Reportagens

Revelando a vida dos oceanos

Veleiro Tara Oceans, que já rodou o mundo duas vezes em busca de espécies nos mares, passou pelo Rio de Janeiro.

Patricia Terra ·
5 de novembro de 2010 · 12 anos atrás
A fêmea de anfípodes (Phronima) vive uma salps onde ela colocou os ovos. © M. Ormestad / Kahiki / Tara Oceanos
A fêmea de anfípodes (Phronima) vive uma salps onde ela colocou os ovos. © M. Ormestad / Kahiki / Tara Oceanos
Larva de plâncton © M.Ormestad/Kahikai/Tara Oceans
Larva de plâncton © M.Ormestad/Kahikai/Tara Oceans
Anelídeo poliqueta Tomopteris kefersteini © C.&N.Sardet/CNRS/Tara Oceans
Anelídeo poliqueta Tomopteris kefersteini © C.&N.Sardet/CNRS/Tara Oceans
Diatomácea © C.Sardet/CNRS/Tara Oceans
Diatomácea © C.Sardet/CNRS/Tara Oceans
Larva de peixe © M.Ormestad/Kahikai/Tara Oceans
Larva de peixe © M.Ormestad/Kahikai/Tara Oceans

Rio – A Conferência das Partes (COP 10) da Convenção sobre Diversidade Biológica, em Nagoya, no Japão, terminava em acordo quanto à necessidade de multiplicar por dez a atual proteção da vida marinha, quando o veleiro Tara Oceans, que estuda espécies invisíveis em todos os oceanos da Terra, deixava a Cidade Maravilhosa, rumo a Buenos Aires, domingo passado. Os quase 200 países reunidos na conferência definiram uma meta de proteger 17% dos ecossistemas terrestres e 10% dos oceanos. Atualmente, estes números são respectivamente 13% e menos de 1%. O prazo final para que os países consigam um financiamento de US$ 200 bilhões por ano para garantir 20 metas de preservação será em encontro marcado para 2012, no Rio de Janeiro. A urgência se explica: cientistas estimam que hoje o planeta perde espécies a uma taxa até 1000 vezes maior que a média histórica. O Tara Oceans com certeza colabora para reverter esta tendência, porque trabalha para que todos conheçam a vida que ainda existe hoje no fundo do mar do Planeta Azul.

Capaz de revelar incríveis imagens da vida microscópica dos mares, o veleiro Tara esteve até domingo passado na Marina da Glória, depois de uma escala de dez dias no Rio de Janeiro. A bordo, uma tripulação corajosa e desbravadora: catorze pessoas, entre cientistas, jornalistas e marinheiros, de várias nacionalidades, a maioria franceses. E equipamentos que conseguem trazer à tona a invisível e imprescindível vida do fundo do mar.

O barco de 120 pés é um verdadeiro laboratório ambulante e cumpre a missão de viajar durante três anos ao redor do mundo, percorrendo todos os oceanos do planeta Terra. O objetivo desta inédita aventura científica é descobrir novas espécies, estudar a vida marinha, para que se possa preservá-la. Os plânctons, desde os vírus até as larvas dos peixes, e os corais são o principal foco do levantamento que se dá em escala nano: cada mililitro de água do mar contém milhões de organismos vivos. Foram as primeiras espécies que apareceram na Terra, nossos ancestrais, portanto. Graças a estes microorganismos marinhos, que são a base da cadeia alimentar, os oceanos produzem a metade do oxigênio que respiramos e absorvem 70% do gás carbônico produzido na Terra.

Apesar de tamanha importância, esse ecossistema complexo permanece um dos menos conhecidos pelo homem. Um primeiro balanço da expedição revela que conhecemos apenas humildes 10% deste rico universo de biodiversidade. Com avanços e descobertas, os resultados totais da pesquisa do Tara serão apresentados na Rio + 20, em 2012, e estarão disponibilizados para o público em geral através de um banco de dados, o Bio-Bank. Administrado por institutos internacionais reconhecidos, a fonte vai reunir conhecimentos já existentes aos adquiridos nesta expedição, para servir a toda uma geração de pesquisadores.

Assim como nas expedições precedentes, esta conta com um importante programa de sensibilização e de educação, envolvendo programas de televisão na França, artigos, publicações, exposições e ações educativas direcionadas a jovens por meio de grupos escolares ou de organizações não-governamentais. Para chamar ainda mais a atenção da sociedade, artistas, jornalistas, personalidades científicas e culturais são associados a esta aventura. Em sua escala brasileira, os atores Marcos Palmeira e Malu Mader, com fortes ligações com a causa ambiental, participaram de evento no Espaço Tom Jobim, com a participação da tripulação, quando foi abordado o tema “Biodiversidade dos Oceanos e Mudanças Ambientais”. “Precisamos mudar o nosso padrão de consumo. Só assim poderemos salvar os mares e o planeta”, disse o ator.  

A pesquisa científica…

A história do Tara

A expedição oceanográfica é patrocinada pelo Fundo Tara e por um consórcio científico internacional. Etienne Bourgois é o presidente do Fundo Tara, codiretor da expedição TaraOceans e diretor geral da empresa agnes b. O trabalho conta com a chancela do programa das Nações Unidas para o meio Ambiente e da União Internacional para Conservação da Natureza e de seus Recursos (IUNC/UINC)

Esta volta ao mundo não é a primeira viagem da embarcação. As Expedições Tara tiveram início em 2003 com a aquisição da escuna para as expedições, representando a vontade de agnès b. de se engajar em alguma ação pelo futuro do planeta. Com mais de 100 lojas espalhadas no mundo inteiro e convencida de que as iniciativas privadas devem se multiplicar, agnès b. se orgulha de apoiar a empreitada. “Estou pessoalmente muito empenhada neste projeto, que é, acima de tudo, um programa que contribui para o avanço da ciência. Já conseguimos sensibilizar muitos jovens ao meio ambiente através das aventuras humanas e científicas de Tara”, atesta a patrocinadora.

Dados do 1º ano:
· 300 dias de navegação desde a Bretanha até a África do Sul
· 17 mil milhas percorridas / 31mil quilômetros
· 66 estações de amostragens
· 32 escalas
· Oceanos e mares atravessados: Mediterrâneo, Mar Vermelho, Oceano Índico.
· 14 pessoas a bordo, em média, somando marinheiros, cientistas e jornalistas
· 100 pessoas embarcadas no total
· 45 dias de obras na África do Sul

Dados do 2º ano:
· 23 mil milhas a percorrer / 43 mil quilômetros
· 15 escalas
· Oceanos e mares que serão cruzados: Oceano Atlântico Sul, Mar de Scotia, Mar de Weddell, Oceano Pacífico Sul
· 3 semanas de navegação e de estudos científicos entre cada escala.

Dos atóis tropicais da Antártida aos istmos do Oriente Médio, nunca um estudo global como este sobre o meio ambiente marinho foi realizado. Sob este ponto de vista, é possível dizer que a Expedição Tara perpetua o espírito pioneiro das grandes explorações, tais como o ônibus espacial Challenger ou o navio Beagle, cuja viagem serviu a Darwin para escrever sua obra-prima “A origem das espécies”. As imagens de satélite feitas hoje nos fornecem informações sobre a atividade fotossintética na superfície das águas, mas não dispomos ainda de dados sobre esses fenômenos em maiores profundidades, onde a atividade é, no entanto, máxima. Tampouco conhecemos os organismos que vivem nessas profundidades. Daí a relevância desta aventura científica.

Para os pesquisadores do Tara, liderados pelo francês Eric Karsenti, do Laboratório Europeu de Biologia Molecular (Heidelberg/Alemanha), explorar os oceanos é entender as mudanças do nosso planeta. Eles pretendem, enquanto fazem o levantamento dos ecossistemas marinhos, conscientizar o público e em especial as crianças dos países por onde passam sobre os perigos que o aquecimento global e as mudanças climáticas oferecem para a vida subaquática e quais são os reflexos para a vida sobre a Terra.

Explica-se: o aquecimento dos oceanos torna o ar mais rarefeito, limitando a regeneração da vida. Ocupando 2/3 do planeta, os mares produzem a metade do oxigênio que respiramos e a biodiversidade microscópica – 98% plâncton – que eles abrigam é responsável também por absorver mais da metade do gás carbônico produzido na Terra. O aumento da temperatura dos mares e sua acidificação, associada ao acúmulo de dióxido de carbono na atmosfera, podem levar ao desaparecimento de recifes de coral e dos organismos calcificantes, que capturam essas emissões de gases de efeito estufa, entre outros os coccoliphores.

No Tara, entre ventos e ondas, são feitos vinte tipos de experimentações e análises por dia, com a parceria de cinquenta laboratórios de quinze países. Uma centena de cientistas de laboratórios de prestígio internacional – com especializações que vão desde a oceanografia química e física, até a biologia do plâncton, passando pela genômica, a microbiologia, a modelagem, a ecologia e a bioinformática – empenham-se cada vez mais para ampliar os conhecimentos sobre a biodiversidade marinha. Guiada por satélites e construída de forma a facilitar manobras, a embarcação é equipada com as mais avançadas tecnologias em matéria de amostragem, de classificação, de mensuração subaquática, de produção de imagens e de dados oceanográficos. Pela primeira vez, os cientistas a bordo estão podendo associar o conhecimento oceanográfico de grande escala às técnicas da genomia e da biologia celular.

