Notícias

Servidores do Ibama repudiam fala de Eduardo Bim sobre seus funcionários: “muita gente louca”

Vídeo com declarações polêmicas chegou a ficar fora do ar por alguns dias. Entidade que promoveu o evento disse que era por falta de anuência dos palestrantes

Cristiane Prizibisczki ·
11 de maio de 2022

A Associação Nacional dos Servidores Ambientais de São Paulo (Ascema/SP) e o  Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal do Estado de São Paulo (Sindsef/SP) publicaram, na última segunda-feira (9), uma carta na qual manifestam seu repúdio em relação às falas de Eduardo Bim, presidente do Ibama, sobre os servidores do órgão, proferidas durante evento em São Paulo no último mês. O vídeo, gravado no dia 19 de abril, ganhou repercussão na última sexta-feira (6).

Carta de repúdio a Eduardo Bim foi publicada nas plataformas digitais da Ascema/SP e Sindsef-SP. Imagem – Reprodução

“Tomamos conhecimento de seus comentários sobre o Ibama divulgados pela mídia, num evento realizado em São Paulo em meados de abril deste ano, o qual fez críticas ácidas aos funcionários do órgão, aos quais chamou de ‘loucos’, com ênfase nos seus servidores […] É inacreditável que você, Seu Bim, há três anos e meio na presidência do Ibama, ainda não tenha conhecido a competência técnica da equipe sob seu comando. Tentar desqualificá-la nos parece má fé ou pura incompetência sua enquanto gestor”, diz trechos da carta.

Segundo um servidor do Ibama ouvido por ((o))eco, as falas de Bim são “muito graves”. “É tipo quando o Ricardo Salles [ex-ministro do Meio Ambiente], naquela reunião interministerial de abril de 2020, abriu toda aquela verborragia e deixou claro o projeto do governo de ‘passar a boiada’”, disse o servidor, que preferiu pelo anonimato para evitar represálias. 

Além da associação paulista de servidores, a Ascema Nacional também estuda uma forma de responder às declarações de Bim, desta vez, no campo jurídico.

“Só tem louco”

O evento em questão foi promovido pelo Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário (Abradim) por ocasião do lançamento de um livro da instituição. Bim foi um dos palestrantes.

Durante seu discurso, que durou cerca de 15 minutos, ele expressou várias opiniões polêmicas, como a comparação do Ibama a um manicômio, as críticas ao Supremo Tribunal Federal e a ironia com que tratou a ação da Polícia Federal sobre exportação ilegal de madeira, na qual ele era um dos investigados.

 “Meio ambiente nunca foi uma área tranquila. Pura militância, pura paixão, pouca técnica, fazem os maiores absurdos do mundo […]  Muita gente louca e os loucos gostam de direito ambiental porque eles se sentem confortáveis na área, inventando coisas”, disse.

Após o alerta do Política por Inteiro sobre o conteúdo e a repercussão negativa na mídia, o vídeo chegou a ser retirado do ar na noite de sábado.

Desde ontem (10), ((o))eco cobrava resposta da Ibradim sobre a impossibilidade de acesso ao vídeo. Hoje, a entidade respondeu que: “Considerando as regras da LGPD [Lei Geral de Proteção de Dados] e que não houve anuência expressa dos painelistas do evento, retiramos o conteúdo do ar”.

O vídeo, no entanto, voltou a ficar disponível na noite desta quarta-feira e pode ser conferido aqui (a partir de 4h46min).

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
6 de maio de 2022

Presidente do Ibama compara órgão ambiental a manicômio: “cheio de maluco”

Segundo Eduardo Bim, tem muita gente louca e sem técnica no Direito Ambiental porque eles se sentem confortáveis na área, “inventando coisas”

Notícias
23 de maio de 2022

Projeto militar para Amazônia quer fim de restrições em áreas de interesse do agro e da mineração

Chamado de “Projeto de Nação”, plano foi anunciado na última semana por três institutos militares. Proposta para Amazônia repete o “ocupar e integrar” dos anos 1970

Colunas
23 de maio de 2022

Todo dia é “Dia do Fogo” na Amazônia

É preciso parar o desmatamento e restaurar a biodiversidade perdida com queimadas e abertura de novas fronteiras agrícolas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta