Notícias

MT vende terras públicas invadidas a preço 33 vezes menor que cobrado no mercado

Valor médio do hectare no mercado de terras do Mato Grosso é de R$ 9 mil, mas grileiro pode regularizar área ocupada ilegalmente pagando R$ 278 o hectare

Cristiane Prizibisczki ·
20 de dezembro de 2021

Invasores de terras no Mato Grosso podem regularizar a área ocupada ilegalmente pagando valores irrisórios por elas. A média do preço da terra cobrado pelo estado para fins de regularização fundiária é de R$ 278,48 o hectare (10 mil m²), sendo que o valor médio do hectare no mercado de terras mato-grossense é uma cifra 33 vezes maior: R$ 9.090,36.

As informações contam no relatório “Leis e Práticas de Regularização Fundiária no Estado do Mato Grosso”, produzido pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Ainda que o estado tenha feito mudanças recentes em sua lei fundiária e no órgão responsável pela área, o Instituto de Terras do Mato Grosso (Intermat), o relatório do Imazon aponta lacunas importantes nas normas desta unidade da federação quando o tema é destinação de terras públicas.

Ainda em relação aos valores de terras, o estudo mostra que, no Mato Grosso, áreas preservadas valem menos.  Sobre o valor de terra básico fixado pelo Intermat, cuja média foi apresentada no início do texto (R$ 278,48), são somados coeficientes relativos às características do local onde o imóvel está localizado: quanto mais infraestrutura ao redor, mais caro ele fica. Um decreto estadual, porém, veda a aplicação dos coeficientes às áreas de Reserva Legal, mantendo o valor básico. Ou seja, áreas de floresta possuem valor menor de venda do que as áreas já desmatadas.

A legislação mato-grossense também não traz indicação de prazo limite para início da ocupação. O marco temporal é um importante instrumento no controle da ocupação desordenada de terras públicas e o consequente desmatamento ilegal dentro delas.

Na esfera federal, o marco é 22 de julho de 2011, quando considerada a regra especial – regularização pagando o preço máximo da tabela do INCRA. Áreas ocupadas após esta data não podem ser regularizadas. No nível estadual, cabe a cada unidade da federação definir seu marco temporal.

No Mato Grosso, a legislação diz somente que, para casos de regularização por doação – imóveis até 100 hectares e cujo ocupante atenda a uma série de requisitos, como não possuir renda familiar por atividade não agrária acima de 3 salários mínimos – o tempo mínimo de ocupação é cinco anos. Já na modalidade de venda, o tempo exigido é um ano e um dia. 

Porém, como não há data explicita em nenhuma norma, essas ocupações poderiam ocorrer a qualquer tempo, inclusive no futuro. “É um estímulo para a continuidade da ocupação de terra públicas para fins de apropriação”, diz trecho do relatório.

Além disso, o estado não veda a titulação para requerentes que aparecem na lista de trabalho análogo à escravidão ou prevê a perda do imóvel titulado no caso de ocorrência desse tipo de situação. 

Também não há a exigência de que o invasor assuma o compromisso prévio de recuperação da área desmatada, tampouco o impedimento para regularizar áreas desmatadas recentemente.

Outro problema encontrado pelo Imazon no Mato Grosso são os procedimentos comprobatórios de posse. As normas estaduais permitem a utilização do Cadastro Ambiental Rural como documento comprobatório, o que contraria o Código Florestal Federal. Além disso, em algumas modalidades de regularização, se o ocupante não puder comprovar a exploração direta ou indireta da área por sua família, o estado aceita uma carta dos vizinhos com declaração de reconhecimento dos limites do imóvel.

Todos esses problemas são agravados pela falta de recursos humanos nas instâncias públicas estaduais voltadas para a regularização fundiária, pela desatualização da base fundiária digital e pela falta de participação social nos processos de destinação de terras públicas.

Situação fundiária no Mato Grosso

O Mato Grosso possui 10,5% de seu território (9,3 milhões de hectares) ainda não destinados ou sem informações sobre sua destinação. A maior parte desta área, correspondente a 6% do estado, já estava inscrita no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Porém, devido à ausência de informações públicas sobre a situação fundiária desses imóveis, não é possível averiguar a legalidade dessa ocupação. 

Do total dessa área não destinada, 29% (2,7 milhões de hectares) possui prioridade para conservação, sendo a maior parte (1,5 milhão de ha) classificada como de importância biológica extremamente alta.

Da área do estado que já possui destinação fundiária (89,5% do território mato-grossense), 65,5 % (59,3 milhões de hectares) é ocupado por imóveis privados, 16,5% (14,9 milhões de ha) por Terras Indígenas, 5% (4,5 milhões de ha) por projetos de assentamentos e 2,5% (2 milhões de ha) por Unidades de Conservação. O relatório identificou outros 31 mil hectares de Área Militar e 11,5 mil hectares de Florestas Públicas federais já destinadas.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
15 de dezembro de 2021

Análise sobre novo texto do PL da Grilagem é adiada para 2022

Proposta do senador Carlos Fávaro (PSD-MT) seria apreciada em comissões temáticas do Senado nesta quarta. Novo texto agrava retrocessos, dizem especialistas

Notícias
13 de dezembro de 2021

Amazonas possui cerca de 58 milhões de hectares em áreas públicas ainda não destinadas

Legislação fundiária no estado permite regularização de terras ocupadas a qualquer tempo, mesmo no futuro, o que estimula a grilagem e o desmatamento

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta