Notícias

PDT entra na Justiça contra leilão de petróleo envolvendo área próxima de Noronha

Governo incluiu a Bacia Potiguar na 17ª rodada do leilão da ANP, exploração ocorrerá em local vizinho a duas importantes áreas para a conservação: Fernando de Noronha e o Atol das Rocas

Daniele Bragança ·
13 de abril de 2021

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a 17ª rodada do leilão de blocos de petróleo realizado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), marcada para ocorrer em outubro. O partido pede a suspensão do leilão. O ministro Marco Aurélio será o relator da ação. O Supremo analisa duas ações civis públicas sobre o mesmo assunto. 

A 17ª rodada do leilão da ANP incluiu a Bacia Potiguar, mesmo com parecer contrário do Instituto Chico Mendes (ICMBio) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que apontaram que a área é de alta sensibilidade ambiental, localizada próxima de duas joias da conservação: o parque nacional Marinho de Fernando de Noronha e a reserva biológica de Atol das Rocas. 

No STF, o PDT alega que a União e a ANP ignoraram as próprias diretrizes ambientais aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) através de resolução. As diretrizes diziam que a inclusão “de áreas nas rodadas de licitações deveria considerar as conclusões das Avaliações Ambientais de Áreas Sedimentares (AAAS) (art. 6º)”. Ainda segundo a legenda, a União e a ANP trocaram a “obrigatoriedade de realização das AAAS” por uma “manifestação conjunta do Ministério de Minas e Energia e do Ministério do Meio Ambiente”, agindo em conjunto “com a finalidade precípua de fazer tábula rasa dos estudos técnicos que evidenciaram a ocorrência de danos imensuráveis ao meio ambiente, no que põe em evidência o intento ardil de menoscabar a proteção ambiental”, defende o partido.

O PDT pede a suspensão do leilão e a realização das Avaliações Ambientais de Áreas Sedimentares (AAAS) para determinar a inclusão ou exclusão das áreas sensíveis no leilão. 

“A desconsideração dos estudos técnicos elaborados pelo IBAMA e pelo ICMBio, aliada à suspeita aceleração dos procedimentos, substituindo-se estudos técnicos por  manifestações conjuntas interministeriais, por exemplo, arrefecem a importância do preceito constitucional relativo à preservação do meio ambiente ecologicamente equilibrado, impondo riscos incalculáveis do ponto de vista ambiental e econômicos às presentes e futuras gerações”, escrevem, na petição inicial

Praia do Sanho, na Baía do Sancho, em Fernando de Noronha. Foto: Rafa Tecchio/Wikipédia.

Outras ações

O Instituto Internacional Arayara ajuizou no dia 26 de março duas ações civis públicas com pedido cautelar de tutela provisória de urgência e a suspensão do leilão de blocos exploratórios das bacias de Pelotas (Região Sul) e Potiguar (Nordeste) para exploração de petróleo e gás, previsto para ser realizado no dia 7 de outubro deste ano.

As ações deram entrada nas varas federais em Pernambuco e Rio Grande do Sul  – e estão sendo realizadas em conjunto com o Observatório do Petróleo e Gás (OPG), tendo apoio da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil e do Observatório do Clima.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Reportagens
21 de outubro de 2021

COP26 – Brasil tentou minimizar impacto das emissões da pecuária em relatório do IPCC

País também defendeu que aumento do desmatamento não é resultado da política atual brasileira. Outros países fizeram lobby para mudar relatório climático.

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta