Reportagens

As vozes do Jardim Botânico

Os raios do sol envolvem plantas, bichos e flores, colorindo o dia. Os pássaros dão início à lida diária, para deleite de quem está ali apenas para os observar.

Cristiane Prizibisczki ·
9 de junho de 2010 · 14 anos atrás

A cambacica voou ligeira por entre os galhos sobre os olhos atentos. Inconfundível, com seu canto forte e monótono, trazia um graveto fino no bico, pronta para fazer o ninho de pernoite, desengonçado e frouxo. Cambacica ou chupa-mel, chiquita, sebito, papa-banana ou cabeça-de-vaca. Tantos nomes para um único pássaro, tão comum quanto os lugares que habita. Tinha de estar também ali, no jardim paulistano.

Persistente em meio ao concreto, o Jardim Botânico de São Paulo, que já é bonito durante o dia, se mostra ainda mais sedutor nas primeiras horas da manhã. Gostoso de ver. Aos poucos, os raios do sol envolvem plantas, bichos e flores, colorindo o dia, dissipando a névoa e o sono de seus habitantes. Os pássaros dão início à lida diária, para deleite de quem está ali apenas para os observar.

Somos poucos, uma dúzia, no máximo.  Número bom para desvendar trilhas a que apenas alguns têm acesso, descobrindo os cantos que compõem a voz do Botânico. Logo no início da caminhada, por entre a mata fechada, o trinca-ferro cantou, atraindo olhares e ouvidos. Poucos o viram, todos o escutaram, peça rara na natureza da cidade. Traído pelo próprio canto, não ficou imune à cobiça do homem. Por que não se calou, trinca-ferro?

Os limites da área confundem. Em um deles, as vozes das aves, primatas e outros bichos se misturam. Não estão soltos, uma pena. Vivem sob a guarda do zoológico, vizinho barulhento do Botânico. Será que o trinca-ferro fugiu de lá? Viveria ele em bando ou sozinho,  perguntavam-se os atentos dos observadores, ansiosos pelo que encontrariam a seguir.

A lista oficial do Parque Estadual Fontes do Ipiranga, onde o Botânico está inserido, aponta 88 espécies, de 33 famílias. Deste total, apenas 15% delas são tipicamente florestais, o que indica que a maior parte da avifauna não é dependente de florestas e também pode ser encontrada em bairros um pouco mais arborizados da cidade. Mesmo assim, vale a pena um passeio.

Biguá, sabiá-laranjeira, quero-quero, periquito-rico, frango-d´água, irerê, pula-pula, bem-te-vi, tibira, pichororé, flautim. Todos estavam lá. A risadinha cantou notas agudas e descendentes, motivo de seu nome. O pica-pau-de-banda-branca martelou a árvore até saciar a fome e a marreca-ananaí  coloriu de verde e azul-brilhante o lago das ninféias.

Você viu, dona Marilena?

– É difícil focalizar no binóculo, disse Marilena Gugliotta, 72 anos, resumindo a dificuldade mais comum de quem é iniciante na observação. A paulistana, que há trinta anos vive em Itapecerica da Serra, há três decidiu conhecer melhor as aves. Faz bem.

Durante o passeio, até um jacupemba apareceu, para deleite de íris e câmeras. Papo vermelho e canto esquisito, deixou-se fotografar, descansando sobre um galho de palmeira, mordiscando algum alimento, mostrando sua beleza contestável.

A espécie, assim como tantas outras – naturais dali ou não, sobreviventes de caça e desmatamento, ainda desconhecidas para a área ou comuns na paisagem – encontrou no Botânico o seu jardim. Um bom lugar para se visitar.

PS: Clique na galeria para ir passando as fotos.

 

Serviço:

Passeio  – Trip on Jeep Ecoturismo e Aventura
Contatos: (11) 5543-5281
http://www.triponjeep.com.br/br/

* Fotos: Cristiane Prizibisczki e Wikipedia

Veja também
Vídeo – Um dia de birdwatcher
Fotografia – Avistar 2010: fotos vencedoras do concurso de observação de aves

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
20 de junho de 2024

Da crítica ao modelo de desenvolvimento às enchentes no Rio Grande do Sul

Desde 1971, Francisco Milanez milita na Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e dela retira a explicação para a mudança no clima que ainda vitima seu estado

Salada Verde
20 de junho de 2024

Elas chegaram: temporada de baleias-jubarte na costa brasileira

Pesquisadores brasileiros vêm acompanhando a rota migratória das jubarte para analisar os efeitos das mudanças ecossistêmicas na alimentação desses animais

Salada Verde
20 de junho de 2024

Tatu-canastra é fotografado durante o dia, em Minas Gerais

Animal de hábitos noturnos, espécie foi fotografada por Alessandro Abdala em um dia chuvoso no Parque Nacional da Serra da Canastra

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.