Notícias

Desmatamento na Amazônia nos três primeiros meses de 2022 é o segundo pior em 15 anos

De janeiro a março, floresta perdeu área equivalente a metade da cidade do Rio de Janeiro. Desmatamento registrado pelo Imazon só é menor do que mesmo período do ano passado

Cristiane Prizibisczki ·
14 de abril de 2022

Entre janeiro e março de 2022, a Amazônia perdeu uma área equivalente a metade da cidade do Rio de Janeiro. Foram 687 km² de floresta que foram ao chão no primeiro trimestre do ano, segundo medições do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). A cifra é a segunda maior já registrada na série histórica do Instituto, que começou há 15 anos. 

O primeiro trimestre de 2022 só não foi pior do que o mesmo período no ano passado, quando foram registrados 1.185 km² de desmatamento. A diferença entre os números se deve à queda de 85% na devastação em março: em 2022 foram registrados 123 km² de desmatamento, contra 810 km² no ano passado.

A queda, no entanto, não é motivo de celebração. “Em breve entraremos no período seco, onde historicamente a derrubada da floresta tende a ser maior. O fato de termos no trimestre de 2022 a segunda maior área desmatada em 15 anos nos mostra que o desmatamento ainda segue em ritmo intenso na Amazônia”, diz Larissa Amorim, pesquisadora do Imazon.

Desmatamento por estados

Entre os nove estados da Amazônia Legal, o Mato Grosso foi o que mais desmatou no mês de março, segundo as medições do Imazon. Foram 57 km² de devastação, o que representa 46% de todo desmatamento registrado no período. Esta é a terceira vez que o Mato Grosso lidera a lista de estados desmatadores.

Além disso, metade dos 10 municípios que mais desmataram ficam em solo mato-grossense: Nova Ubiratã, Juara, Feliz Natal, Porto dos Gaúchos e Juína. Juntos, eles somaram 35 km² de floresta derrubada, 61% do registrado no estado.

Em segundo lugar ficou o Pará,  com 27% da derrubada da Amazônia (33 km²). Desse total, 21% (7 km²) foram registrados apenas dentro de duas unidades de conservação, a APA Triunfo do Xingu e Flona do Jamanxim. Elas foram as áreas protegidas com maior derrubada na floresta em março, com 5 e 2 km², respectivamente.

O terceiro estado com maior desmatamento em março foi Roraima, com 11% do total (13 km²). Em quarto vem o Amazonas, com 10% (12 km²), todos registrados em apenas um município: Lábrea, no sul do estado. 

“Esse é um município que já vinha apresentando altos percentuais de desmatamento no Amazonas desde o ano passado. Ele fica na região da divisa com o Acre e com Rondônia, em uma área de expansão agropecuária chamada Amacro, onde a derrubada da floresta está em um ritmo alto”, completa a pesquisadora do Imazon.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
20 de dezembro de 2021

Desmatamento na Amazônia entre janeiro e novembro atinge pior marca da década e ultrapassa 10 mil km²

Acumulado do ano é 31% maior do que o registrado no mesmo período de 2020. Desmatamento no bioma dobrou sob Bolsonaro, mostra Imazon

Notícias
17 de novembro de 2021

Desmatamento na Amazônia já está perto dos 10 mil km² em 2021, aponta Imazon

Somente em outubro, floresta perdeu 803 km², área quatro vezes maior do que a cidade do Recife. Números são os maiores dos últimos 10 anos

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Antonio Carlos Lopes Leal diz:

    A área da Amazônia ainda virgem equivale a 50 vezes a área do Estado de São Paulo.