Notícias

Fiscal de meio ambiente de município no Rio é morto a tiros

O fiscal, Cezar Marendaz, estava a serviço da prefeitura de Japeri, município da Baixada Fluminense, quando foi morto a tiros. Polícia Civil investiga o caso

Emanuel Alencar ·
7 de outubro de 2020 · 1 anos atrás
Carro onde estava o fiscal ambiental, morto a tiros. Foto: Reprodução

Cezar Marendaz, fiscal de Meio Ambiente da prefeitura de Japeri, foi morto a tiros quando se encaminhava para ação de combate a crimes ambientais, na manhã desta quarta-feira (07), no centro da cidade, situada na Baixada Fluminense. Outro fiscal estava no carro na hora da ação criminosa, mas nada sofreu. A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense, da Polícia Civil, está com a investigação. O clima é de revolta e muito medo entre os fiscais das pastas ambientais do Grande Rio. Muitos conheciam Cezar, que tinha 56 anos e deixa esposa e duas filhas.

Tido como um profundo conhecedor dos territórios da Baixada Fluminense, Cezar estava num carro de fiscalização que foi alvejado por mais de dez disparos. Procurado por ((o))eco, o secretário de Meio Ambiente de Japeri, Weslley Pinto da Silva, disse que estava com pressão alta e precisou de atendimento hospitalar, e ainda não se pronunciou  sobre o caso.

“A rotina dos fiscais na Baixada Fluminense infelizmente é de medo. Estamos todos arrasados, acuados, amedrontados. Muitos se conhecem de reuniões e seminários, e o Cezar era muito atuante, profundo conhecedor dos territórios”, disse um fiscal de município do Rio que preferiu não se identificar.

 

Leia também

Prefeitura do Rio nomeia operador de copiadora para ser chefe de parque

Defesa da Floresta do Camboatá une movimento ambientalista no Rio

Polícia Federal afirma que vai investigar a morte de Paulo Paulino Guajajara

 

  • Emanuel Alencar

    Jornalista, editor de Conteúdo do Museu do Amanhã e mestre em Engenharia Ambiental. É autor do livro “Baía de Guanabara – Des...

Leia também

Notícias
4 de novembro de 2019

Polícia Federal afirma que vai investigar a morte de Paulo Paulino Guajajara

Líder indígena estava na Terra Indígena Araribóia, no Maranhão, quando foi cercado por cinco madeireiros armados que atiraram no guardião da floresta

Reportagens
17 de setembro de 2020

Defesa da Floresta do Camboatá une movimento ambientalista no Rio

Enquanto o processo de licitação do autódromo do Rio começa a aparecer nas páginas policiais, movimento em prol da floresta vira referência

Notícias
10 de setembro de 2020

Prefeitura do Rio nomeia operador de copiadora para ser chefe de parque

Nomeações de servidores não técnicos para chefia do Parque dos Dois Irmãos e APA da Serra dos Pretos Forros causam revolta entre ambientalistas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. Jussara diz:

    Quem trabalha neste país atrapalha os esquemas.


  2. Né Dantas diz:

    1. Mirta diz:

      Importa se é comunista ou facista? Importa q é uma vida q deixa filhas e esposa e deixa a área do meio ambiente nas maos dos criminosos que querem acabar c a nossa terra por dinheiro.


  3. Alexandre diz:

  4. Alexandre diz:

    A morte desse servidor é estimulada pelo discurso político, como se questões ambientais, que dizem tesoureiro aí direito da coletividade, dizem questões ideológicas. Lamentável