Notícias

Sim, jabutis sobem em árvores: nadando!

Estudo desenvolvimento na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, no Amazonas, demonstram que jabutis se dão muito bem em ambientes alagados.

Vandré Fonseca ·
22 de setembro de 2015 · 6 anos atrás
Pode não parecer, mas o Jabuti-amarelo sabe se virar na água. Foto: Aline Fidelix

Manaus, AM — Apesar da ausência de adaptados para se locomover na água, o jabuti-amarelo (Chelonoidis denticulata), com seu casco arredondado e seus pés robustos, é um grande nadador, capaz de se adaptar muito bem aos ambientes alagados. Biólogos do Instituto Mamirauá monitoraram a espécie ao longo de três anos, em uma área de 7 mil quilômetros quadrados de florestas inundadas, e verificaram que esses animais terrestres podem viver em áreas alagadas durante cinco meses do ano.

O estudo foi realizado pelos pesquisadores Thaís Morcatty e João Valsecchi, nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã, no interior do Amazonas, e publicado na edição de outubro da Oryx, revista científica internacional sobre conservação da biodiversidade e uso sustentável dos recursos naturais.

“Por incrível que pareça ele nada muito bem. Flutua com facilidade e até consegue mergulhar”, afirma Thaís Queiroz Morcatty. “Podemos ver que os demais animais do grupo, as tartarugas marinhas e os cágados, possuem adaptações para o ambiente aquático, como, por exemplo, o corpo mais achatado e membros em forma de nadadeiras ou com membranas entre os dedos”, explica.

De acordo com a bióloga, o trabalho chama a atenção para a espécie, que apesar de ser carismática e apreciada como animal de estimação, não recebe a mesma atenção de pesquisadores e projetos e conservação como outros quelônios. E adiciona uma informação importante a futuros projetos de proteção da espécie: a importância das várzeas para a espécie, demonstrando a necessidade de estratégias de preservação que incluam essas áreas. As florestas alagáveis, chamadas de várzea, ocupam uma área de 400 mil km² na Amazônia, extensão equivalente ao território da Alemanha.

Os pesquisadores percorreram a floresta alagada em canoas. Os jabutis-amarelos foram encontrados flutuando, nadando ou em cima de galhos. No período da cheia, estavam em locais com mais de 2 metros de profundidade. Cinco meses são muito tempo para um animal considerado estritamente terrestre viver num ambiente alagado. Nós capturamos muitos animais nessa região, o que nos leva a acreditar que a quantidade de jabutis na várzea pode ser superior à quantidade em terra firme”, destaca a pesquisadora.

O jabuti-amarelo é um animal oportunista, que se alimenta tanto de vegetais quanto de animais. Mas na Amazônia, prefere frutos, o que faz da espécie uma importante dispersora de sementes. Ele utiliza abrigos, principalmente em árvores caídas na floresta e quando o clima está seco e muito quente permanece em regiões encharcadas. Apresenta em média 12 kg, podendo chegar a cerca de 30 kg.

É um bicho que sabe se esconder, segundo os pesquisadores, o que dificulta a captura e estudos sobre ele. Pouco se sabe sobre a reprodução da espécie, mas ocorre durante o período de seca. Locais de postura ainda são um mistério para cientistas e também para ribeirinhos.

Na cheia, segundo informações ainda preliminares dos pesquisadores, a alimentação do jabuti-amarelo muda, devido à dificuldade de encontrar seus frutos preferidos. Ele passa então a comer folhas e partes menos nutritivas da planta. Os biólogos do Instituto Mamirauá acreditam também que a cheia prolongada da Amazônia altere o ciclo natural reprodutivo, para que a espécie possa sobreviver na várzea.

“Os ovos necessitam de locais secos para incubação, não podendo ser submersos”, diz Thaís Morcatty. “Acreditamos então que tenha regulado seu ciclo reprodutivo, possivelmente diminuindo o tempo de incubação dos ovos, concentrando a postura e nascimento dos filhotes apenas durante a época da seca, quando tem terra seca disponível na Várzea”, completa.

O jabuti-amarelo, também conhecido em outras partes do país como jabuti-tinga, é classificado como vulnerável à extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês). Está também na da lista da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Selvagens (CITES). Estudos indicam que o declínio da população da espécie em várias regiões da Amazônia está associado à grande exploração para consumo e comércio, assim como o hábito de criação como animal de estimação.

Thaís Mocatty explica que no Brasil são encontradas duas espécies de jabuti. A outra é o jabuti-vermelho, também conhecido como jabuti-piranga (Chelonoidis carbonaria), que além da coloração diferente nas manchas está mais restrito a ambientes de campo, como Cerrado e Caatinga.

 

Leia Também
Aprenda a diferença entre cágados, jabutis e tartarugas
Jabuti sobe em árvore?
Mercado negro de animais silvestres em SP

 

 

 

Leia também

Salada Verde
28 de abril de 2009

Mercado negro de animais silvestres em SP

Em apenas um dia de operação, Policia Civil e Ibama em São Paulo apreenderam mais de 200 animais silvestres que seriam vendidos em feiras livres da cidade. A operação, realizada no último domingo (26), ocorreu em dois pontos da zona leste, a feira do rolo de Vila Mara, região de São Miguel Paulista, e na área conhecida como Aquário Itaquera, onde são vendidos produtos para aquarismo e jardinagem. Na Vila Mara, várias iguanas, jabuti, diversas espécies de aves e até uma serpente foram apreendidas na feira e em casas próximas, usadas para abrigar os animais, vindos principalmente da Bahia.No Aquário Itaquera, mais iguanas, jabutis e até um casal de esquilos foram resgatados. Os esquilos, segundo Marcelo Rocha, presidente da não-governamental SOS Fauna, que ajudou na operação, foram trazidos no lugar de um casal de macacos, encomendado a um dos traficantes, mas que não foi encontrado. A existência de um mercado consumidor para tais “produto”, inclusive, é o principal motor da venda de animais silvestres, segundo especialistas. Os animais estão sob cuidados da SOS Fauna. Cerca de 30 pessoas foram presas nas operações, quatro delas continuam na cadeia pro formação de quadrilha.

Dicionário Ambiental
19 de março de 2014

Aprenda a diferença entre cágados, jabutis e tartarugas

Os três pertencem à ordem Testudinata, mais conhecida por quelônios, que engloba répteis dotados de carapaça. Descubra como distingui-los.

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta