Notícias

Isso virou “troco” para nós, diz governador de Mato Grosso sobre programa REDD

Segundo Mauro Mendes, “migalhas” repassadas por países ricos não recompensam, de forma justa, os serviços ambientais prestados pelo Brasil

Fabio Pontes · Cristiane Prizibisczki ·
25 de novembro de 2022

O repasse de dinheiro internacional por meio de programas de compensação e serviços ambientais  se tornaram insignificantes no bolo das receitas de Mato Grosso em seus programas e políticas para o meio ambiente. Ao menos essa é a afirmação do governador reeleito, Mauro Mendes (União Brasil), em entrevista ao ((o))eco, durante sua participação na conferência do clima da ONU no Egito, a COP-27. Segundo ele, tais recursos passaram a ser “um troco” e “migalha” no conjunto orçamentário do estado. 

“Sabe quanto nós investimos só no meu órgão ambiental? São R$ 160 milhões. Por isso que eu não venho aqui atrás de 5 milhões, 10 milhões de dólares. Isso virou troco para nós. Nós estamos aqui para nos comunicar, para compreender e interagir nessa agenda ambiental, mostrar ao mundo aquilo que nós somos e fazemos e queremos respeito”, disse Mauro Mendes. 

De acordo com ele, o mundo deve pagar ao Brasil e a Mato Grosso o que é justo pelos serviços ambientais que prestam. “E queremos falar a verdade: Não queremos migalhas, com todo respeito.” O mato-grossense ainda critica o não cumprimento de acordos celebrados em conferências anteriores – como o Acordo de Paris na COP-21 -, que estabeleciam o repasse de ajuda financeira por parte dos países ricos, bem como as suas metas de redução de gases poluentes. 

“Então eles [países ricos] não podem ficar apontando o dedo para o nosso país. Nós também não cumprimos [as metas]. Queremos cumprir, e temos que cumprir. Mas a nossa baliza tem que ser a lei brasileira”, defendeu Mendes. 

Junto com o Acre, Mato Grosso é um dos estados da Amazônia Legal com os marcos legais mais avançados para a implementação de projetos – públicos e privados – que asseguram a assinatura de acordos de programas de pagamento por compensação ambiental, conhecidos  pela sigla em inglês REDD. 

Sobrevoo próximo de Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso. Foto: Carl de Souza/AFP

Apesar do pioneirismo, Mato Grosso permanece entre os estados que mais contribuem para a devastação da Floresta Amazônica. O estado também conta com a cobertura dos biomas Cerrado e Pantanal. 

Em 2021, de acordo com o MapBiomas, Mato Grosso ocupou a terceira posição entre os 27 estados no ranking do desmatamento. Ao todo, uma área de 194.498 hectares (quase 2 mil km2) foi desmatada ao longo do ano passado. 

De acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), no acumulado de 2022, apenas o bioma amazônico já desmatou 1.369 km2 de floresta. 

Após o Pará, conforme os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Mato Grosso é o que mais registra desmatamento na Amazônia. Desde 1988 já são mais de 150 mil km2 de Floresta Amazônica devastada. Grande parte deste impacto é ocasionada pelo avanço do agronegócio. Como se vangloria Mauro Mendes, o estado “é o maior produtor de alimentos do país”. 

Apenas no primeiro mandato do governador bolsonarista, segundo o Inpe, são 5,6 mil km2 de cobertura amazônica derrubada. Os dados ainda não incluem o ano de 2022. Conforme Mauro Mendes, boa parte dos investimentos aplicados pelo estado na área ambiental – dispensando as “migalhas” do REDD – são para o programa de monitoramento em tempo real do desmatamento. 

“Eu diria que tudo que é possível fazer [para reduzir o desmatamento], nós estamos fazendo em Mato Grosso. Nós temos a melhor tecnologia no Brasil hoje para detecção de desmatamento. Nós temos um sistema automático de autuação, que pode ser desenvolvido pelas diversas forças de segurança, que interage, simultaneamente, em tempo real com o Ministério Público para abrir ações de responsabilização”, afirma o governador. 

Quanto à redução nas taxas de devastação, ele afirma que Mato Grosso tem conseguido desacelerar estes impactos, na comparação com as décadas passadas. “Se olhar em 20 anos, num período de 20 anos, nós reduzimos 85%. Se olhar este ano em relação ao ano anterior, nós reduzimos 47%.”

Relação com Lula 

Aliado do ainda presidente Jair Bolsonaro (PL) desde 2018, e o apoiando nos dois turnos da eleição de 2022, Mauro Mendes tem sinalizado, desde o dia 31 de novembro, ter boa disposição para uma relação republicana com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

A eleição do petista para a Presidência é a principal razão para a mudança de comportamento de Mendes para a área ambiental em Mato Grosso, que é bastante fragilizada em benefício do agronegócio. 

Questionado por ((o))eco sobre como será sua relação com Lula a partir de 2023, o governador responde: “Muito respeitosa, colaborativa, em prol do meu estado, em prol do meu país”. 

Desde 2018, Mato Grosso se apresenta como um dos estados mais fiéis ao bolsonarismo. No segundo turno deste ano, o atual presidente obteve 65% dos votos válidos. Até hoje o estado enfrenta protestos, com o fechamento de  rodovias, contra o resultado das eleições. 

  • Fabio Pontes

    Fabio Pontes é jornalista com atuação na Amazônia, especializado nas coberturas das questões que envolvem o bioma desde 2010.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2022

Com 3 biomas ameaçados, Mato Grosso reelege Mauro Mendes e sua política anti-ambiental

Aliado de Bolsonaro, governador fez aprovar medida que concede o CAR a propriedades sobrepostas a TIs não homologadas; após pressão, trecho foi retirado, mas outros pontos danosos permanecem

Reportagens
14 de novembro de 2022

O Código Florestal será a base de diálogo com Lula, diz governador de Mato Grosso

Eleito tanto em 2018 quanto em 2022 com base na agenda bolsonarista, Mauro Mendes afirma que estados da Amazônia Legal podem ajudar o governo federal no combate aos crimes ambientais

Reportagens
10 de novembro de 2022

Mesmo com derrota, bolsonarismo ainda mantém resistência na Amazônia

Além de protestos em estradas, apoiadores de Bolsonaro ocuparam - e ocupam - a frente de quartéis do Exército pedindo intervenção Militar; em alguns desses estados, Bolsonaro obteve mais de 70% da votação

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Politiqueiro, tipo espertalhão.
    Investiu 160 milhoes? Onde….
    Quase 200 000 hectares derrubados, e ele não viu.
    Ou mente ou é omisso. Bagaçada