Notícias

Governo exonera general e nomeia pecuarista para presidência do Incra

Geraldo Melo Filho é o novo presidente do órgão. Filho do ex-governador do Rio Grande do Norte ocupava o cargo de assessor especial do gabinete do ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

Sabrina Rodrigues ·
17 de outubro de 2019 · 2 anos atrás
O pecuarista Geraldo Melo Filho é o novo presidente do Incra. Foto: SENAR/PR.

O general do Exército João Carlos de Jesus Corrêa não é mais o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). A exoneração do general foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (17). No seu lugar foi nomeado o pecuarista Geraldo José da Camara Ferreira de Melo Filho, que ocupava o cargo de assessor especial do gabinete do ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, onde atuava como secretário-adjunto de Relacionamento Externo da pasta. 

A portaria publicada hoje confirma os boatos de que o general João Carlos Jesus Corrêa seria demitido por pressão dos ruralistas. Três dos seus assessores especiais e o coordenador do programa de educação do órgão já haviam sido oficialmente desligados. 

A queda de Jesus Corrêa foi atribuída ao secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura (MAPA), Nabhan Garcia, um dos principais articuladores da campanha presidencial de Jair Bolsonaro. O secretário não teria ficado nada satisfeito com as declarações do general de que se tornara uma “pedra no sapato” por contrariar interesses e até mesmo por atacar “verdadeiras organizações criminosas”.

João Carlos de Jesus Corrêa. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado.

Jesus Corrêa era um dos principais adversários da proposta que pretende instituir a regularização de terras por autodeclaração. A ideia foi anunciada pela primeira vez no início de outubro, quando o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura (MAPA), Nabhan Garcia, declarou que o governo vem sendo cobrado na questão de entrega de títulos e que por isso, estaria preparando a MP para que proprietários, ocupantes e assentados possam apenas declarar posse e apresentar um georreferenciamento da suposta propriedade, para assim, receber o título. A meta do governo para 2019 é regularizar 750 mil propriedades.

Para especialistas, a medida estimularia a grilagem de terras públicas e acirraria os conflitos no campo. “A experiência que temos no Brasil de um processo audodeclaratório de localização e limites de imóveis rurais vem com muito erro. O CAR tinha 4 milhões de imóveis declarados, destes, 3,79 milhões tinha algum tipo de sobreposição com outro imóvel do Cadastro. Encontramos também 24.800 imóveis, que somam 4,4 milhões de hectares, sobrepostos a terras públicas não destinadas”, disse Luís Fernando Guedes Pinto, gerente de Certificação Agrícola do Imaflora, na reportagem de Cristiane Prizibisczki publicada aqui em ((o))eco.

A MP da autodeclaração não tem data para ser publicada, mas Nabhan Garcia já havia declarado à imprensa, no começo deste mês, que a saída do general João Carlos de Jesus Corrêa facilitaria o andamento da medida, já que o novo presidente do INCRA, o economista e pecuarista, Geraldo José da Camara Ferreira de Melo Filho é ligado ao agronegócio.

O novo presidente do Incra é filho do ex-governador e ex-senador do Rio Grande do Norte, Geraldo Melo, um dos principais líderes do PSDB no estado. Melo Filho é formado em economia pela Universidade de Brasília e proprietário de uma criação de gado guzerá em Minas Gerais. Antes de ser assessor de Onyx Lorenzoni, atuou como diretor técnico da Associação Brasileira de Criadores de Guzerá (ABCG).

 

 

Leia Também

Os perigos da regularização fundiária por autodeclaração

O que é a regularização fundiária de unidades de conservação

Regularização fundiária reduz desmatamento em UCs

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
28 de março de 2013

Regularização fundiária reduz desmatamento em UCs

Novo estudo mostra que o fator mais importante para reduzir o desmatamento em Unidades de Conservação é a regularização fundiária.

Dicionário Ambiental
22 de janeiro de 2015

O que é a regularização fundiária de unidades de conservação

Além de estabelecer os limites territoriais, é necessário para a implementação de áreas protegidas consolidar o domínio da área.

Reportagens
14 de outubro de 2019

Os perigos da regularização fundiária por autodeclaração

Pesquisadores alertam para os riscos da implementação da medida anunciada pelo governo. Medida poderá impulsionar grilagem de terras públicas, desmatamento e violência no campo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Gabriela diz:

    Obrigada pela informacao relevante e de qualidade!