais promessas do então candidato à Presidência, concretizadas logo em seu primeiro dia já no Palácio do Planalto. 

Entre as medidas mais importantes está a que acaba com os chamados “Núcleos de Conciliação Ambiental”, visto como um instrumento para beneficiar os infratores ambientais autuados por Ibama e ICMBio. Na prática, as ações destes núcleos serviam como uma forma de garantir a impunidade de quem fosse flagrado na prática de crimes ambientais. 

A “anistia ambiental” foi uma das primeiras medidas adotadas por Bolsonaro ao assumir o cargo de presidente, em 2019. Segundo o decreto nº 9.760, as infrações ambientais passaram a ser analisadas previamente por um “Núcleo de Conciliação Ambiental”. Isto significa que, antes mesmo de qualquer defesa do autuado, os núcleos de conciliação poderiam analisar a multa para confirmá-la, ajustá-la ou anulá-la, caso se entendesse que houvera alguma irregularidade, após pronunciamento da Procuradoria-Geral Federal. 

A adoção desta prática acabou por desmotivar a atuação dos agentes ambientais em suas operações de campo, pois sabiam que as multas aplicadas teriam como destino as gavetas. O assédio e perseguição a estes servidores públicos foi outra marca do governo Bolsonaro. 

“A questão da conciliação, que era apenas uma enrolação, nós vamos fazer com que esse processo não continue, pois era só um instrumento para protelar as ações, e as multas prescrevem”, disse a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, logo após ser nomeada por Lula, no primeiro dia de 2023. 

O retorno do Fundo Amazônia foi outra medida emergencial já adotada pelo novo governo. Logo de cara, o governo da Alemanha anunciou a liberação de 35 milhões de euros que estavam contingenciados durante a gestão Bolsonaro. A Noruega já tinha anunciado a retomada da parceria com o Brasil durante os dois meses de transição. 

Por meio do Decreto 11.368, Lula restabeleceu o modelo de governança do Fundo Amazônia, gerenciado pelo BNDES. Os recursos são usados tanto para as ações de comando e controle de combate aos crimes ambientais, quanto para financiar projetos para a produção sustentável entre as comunidades rurais, ribeirinhas e indígenas da Amazônia. 

A ministra do meio ambiente Marina Silva e a ministra do meio ambiente da Alemanha, Steffi Lemke. O governo alemão é o principal doador do Fundo Amazônia. Foto: Instagram

O revogaço do presidente Lula ainda abrange a reconfiguração do Conselho Nacional de Meio Ambiente, o Conama, cuja composição original foi alterada pelo governo Bolsonaro. Uma das principais heranças malditas da passagem de Ricardo Salles pelo Ministério do Meio Ambiente, a reformulação do Conama retirou praticamente toda a representatividade da sociedade civil, deixando apenas setores ligados ao governo e seus  aliados.  

Combate ao garimpo 

Através do Decreto 11.369, o presidente Lula anulou a validade do Decreto 10.966, de 11 de fevereiro de 2022, que criava o “Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Mineração Artesanal e em Pequena Escala” . Em outras palavras, a medida de Bolsonaro era vista como uma forma de “legalizar” a atividade garimpeira. O avanço do garimpo ilegal sobre as terras indígenas da Amazônia foi outra das rincipais marcas do governo passado. 

Também durante a campanha eleitoral, Lula prometeu fazer do combate ao garimpo dentro dos territórios indígenas um de seus principais campos de atuação. A revogação do decreto de fomento à mineração artesanal é o primeiro passo neste sentido. Todavia, o maior desafio para o governo recém-empossado é realizar a desintrusão da Terra Indígena Yanomami, em Roraima, a mais impactada pelo garimpo clandestino. 

  • Fabio Pontes

    Fabio Pontes é jornalista com atuação na Amazônia, especializado nas coberturas das questões que envolvem o bioma desde 2010.

Leia também

Reportagens
15 de abril de 2024

Destruição do Cerrado emperra mega corredor da onça-pintada

É inadiável ampliar unidades de conservação e melhor alocar a vegetação legalmente protegida para salvar espécies nativas

Salada Verde
15 de abril de 2024

Cachorros-vinagres são fotografados no maior parque federal do país

Ameaçada de extinção, espécie foi registrada pela primeira vez no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, no Amapá, através de armadilhas fotográficas

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.