Reportagens

Diesel para todos?

Projeto de senador quer permitir que carros de pequeno porte possam usar o combustível mais danoso à saúde. Organizações ambientalistas tentam combater a proposta.

Lúcia Nascimento ·
21 de maio de 2010 · 14 anos atrás

São Paulo – Se quem tem dinheiro para comprar um daqueles carrões SUV pode abastecer o automóvel com diesel, todos os outros consumidores também deveriam poder, afinal esse combustível é mais barato que a gasolina, certo? Errado, muito errado. A discussão é antiga e desde a década de 1970 o diesel está proibido para uso em veículos de pequeno porte no Brasil, por acarretar consequências graves para a saúde e o meio ambiente. Porém, o Projeto de Lei (PLS) 656/2007, do senador Gerson Camata, pretende trazer o assunto à tona, com o argumento de que a volta dos carros a diesel beneficiaria o meio ambiente, por liberar menos dióxido de carbono, um dos gases do efeito estufa. Mas não é bem assim…

 Confira a íntegra do PLS 656/2007 aqui 

Primeiro, porque o custo ambiental da queima desse combustível é imenso, por liberar material particulado, enxofre e óxidos de nitrogênio – mesmo que ele ganhe por pequena vantagem no quesito emissão de CO2. Comparado à gasolina, o diesel de fato elimina menos dióxido de carbono. A emissão de um automóvel a gasolina é da ordem de 170 gramas por quilômetro rodado, sendo que 25 gramas são renováveis, reabsorvidas pelo próprio processo. No diesel, essa quantidade cai para 140 g/km, mas nenhum grama é renovável. O grande campeão da disputa, entretanto, é o álcool, pois todo o CO2 liberado durante sua queima é reabsorvido pela cana, durante o crescimento. 

Segundo, porque a saúde de toda a população está em jogo com essa escolha: a queima libera partículas e gases que causam problemas a órgãos como pulmão, rins e fígado, além de poderem gerar câncer. “A queima do motor a diesel produz muito mais óxido nítrico e material particulado (fuligem) que os outros motores”, afirma o engenheiro Gabriel Branco, consultor especialista em controle de emissões veiculares. “Os óxidos de nitrogênio participam da formação de ozônio de baixa altitude, um dos poluentes que mais ultrapassaram o padrão de qualidade do ar nos últimos anos.”

Saúde em risco

“O diesel é responsável pela morte de pelo menos seis pessoas, todos os dias, apenas na cidade de São Paulo. (Fonte: Laboratório de Poluição Atmosférica da Universidade de São Paulo)”

Os carros a diesel, incluindo aqui ônibus e caminhões, são responsáveis por mais de 60% do material particulado que polui o ar. Segundo estudos realizados no Laboratório de Poluição Atmosférica da Universidade de São Paulo (USP), esse material particulado é responsável por mais de 3 mil mortes anuais, apenas no estado de São Paulo. “Essas partículas acabam se acumulando nos alvéolos pulmonares, resultando em doenças crônicas como o enfisema”, alerta Paulo Paes Silvado Júnior, pneumologista do Hospital Santa Catarina.

Outra pesquisa, recém divulgada, feita pela biomédica Sandra Regina Castro Soares na Faculdade de Medicina da USP, concluiu que a poluição do ar de São Paulo altera o colesterol do sangue, facilitando a deposição dele nos vasos. Funciona assim: o ar cheio de partículas, quando inspirado, penetra na corrente sanguínea e altera a estrutura da molécula do LDL – o colesterol ruim. Com essa modificação, a molécula passa a ter mais facilidade para formar camadas de gordura e engrossar a parede dos vasos sanguíneos.

Os grupos populacionais de maior risco, em ambos os casos, são o de idosos, o daqueles com doenças pulmonares crônicas e com doenças coronárias, e o de crianças. Enquanto a poluição atmosférica aguda pode desencadear infarto em questão de horas ou dias nas pessoas que possuem alguma tendência ao problema, a exposição crônica a poluentes eleva o risco de doenças cardiovasculares que podem estar relacionadas à inflamação pulmonar crônica. “Cerca de 24 horas após dias de pico de poluição, a procura por ajuda nos pronto-socorros por causa de problemas respiratórios aumenta em 20%”, afirma Elie Fiss, professor de pneumologia da Faculdade de Medicina do ABC.

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos, em 2002, chegou a divulgar um relatório em que alertava para o risco da exposição prolongada aos vapores do óleo diesel de caminhões e de outras fontes. Segundo a agência, a inalação, em longo prazo, pode ser causa de câncer nos seres humanos. Isso tudo não é apenas consequência da inalação de material particulado, mas também de enxofre e óxidos de nitrogênio, liberados por esse tipo de motor.

Briga no Senado

“A falácia é dizer que vamos copiar a Europa liberando os carros a diesel, mas se continuarmos com nosso diesel de baixa qualidade e com carros sem catalisadores, não há cópia nenhuma, diz Gabriel Branco”

Por tudo isso é importante a iniciativa do senador Eduardo Suplicy, que pediu uma audiência pública para discutir as repercussões que o projeto pode ter caso seja aprovado. Em seu requerimento, Suplicy afirma que recebeu o documento Carta Aberta aos Senadores, subscrito por entidades como o Greenpeace e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), em que as organizações alertam sobre os riscos que envolvem a comercialização de carros de passeio movidos a diesel.