Durante a expedição, estão sendo exploradas a biogeografia e a biodiversidade das diferentes regiões e profundidades, através da criação de modelos de distribuição dos organismos: vírus, bactérias, protozoários, fitoplâncton, zooplâncton, larvas de peixes, etc. A expedição está observando e estudando também a biodiversidade dos ecossistemas de recifes de coral e de ecossistemas extremos: fontes profundas, águas profundas, regiões polares.

Graças à associação da taxonomia clássica aos novos sistemas de produção de imagens 3D de células, à classificação das células e à genomia, um banco de arquivos único será criado, composto por dados metagenômicos e metatranscriptômicos, de organismos e de células conservadas e classificadas. Combinando a diversidade, as formas e funções dos organismos estudados nas diferentes regiões oceânicas – da superfície à profundidade –, a expedição Tara Oceans pretende esclarecer a fitogeografia do plâncton em função das características das massas de água. A partir disso, será possível elaborar um mapa da alcalinidade na superfície e na profundidade, e determinar a distribuição de bactérias.

O barco…

Para esta expedição, o Tara foi preparado durante quatro meses. Um laboratório úmido foi instalado no convés e uma das cabines foi transformada em laboratório seco. Uma ilha de fotografia e vídeo foi disposta na mesa da sala de refeições. Um poderoso guindaste foi montado, para mergulhar a roseta e as redes de plâncton até uma profundidade de 2.000 metros.

Depois que o satélite identifica as zonas de amostragem, uma bomba abordo do Tara permite recolher a água sem esmagar os pequenos seres que vivem nela. A água passa por redes, que retêm os pequenos organismos. A roseta, que é um sistema de garrafas dispostas em círculo, recolhe a água em diversas profundidades. Os filtros de plâncton são como grandes redes de caçar borboletas.

No laboratório do barco, são classificadas novas espécies. Os equipamentos sofisticados permitem observar cores e formas incríveis. Na ilha de vídeo, os plânctons dão show: dançam, se alimentam e até se devoram…E em duas grandes geladeiras no porão do barco, são guardados os tesouros do barco: as amostras, o ‘ouro’ da expedição.

A viagem…

A viagem começou em setembro de 2009, em Lorrient, na Bretanha. O barco percorreu toda a costa nordeste e sudeste do continente africano até chegar ao Rio dia 22 de outubro, vindo da Cidade do Cabo, na África do Sul, onde teve início o segundo ano da expedição. Depois de dez dias em águas fluminenses, sendo três na Ilha Grande, o Tara segue para Buenos Aires. Até final de 2011, a escuna terá atravessado o Atlântico e o Pacífico, do Leste para o Oeste. O destino é Auckland (Nova Zelândia), depois de 15 escalas. A maior parte do percurso de 43 mil quilômetros neste segundo ano será no hemisfério Sul, fazendo estudos Tara e sua tripulação chegarão à Antártida e, em 2011, Tara navegará do Chile até a Nova Zelândia, passando pela ilha de Páscoa, as ilhas Galápagos, Clipperton, as ilhas Marquesas e Papeete. Ao todo, serão 60 escalas e 50 países, num percurso de 150.000 km ao redor da Terra. No Rio de Janeiro, Tara recebeu a visita de alunos de escolas públicas e, na Ilha Grande, os cientistas participaram de um congresso promovido pela UERJ.

As primeiras conclusões, o primeiro ano…

Após 300 dias de navegação e 66 estações científicas efetuadas, o balanço já era positivo: a metodologia revelou-se promissora e a análise de milhares de amostras coletadas por Tara já está em andamento nos laboratórios que participam do projeto. A diretora do departamento de Ambiente e Desenvolvimento sustentável do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica, da França), Françoise Gaill, afirmou no primeiro balanço da expedição: “Pela primeira vez, desde as grandes expedições científicas do século XIX, no rastro de Darwin, uma expedição dá a volta ao mundo para revisitar a fauna e a flora submarina e tentar saber qual é o rumo do planeta”.

  • Patricia Terra

    Patricia Terra é  carioca e, desde 1999, coordena a pauta do jornal SBT-Rio..

Leia também

Notícias
29 de junho de 2022

Manifestação em Portugal traz apelo da sociedade pela proteção dos oceanos

A Marcha Azul pelo Clima foi realizada em paralelo à Conferência dos Oceanos da ONU e reuniu cerca de 500 pessoas. Manifesto pressiona líderes por ações em prol da preservação dos oceanos

Reportagens
29 de junho de 2022

Brasil perde chance de receber US$ 20 bilhões com paralisação do Fundo Amazônia, diz CGU

Relatório divulgado na última terça-feira pela Controladoria Geral da União defende que houve ação deliberada do governo em interromper funcionamento do Fundo

Notícias
29 de junho de 2022

Porto de Paratudal recebe licença prévia para implantação no Pantanal

Este é o segundo porto a receber licença prévia na porção norte do Rio Paraguai, apenas neste ano. O curso d'água é considerado o principal canal de escoamento do bioma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta