Reportagens

A sombra da cana

WWF lança relatório sobre impactos da produção de etanol nos ecossistemas brasileiros. A ONG vê setor de forma positiva, embora recomende cuidado na expansão no Cerrado.

Tim Hirsch ·
27 de maio de 2008 · 16 anos atrás

Um monitoramento severo das áreas de expansão de cana-açucar, bem como uma nova rede de unidades de conservação nas regiões dos canaviais, são algumas das recomendações incluídas em relatório inédito do WWF-Brasil sobre o avanço do setor sucro-alcooleiro.

O estudo, patrocinado pelo governo da Holanda, mostra um quadro relativamente positivo quanto à producão do etanol no país. Por exemplo, aceita basicamente os argumentos do governo e dos usineiros usados contra os críticos estrangeiros: que o carburante de cana não ameaça a produção de alimentos, que é o mais eficiente biocombustível no mundo em termos de balanço energético, e que não apresenta ameaças diretas à floresta amazônica.

Porém, o relatório aponta riscos de perda de biodiversidade e ameaças aos recursos hídricos na expansão da área plantada de cana no Cerrado e no plantio cada vez mais concentrado no estado de São Paulo.

“De forma genérica, pode-se concluir que o impacto da expansão da cana em escala nacional é relativamente baixo, haja vista que a cana-de açucar é uma cultura que ocupa pouca área quando comparada com outras ativitidades primárias (pecuária e soja),” diz o WWF no relatório.

“No entanto, se analisarmos o impacto da expansão da cana numa escala regional, concluiremos que este é significativo.”

Como exemplo, o estudo cita os casos da bacia do Rio Grande, afluente do Paraná, onde 33% já são ocupados exclusivamente pela cana, e da “meso-região” de Ribeirão Preto, onde praticamente 45% são tomados pela lavoura.

Nestas áreas de grande e crescente concentração da cana, faz-se necessário um planejamento estratégico da paisagem de forma a minimizar os efeitos sobre a biodiversidade e recursos hídricos, de acordo com WWF. Isso significaria a criação de novas unidades de conservação, bem como o planejamento de corredores ecológicos e conexão de fragmentos a partir da utilização das áreas de reserva legal.

Quanto à expansão nas áreas do Cerrado, o relatório cita um estudo do ano passado do Instituto Sociedade, População e Natureza, sugerindo que a cana vem ocupando áreas prioritárias para conservação e uso sustentável do Cerrado (ver mapa ), nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

“Um monitoramento severo com relação às novas áreas de expansão da cana é absolutamente necessário para evitar impactos ambientais negativos sobre esse bioma bem como a recomposição de Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal nas áreas já ocupadas pela cana nos casos em que o código florestal não está sendo obedecido,” diz o relatório de WWF.

Cana na Amazônia

O estudo também aborda a questão de possiveis ameaças indiretas a ecossistemas inclusive a Amazônia, por meio da deslocação de atividades como criação de gado e plantio de grãos, das áreas de grande expansão do setor sucro-alcooleiro no Centro-Sul. Mas sobre esta questão, o WWF não oferece conclusões definitivas.

“Mais estudos associados a metodologias adequadas para medir esse efeito indireto devem ser desenvolvidos,” recomenda.

No lançamento do relatório num debate sobre biocombustiveis na Universidade de São Paulo (USP) na segunda-feira, o autor principal, o coordenador de agricultura e meio ambiente do WWF-Brasil, Luiz Fernando Laranja da Fonseca, ressaltou que não apresentou a posição oficial da ONG sobre o etanol.

Na verdade, a perspectiva geral do relatório, de que o etanol é uma grande oportunidade de produzir energia limpa, cujos riscos são relativamente baixos, representa um contraste enorme com o atitude geral de grupos ambientais, especialmente na Europa. Lá, o antigo sonho de biocombustiveis está sendo visto cada vez mais como pesadelo de destruição ambiental e semeador da fome.

O argumento deste relatório é de que, aqui, as coisas são diferentes. Mesmo assim, implica mudanças significativas no planejamento da expansão do setor para evitar problemas no futuro.

Leia o relatório completo da WWF sobre a expansão da cultura de cana de açúcar.

*Tim Hirsch foi correspondente da meio ambiente da BBC e atualmente é jornalista em São Paulo. Ele escreve o Blog Vida na Mata Atlântica.

Leia também

Salada Verde
23 de fevereiro de 2024

Justiça Federal impõe mais de R$ 316 milhões em indenizações por desmatamento ilegal

Infrações ambientais foram identificadas pelo MPF por meio do Amazônia Protege, projeto que utiliza monitoramento por satélite para responsabilizar os atores dos desmatamentos ilegais

Notícias
23 de fevereiro de 2024

MPF no Acre arquiva denúncia da CPI das ONGs contra servidores do ICMBio

Servidores do órgão foram acusados de abusos contra moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre; para procurador, acusações são “genéricas e sem fato concreto”

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Antas “avisam” pesquisadores sobre contaminação humana por agrotóxicos no MS

Além de agrotóxicos como glifosato, moradores do sudeste do estado também apresentaram altos índices de metais no corpo. Antas atuaram como sentinelas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.