Notícias

Resex Chico Mendes é a que a mais sofre pressão do desmatamento

Levantamento feito pelo Imazon revela que unidade de uso sustentável lidera ranking das áreas protegidas mais ameaçadas da Amazônia

Sabrina Rodrigues ·
27 de fevereiro de 2019 · 3 anos atrás
O Imazon pretende publicar a cada trimestre um relatório simples sobre ameaças e pressões de áreas protegidas na Amazônia. Foto: Sociobio Amazônia/Flickr.

De agosto a outubro de 2018, a Reserva Extrativista Chico Mendes, localizada no Acre, perdeu 5.900 hectares de área verde. Junto com a Floresta Extrativista Rio Preto-Jacundá, em Rondônia, que perdeu 5.800 hectares nesse mesmo período, lidera o ranking das unidades de conservação mais pressionadas da Amazônia. Os dados são do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

De acordo com o Imazon, que realiza de forma independente o monitoramento do desmatamento da Amazônia, 1.176 km² foram derrubados nesses três meses, isso significa um aumento de 60% em relação ao mesmo período em 2017. O desmatamento é contado a partir de agosto de um ano e termina em julho do ano seguinte.

O Imazon pretende publicar a cada trimestre um relatório simples sobre ameaças e pressões de áreas protegidas na Amazônia. A diferença de um para outro é que ameaça significa o risco iminente de ocorrer desmatamento no interior de uma Área Protegida (AP). Já pressão ocorre quando o desmatamento se manifesta no interior da Área protegida.

A Resex Chico Mendes, pressionada por dentro pelo desmatamento, também lidera o ranking de mais ameaçada. Entre agosto e outubro, no seu entorno próximo (até 10 km dos limites da unidade), 4.000 hectares foram desmatados. A unidade está em uma região que há pressão para expansão da fronteira agrícola. A maior ameaça é a pecuária.

No todo, ocorreu 891 (62%) ameaças e 543 (38) pressões em áreas protegidas na Amazônia.

A terra indígena mais pressionada é a TI Apyterewa, localizada em São Félix do Xingu, no Pará, e que pertence ao povo Parakanã. A terra indígena sofre com a invasão de madeireiros. Segundo dados do Imazon, 4.000 hectares foram derrubados na terra indígena no período.    

 

Saiba Mais

Ameaça e Pressão-SAD de agosto a outubro de 2018

 

Leia Também

Desmatamento na Amazônia dispara em novembro

Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

Áreas protegidas da Amazônia enfrentam quase 80 mil km de estradas irregulares

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
25 de novembro de 2018

Áreas protegidas da Amazônia enfrentam quase 80 mil km de estradas irregulares

Mapeamento demonstra que estradas continuam a ser abertas sem nenhum planejamento no interior e entorno de unidades de conservação e terras indígenas

Reportagens
12 de abril de 2013

Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

De São José dos Campos (SP) e Belém do Pará (PA), os dois institutos mantêm um olhar agudo sobre o desmatamento na Amazônia. Entenda como.

Notícias
2 de janeiro de 2019

Desmatamento na Amazônia dispara em novembro

Corte de florestas detectado no mês de penúltimo mês de 2018 foi 4 vezes maior do que no mesmo mês do ano anterior. Pará lidera perda de floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. George diz:

    Requiem para o socioambientalismo