Notícias

G20: Merkel quer discutir desmatamento da Amazônia com Bolsonaro

Chanceler alemã afirmou nesta quarta-feira (26) que vê com “grande preocupação” as ações do presidente brasileiro. UE e Mercosul discutem um acordo de livre comércio

Daniele Bragança ·
26 de junho de 2019 · 3 anos atrás
Angela Merkel em discurso no parlamento alemão. Foto: Achim Melde/Deutscher Bundestag.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, deverá conversar com o presidente Jair Bolsonaro na reunião do G20 sobre os novos rumos da política ambiental brasileira, em especial em relação ao aumento do desmatamento na Amazônia. A afirmação foi feita nesta quarta-feira (26) durante visita da chanceler ao parlamento alemão. A cúpula do G20 começa nesta sexta-feira (28), no Japão.

“Assim como vocês, vejo com grande preocupação as ações do presidente brasileiro (em relação ao desmatamento) e, se for o caso, aproveitarei a oportunidade no G20 para ter uma discussão clara com ele”, disse a política, em resposta a um questionamento feito por um membro do partido verde.

A União Europeia e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) costuram um acordo de livre comércio entre os dois grupos de países. Essa é uma negociação de pelo menos duas décadas e o meio ambiente está no meio da disputa. Isso porque a Europa vive uma onda verde e um empoderamento da juventude em prol do clima e meio ambiente. Embora pessoalmente a chanceler alemã defende a manutenção do acordo, independente das novas posições do Brasil, as eleições na Alemanha decidirão a posição do país.

“Não concluir o acordo com o Mercosul não contribuiria de forma alguma para que um hectare a menos seja desmatado no Brasil, ao contrário”, disse Merkel. “Esta não é a resposta para o que está acontecendo no Brasil”.

Os rumos do acordo entre EU e Mercosul podem ser decididos ainda no fim de semana.

Ruralistas pelo desmatamento ilegal zero

Manifesto da FPA. Imagem: Reprodução.

A preocupação de Merkel coincide com um movimento da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que entregou esta semana ao ministro Ricardo Salles um manifesto em prol do desmatamento ilegal zero. A FPA se preocupa com o desgaste da imagem do Brasil no exterior.

De acordo com o manifesto, o governo brasileiro não dispõe de mecanismos para diferenciar o desmatamento permitido (o legal) do não permitido (o ilegal). 

“Diante desse cenário em que as estatísticas oficiais divulgadas não separam o legal do ilegal, nem quanto do desmatamento ocorreu efetivamente em imóveis rurais, os produtores rurais são criminalizados e confundidos com grileiros e outros detratores do meio ambiente”, afirma o documento. 

Na verdade o país já possui uma ferramenta para separar o desmatamento legal do ilegal, instituído pela portaria Nº 373, de setembro de 2018. O mecanismo ainda não completou um ano.

Alemanha 

O país europeu é o segundo maior financiador do Fundo Amazônia e vê com maus olhos mudanças na gestão do fundo que a gestão Bolsonaro tenta emplacar.

A Alemanha possui 38% de seu território em áreas protegidas. É o país Europeu com maior percentual de proteção da própria vegetação, de acordo com dados do Banco Mundial. Proporcionalmente, o Brasil protege menos, cerca de 30% de seu território.

 

 

Leia Também 

Desmonte de políticas ambientais é a marca dos 100 dias de governo Bolsonaro

Maiores doadores, Noruega e Alemanha rejeitam mudanças no Fundo Amazônia

Governo anuncia que prepara um decreto para alterar regras do Fundo Amazônia

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
27 de maio de 2019

Governo anuncia que prepara um decreto para alterar regras do Fundo Amazônia

Ricardo Salles se reuniu na tarde de segunda-feira (27) com representantes das embaixadas da Noruega e da Alemanha e declarou que governo federal estuda formular decreto para mudar regras

Salada Verde
11 de junho de 2019

Maiores doadores, Noruega e Alemanha rejeitam mudanças no Fundo Amazônia

Proposta de mudanças não foi aceita pelos principais doadores do Fundo Amazônia, que financia combate ao desmatamento na Amazônia e manutenção da floresta em pé

Reportagens
10 de abril de 2019

Desmonte de políticas ambientais é a marca dos 100 dias de governo Bolsonaro

Discurso anti-ambientais somados ao desmantelamento de órgãos públicos figuram entre as principais mudanças nos primeiros três meses de governo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. George diz:

    Melhor estudar um pouco mais o "vortex polar" e o que diz a NASA antes de citar, ou arrisca se enrolar …


  2. Flávio diz:

    Resumo da ópera: Bolsonaro mitou Merkel e Macron, conseguiu assinar o Tratado de comercio com UEE e de quebra expos o cinismo internacional da Alemanha que possui 40% de sua matriz energética baseada no carvão e Macron, como um incompetente que sucumbe ao multiculturalismo e assimilação islâmica. Não podia ser melhor.
    Aguardando o inverno Europeu e os recordes de temperaturas negativas graças ao incremento do vortex polar e inicio do Minimun de Maulder, que se segundo a NASA, deve rolar até 2070.


  3. José diz:

    A nossa mula-mor, com sua monumental estupidez, se continuar nessa desorientação imbecil, vai acabar ferrando a parcela racional do setor agrícola, que lhe deu tanto apoio. Imagina o baque que é perder o mercado europeu… e tudo pra satisfazer seu ego e vontade de vingança, dele e da parcela atrasada do setor agropecuário. Todo mundo perde, é um jênio!


  4. Glauco diz:

    Ótimo que haja pressão internacional. Dessa forma poderemos acreditar que haverá uma discussão séria a respeito e que haja, realmente, jorn alismo nesse país. O Salles já mostrou a que veio e não se dobrará à preservação.
    Pau neles, Merkel!