Reportagens

Captura e soltura, as duas pontas do fio do conhecimento

Com 66 lobos-guará capturados ao longo de oito anos, programa desvenda hábitos que ajudam na conservação dessa espécie do Cerrado.

Adriano Gambarini ·
26 de junho de 2013 · 11 anos atrás
O momento de soltura do lobo-guará fêmea. Fotos: Adriano Gambarini
O momento de soltura do lobo-guará fêmea. Fotos: Adriano Gambarini

Seguimos cedo para a região do Guiné, a cerca de 15 quilômetros da cidade de São Roque de Minas e do Parque Nacional da Serra da Canastra. Ela é constituída tradicionalmente por pequenas propriedades rurais, que vivem do plantio de café e milho, além da pecuária leiteira, em terras que se misturam com remanescentes de campos nativos de Cerrado e tem muitos trechos assolados por erosões gigantescas; voçorocas para nenhum assoreamento botar defeito.

Oito gaiolas construídas especialmente para capturas de lobo-guará estão dispostas em diferentes pontos da região, com a proposta de abranger a maior área possível e assim ter uma ideia do número de lobos que transitam por ali. Além dessas, mais 5 foram instaladas no Parque Nacional. O objetivo: dentro da área protegida, capturar 2 animais para equipá-los com coleira de monitoramento. Nas fazendas, a intenção é recapturar 2 animais que já são acompanhados há dois anos, e assim remover os antigos colares.

A equipe, composta por Rogério e Valdomiro Lemos (CENAP/ICMBio), Jean Pierre dos Santos (Instituto Pró-Carnívoros) e o veterinário Ricardo Arrais (FMVZ/USP) desperta cedo para se dividir na checagem das armadilhas entre o parque e a zona rural. Caso haja sucesso de captura em alguma das áreas, as equipes rapidamente se comunicam para começar os procedimentos da pesquisa. O telefonema de Jean anuncia uma jovem fêmea capturada na região do Guiné.

Chegamos na armadilha; uma linda fêmea de no máximo 25 quilos nos observa desconfiada, mas ainda deitada, calma. Rapidamente Ricardo procede com a anestesia, e em 15 minutos a pequena loba adormece.

Enquanto Rogerio trabalha na biometria, com medição das patas, corpo, orelhas e dentes, uma série de coletas de sangue para análise epidemiológica são feitas pelo veterinário. O processo não demora mais do que ½ hora, quando a loba é colocada novamente na armadilha para se recuperar totalmente.

Esta é o 66º lobo capturado pela equipe em 8 anos efetivos deste Programa de Conservação. Ao todo foram 316 eventos de captura de lobos, muitos recapturados mais de uma vez, sendo que 59 animais foram aparelhados. E foi justamente a partir de procedimentos altamente profissionais como este que a equipe trouxe à luz do conhecimento uma série de informações inéditas sobre a espécie, permitindo que muitas ações em benefício de sua conservação sejam tomadas em âmbito local e nacional.

Sem mencionar as importantes descobertas sobre ecologia e comportamento do lobo-guará em vida livre, este acompanhamento tem mostrado, por exemplo, sua presença cada vez maior em fazendas, inerente à perda de habitat natural, e provocado um contato progressivo com uma série de doenças típicas de cachorros domésticos, como a parvovirose. Analisa-se ainda quais são seus padrões de movimentação em áreas alteradas pelo homem, por exemplo, até que ponto uma área cheia de voçorocas e pastagens pode ser adequada à sua sobrevivência.

Entretanto, desta vez, a fêmea capturada não prestará este tipo de serviço à conservação de sua espécie. Como planejado para esta expedição, as armadilhas da área rural servem apenas para recapturar dois lobos, ‘velhos conhecidos’ da equipe. Vamos aguardar então.

*São 6:30h e enquanto fecho a matéria, recebo a ligação de Ricardo que um novo lobo, macho, foi capturado no Guiné. Da mesma forma que a fêmea, nenhum colar ou brinco de marcação será instalado.

Clique nas imagens para ampliá-las e ler as legendas.

 

 

  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Salada Verde
14 de junho de 2024

Filhote de onça-pintada é registrado no Parque Nacional do Iguaçu

Novo filhote, batizado de Yasú, que significa "amor", em Tupi, tem pouco mais de um ano de vida

Análises
14 de junho de 2024

Riscos vão muito além da privatização das praias

A zona costeira está sendo estreitada, aprisionada entre o processo de elevação do nível do mar e de ocupação que impede que a linha de costa se mova para se ajustar à nova realidade imposta pelas mudanças climáticas

Notícias
14 de junho de 2024

Introdução de peixe amazônico em reservatório paulista diminuiu diversidade de espécies nativas

Desde que foi registrada pela primeira vez na represa do Jaguari, em 2001, a corvina (Plagioscion squamosissimus) estabeleceu e aumentou sua população na bacia do Paraíba do Sul em detrimento da fauna local

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.