Fotografia

Preikestolen, o Púlpito de Pedra

O topo da falésia, que se ergue a 604 metros de altura, é uma das atrações turísticas mais visitadas da Noruega. Foto: Tijs Vrolix

Redação ((o))eco ·
13 de maio de 2014 · 8 anos atrás

Preikestolen se ergue sobre o Fiorde de Lyse, em Forsand, Noruega. O topo desta falésia é um quadrado, quase plano que se estende por aproximadamente por 25 m². A falésia foi formada durante a Era Glacial, cerca de 10.000 anos atrás, quando as bordas de uma geleira atingiram a montanha. A água da geleira congelou nas fendas da montanha e com o passar do tempo, rompeu grandes blocos angulares que, por sua vez, foram carregados com a retração do gelo. Daí o seu formato peculiar. Ao longo do platô rachaduras ainda existem que indicam que, no futuro, ele também vai desabar. No entanto, todas as investigações geológicas têm revelado que isto não vai acontecer tão cedo. Milênios devem passar antes deste evento. O local é seguro para visitas e assim vai ficar por muito tempo. Foto: Tijs Vrolix

 

 

Veja também
Areia de estrelas

 

 

 

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Leandro Travassos diz:

    …na Serra dos Órgãos e principalmente na Reserva Biológica do Tinguá, que ainda possui uma população de queixada (Tayassu pecari) e veado mateiro (Mazama americana).