Reportagens

Pedra no sapato

Coluna de O Eco reacende uma polêmica entre escaladores. A retirada de uma rocha da via leste do Pão de Açúcar (RJ) em 2003 chega agora ao Ministério Público.

Andreia Fanzeres ·
1 de abril de 2005 · 19 anos atrás

Um rebuliço foi formado em torno da montanha mais famosa do Rio de Janeiro. Graças a uma coluna de Eduardo Pegurier em janeiro, a seção Seu Eco virou palco de uma briga que estava quase esquecida: a retirada de uma rocha no início do trecho de escalada do costão do Pão de Açúcar. Depois da intervenção, em dezembro de 2003, a única via de acesso de turistas até o alto dos 396 metros ficou mais difícil. Por causa disso, a história acaba de chegar ao Ministério Público (MP).

Cercada de polêmicas, a retirada do totem (no jargão montanhista, pedaço de rocha) apresenta pelo menos um ponto pacífico: um escalador resolveu fazer o serviço por conta própria, sem avisar a quem tem a jurisdição sobre o local – o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por se tratar de uma montanha tombada, e o Comando Militar do Leste (CML), já que a área pertence ao Exército.

A partir daí, começam as divergências. Segundo o engenheiro ambiental Pedro Paulo de Lima-e-Silva, que encaminhou no dia 30 de março ao MP um dossiê sobre o caso, a ação do escalador foi um crime ambiental e abre portas para que outras pessoas interfiram nas montanhas como e quando quiserem. “Eu gostaria que as pessoas conhecessem as leis para saberem que podem estar cometendo infrações contra a natureza e contra o patrimônio ao mexerem nas montanhas deliberadamente”, argumenta o engenheiro.

Fora ele, ninguém deu muita bola à retirada da rocha de 162 quilos que era usada como apoio para as pessoas subirem o Pão de Açúcar com mais facilidade. Na época, a GeoRio – fundação da prefeitura que alerta sobre deslizamentos na cidade – emitiu um laudo técnico atestando que o totem estava realmente solto, apesar de não correr risco iminente de queda. O laudo foi pedido pela Federação de Esportes de Montanha do Rio de Janeiro (Femerj), preocupada em garantir a segurança dos aventureiros no local. A GeoRio informou também que o melhor a ser feito era interditar aquele trecho da montanha, já que não se sabia quando o totem poderia rolar. A Femerj seguiu essa orientação, pediu para seus associados evitarem o percurso e instalou placas alertando para os riscos da via. Numa área tão freqüentada e sem um serviço de controle das pessoas que sobem o Pão de Açúcar, as placas não duraram muito. Dias depois, já estavam no chão. Depois de alguns meses, um escalador resolveu se livrar pessoalmente do problema.

O engenheiro ambiental enxerga na retirada da pedra uma manobra movida por preconceito. Seria a intenção de alguns escaladores elitizar as montanhas da cidade e restringir o acesso do público a alguns dos caminhos mais bonitos do Rio. Por outro lado, a Femerj alega que o excesso de pessoas que passam despreocupadamente pelas trilhas e vias de escalada tem provocado desgaste no solo, além de ameaçar muitas espécies da Mata Atlântica. Alguns escaladores inclusive atribuem ao intenso pisoteio a causa da fragilidade do totem da discórdia.

Os clubes de montanhismo e a Femerj costumam organizar voluntariamente passeios ecológicos com atividades de reflorestamento, demarcação de trilhas, fechamento de atalhos e consertos em grampos e cabos de aço, por exemplo. Tudo para tentar manter o acesso do público a regiões conservadas. Mas por se tratar de um local tão visado, não é de surpreender que, mais cedo ou mais tarde, alguém decidisse agir por conta própria. O totem rolou montanha abaixo com a ajuda de um pé de cabra e agora, para completar a via, é preciso ter algum conhecimento de montanhismo.

O acesso ao cume do Pão de Açúcar é dividido em quatro partes: a primeira é uma caminhada por vegetação baixa, de nível fácil. Depois vem um trecho conhecido informalmente como “escalaminhada” (escalada + caminhada), que, apesar de não requisitar equipamentos, expõe o trilheiro a um precipício e pode provocar medo nos escaladores de primeira viagem. Em seguida, o aventureiro encontra uma parede de pouco menos de 20 metros (a escalada propriamente dita, também conhecida como trepa pedra). Ao superá-la, a caminhada continua pela mata até o topo da montanha. Com o totem, era possível passar pela área de escalada sem equipamentos, ainda que isso fosse bastante imprudente. Depois de retirada a rocha, o risco aumentou. Alguns montanhistas consideram que a via passou de primeiro para segundo grau superior.

Por se tratar de uma via de escalada, o caminho da subida deveria ser o mesmo da descida, realizada costumeiramente com técnicas de rapel. No entanto, no Pão de Açúcar a conversa é outra. Quem chega até o alto da montanha “a pé” desce de graça pelo bondinho, o que, de certo modo, incentivava a subida sem a preparação necessária de uma escalada. Com a intenção de esclarecer o público de que o costão não é uma simples trilha, a Femerj pediu o fim da gratuidade do transporte junto à companhia responsável pelo bondinho, mas não foi atendida. Pedro Paulo de Lima-e-Silva afirma já terem acontecido pelo menos três acidentes depois da retirada do totem.

Para o presidente da Femerj, os problemas ambientais no Pão de Açúcar seriam resolvidos se o local virasse unidade de conservação, como um Parque Municipal. “Não há uma gerência que se preocupe com o lado ambiental hoje. O Iphan é um órgão consultivo apenas”, diz Bernardo Arantes. Outro objetivo da Femerj é diminuir o número de escaladores despreparados, que sobem em qualquer lugar sem conhecimento dos riscos e dos impactos ambientais. “Existem cursos homologados, estamos fortalecendo os clubes de montanhismo, queremos que os escaladores tenham capacidade técnica e principalmente consciência”, explica Arantes. Pelo menos sobre isso todos concordam.

  • Andreia Fanzeres

    Jornalista de ((o))eco de 2005 a 2011. Coordena o Programa de Direitos Indígenas, Política Indigenista e Informação à Sociedade da OPAN.

Leia também

Reportagens
20 de fevereiro de 2024

MP entra na Justiça após três bugios morrerem eletrocutados em Porto Alegre

Em apenas nove dias, três bugios morreram em contato com a rede elétrica. Dezoito estão sob cuidados médicos por tempo indeterminado. MPRS pede custeio do tratamento

Notícias
20 de fevereiro de 2024

Negociação entre governo e servidores ambientais tem avanços, mas segue sem acordo

Equiparação salarial com servidores da Agência Nacional de Águas ainda não foi acatada, mas governo acena com gratificações; nova reunião deve ser em meados de março

Salada Verde
19 de fevereiro de 2024

Fake news: Vídeo de extração de madeira ilegal no Pará não é recente

Circula nas redes sociais imagem de extração ilegal de madeira no Pará, só que o vídeo é de 2019. Governo Federal e Aos Fatos desmentiram publicação

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.