Notícias

Floresta explorada não volta a ser a mesma

Estudo apresenta evidências de que ciclo de 30 anos para manejo da Amazônia é insuficiente para recuperação da floresta.

Vandré Fonseca ·
14 de julho de 2016 · 5 anos atrás
O insustentável manejo da floresta. Foto: Ibama.
O insustentável manejo da floresta. Foto: Ibama.

Manaus, AM — A motosserra pode causar traumas irrecuperáveis na floresta, mesmo quando está a serviço do manejo dito sustentável. Um estudo publicado na revista científica on-line PLOS ONE, por pesquisadores da Universidade de East Anglia, Inglaterra, sugere que espécies nobres, de alto valor, quando retiradas da floresta não retornam a níveis comerciais e correm o risco de desaparecer.

Foram estudados 824 áreas de exploração madeireira, espalhadas pelos 124 milhões de hectares de extensão do estado do Pará. Os dados coletados indicam a extração de 17,3 milhões de metros cúbicos de madeira, de 314 espécies diferentes. O Pará é responsável por quase metade da produção de madeira a partir de floresta nativa da Amazônia.

O estudo revelou que, para manter o retorno econômico, os madeireiros são obrigados continuamente a explorar novas áreas de floresta primária. “Nossa análise mostra que até mesmo o chamado ‘manejo de impacto reduzido’ em florestas tropicais pode não ser definido como sustentável em termos da composição e dinâmica florestal a longo prazo, sem considerar ainda a maior suscetibilidade das florestas exploradas a incêndios catastróficos“, afirma o professor Carlos Peres, um dos responsáveis pelo estudo.

Além de não encontrar evidência de que a composição volumétrica de espécies madeireiras recupera o valor inicial após o primeiro corte, os pesquisadores verificaram que apenas nas operações em frentes de atividade madeireira mais recentes e remotas, longe de estradas de tráfego pesado, ocorrem as espécies de alto valor comercial.

A tendência da atividade madeireira, além de buscar áreas ainda não exploradas, é manter um portfólio de abate, concentrado nas espécies de maior valor comercial. Para os pesquisadores, gerenciar os ganhos nas áreas de exploração de florestas é crucial para a integridade da biodiversidade e da viabilidade econômica da atividade a longo prazo.

De acordo com a autora principal do artigo, Vanessa Richardson, estudos prévios na Ásia sugerem que a atuais práticas comerciais podem levar a exploração de espécies até elas se tornarem raras a ponto de não ter mais viabilidade econômica. “Nossos estudos na região Neotropical reforça essa ideia”, afirma. “Nós já podemos ver uma mudança no mercado, em que madeireiros na fronteiras mais antigas e empobrecidas da Amazônia são forçados a dependerem de espécies de crescimento rápido, de madeira macia”, completa.

Durante o trabalho de campo, Vanessa Richardson calculou também o estrago que a derrubada de uma grande árvore, mesmo com corte seletivo e certificado de baixo impacto, provoca ao redor. De acordo com ela, morrem em média 12 árvores pequenas, por acidente, criando clareiras, onde ocorre a proliferação de espécies de crescimento rápido e madeiras leves.

Ela destaca que quando a exploração deixa a floresta totalmente diferente, mais suscetível ao fogo, à construção de estradas, à conversão do solo para a pecuária e entrada de caçadores, que podem reduzir as espécies de animais responsáveis pela dispersão de sementes.

“Todos estes fatores são conectados, mas é como se o primeiro ciclo de corte fosse a primeira facada na degradação da floresta”, compara a pesquisadora. “Para garantir a recomposição dessas árvores nas concessões florestais, ideal seria proibir o segundo ciclo, ou no mínimo adiar, ou diminuir o limite do volume legal para o corte, porque no modelo atual vai demorar muito mais do que 30 anos para recompor todas as espécies”, completa.

 

Saiba Mais

Artigo: Temporal decay in timber species composition and value in Amazonian logging concessions. Vanessa A. Richardson e Carlos A. Peres.

 

Leia Também

Matadores de velhinhas

A aposta incerta do manejo florestal

Portaria regula extração de madeira de espécies ameaçadas

46% de área madeireira no Mato Grosso é ilegal, diz novo estudo

 

  

Leia também

Reportagens
15 de junho de 2015

46% de área madeireira no Mato Grosso é ilegal, diz novo estudo

Embora com crescimento de 80% de empresas legalizadas, quase metade das madeiras vindas do estado vem de áreas ilegalmente desmatadas.

Salada Verde
19 de fevereiro de 2015

Portaria regula extração de madeira de espécies ameaçadas

Exploração seguirá regras dos Planos de Manejo Florestal Sustentável. Maior preocupação é com extinção de árvores de alto valor comercial.

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Aristides Arthur Soffiati Netto diz:

    Devemos creditar aos povos indígenas o pioneirismo na abertura de trilhas que, posteriormente, serão aproveitadas pelos europeus nas chamadas estradas gerais e sua ramificações, como mostra Capistrano de Abreu em “Caminhos antigos e povoamento do Brasil” (1930). Os povos indígenas usavam essas picadas para a prática de uma economia de subsistência bastante robusta. Com os europeus e seus descendentes, a economia de mercado, ainda que precária, produziu desmatamento, ataques à fauna nativa e extermínio de indígenas.


  2. Raphael Albino diz:

    O Eduardo Bueno, do canal Buenas Ideias no Youtube possui um excelente vídeo sobre essa trilha e as aventuras que alguns personagens da nossa história passaram por ela.