Segundo o senador, o documento afirma que “o custo anual gerado pelas internações hospitalares decorrentes da poluição veicular para o Sistema Único de Saúde (SUS) é de R$82.627.646,00 na região metropolitana de São Paulo. Se somarmos o total das regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Recife, as despesas atingem R$129.497.569,00. Cerca de 40% desse custo se deve ao diesel”.

“É importante deixar claro que não se trata de um movimento contra o carro a diesel, mas a favor da preservação ambiental e contra o incentivo ao uso do diesel atualmente disponível no país. Quando atingirmos padrões europeus de qualidade de combustível e quando os motores a diesel oferecidos aqui puderem ser oferecidos com a mais moderna tecnologia de controle de emissão utilizada na Europa e nos Estados Unidos, aí sim teremos um novo cenário para analisar a questão à luz da matriz energética e de compromissos nacionais para a redução de gases de efeito estufa”, esclarecem as entidades no documento.

Como o projeto está em andamento e foi requerida a audiência pública, ainda não há nenhuma manifestação contra ou a favor por parte dos senadores. Eles só devem se manifestar quando o projeto for votado, o que deve ocorrer após a audiência pública, que ainda não tem data definida. Em agosto de 2009 o relatório foi aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e agora tramita na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em caráter terminativo. Isso significa que, caso não haja nenhum recurso contrário por parte dos senadores, o projeto irá para a Câmara, sem necessidade de ser votado no plenário do Senado. Se os deputados aprovarem, a lei irá para sanção presidencial.

Enxofre demais

Quem defende a volta dos carros a diesel costuma lembrar o exemplo europeu. Lá, o óleo diesel que circula possui 10 ppm de enxofre, quantidade muitíssimo menor do que a encontrada no Brasil e, por isso, bem menos agressiva ao meio ambiente e à saúde. Aqui, a concentração de enxofre no diesel varia de 50 a 1800 ppm, sendo que mais de 70% da frota, por abastecer nas cidades do interior, consome essa pior parcela (a de 1800 ppm) – bem longe de níveis considerados aceitáveis e saudáveis pelas leis ambientais europeias.

A Petrobras deve substituir, por lei, todo o diesel vendido nas regiões metropolitanas por diesel com 50 ppm até 1º de janeiro de 2012 e, no interior do país, melhorar a qualidade do combustível distribuído para 500 ppm. “Porém, não é tão claro que o diesel de melhor qualidade estará disponível em 2012: segundo uma palestra realizada pela Petrobrás em abril, o diesel com 1800 ppm ainda ficará nos poluindo até 2014, contaminando o diesel 50 ppm na distribuição dos combustíveis: se um caminhão-tanque carregar diesel 1800 e sobrar um “fundo de tanque” de 1%, ao carregá-lo com diesel 50 teremos diesel 68 ppm, devido à contaminação. Se for diesel 10 ppm, ele se transformará em 28ppm e estará fora da especificação. As dificuldades não são na refinaria, mas na distribuição. Enquanto não for banido o diesel 1800 ppm e o 500 ppm, os supostos carros a diesel limpos europeus não se darão bem por aqui”, explica Gabriel Branco.

Por essas e outras, liberar mais carros a diesel antes dessa modificação entrar em vigor seria uma irresponsabilidade ambiental. Nem seria vantajoso para os consumidores que decidissem adquirir veículos movidos a esse combustível. Com a queima do enxofre são liberados ácidos como o sulfúrico, que acaba estragando válvulas, bicos injetores e catalisadores, peças fundamentais para garantir a baixa emissão de poluentes. Sem catalisadores funcionando, aumentaria a poluição atmosférica e a incidência de chuva ácida – um dos principais problemas resultantes da emissão de enxofre e de óxidos de nitrogênio na atmosfera.

Para o ambiente, sabe-se que a chuva ácida pode causar o deflorestamento e contaminar solo e água. Para a saúde, esses gases – independente do modo como são absorvidos – são mais um fator de preocupação. “Quando inalados, queimam as mucosas respiratórias, que inflamam e acabam evoluindo para enfisemas”, afirma Paulo Paes. Segundo o médico, o enxofre não se deposita apenas no pulmão, mas também nos rins e fígado, podendo levar à insuficiência desses órgãos.

*Lucia Nascimento é repórter em São Paulo

Saiba mais
A guerra do diesel mais limpo 

Leia também

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Notícias
12 de abril de 2024

Pesquisadores alertam para impactos de turbinas eólicas sobre morcegos

Artigo assinado por 12 pesquisadores de 9 países e territórios aborda efeitos das turbinas sobre morcegos ao redor do mundo, lista medidas de prevenção e pede maiores regulações

Salada Verde
12 de abril de 2024

Os 35 anos do Parna Grande Sertão Veredas

Uma das principais unidades de conservação do Cerrado abriga inigualáveis cenários que inspiraram a obra de Guimarães Rosa

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.