Reportagens

Rádio-colar, uma ferramenta necessária à conservação

Equipamento é leve, não prejudica nem a saúde nem altera o comportamento do animal, além disso é essencial para compreender seus hábitos.

Adriano Gambarini ·
27 de junho de 2013 · 8 anos atrás
Ao contrário do que alguns pensam, um colar não prejudica o dia-a-dia do animal, que pode correr, buscar alimento e reproduzir. Fotos: Adriano Gambarini.
Ao contrário do que alguns pensam, um colar não prejudica o dia-a-dia do animal, que pode correr, buscar alimento e reproduzir. Fotos: Adriano Gambarini.

Uma das atividades previstas para esta campanha de captura de lobos-guará na região da Serra da Canastra é a colocação de radio-colar com GPS e dispositivo de comunicação com um sistema de satélites. Um equipamento de alta tecnologia que permite que o animal seja acompanhado à distância, por meio de sinais que são enviados periodicamente. Desta forma é possível saber, entre outras informações, qual é a área em que vive aquele lobo, sobreposição desta área sobre a de um possível parceiro para reprodução, comportamento social e parental, proximidade ou presença em propriedades rurais, etc.

A utilização de rádio-colar é uma prática antiga nos meios científicos, e tem trazido, ao longo de décadas, informações primordiais para uma melhor compreensão sobre ecologia e comportamento de diversas espécies da fauna silvestre mundial, desde elefantes africanos a pequenas aves migratórias. E tais informações não se limitam apenas ao conhecimento restrito acadêmico; muitas delas são aplicadas justamente para contextualizar as intricadas relações biológicas entre as espécies e definir, por exemplo, áreas para formação de Unidades de Conservação.

Aqui na Serra da Canastra os trabalhos com lobos-guará começaram em 1978, com James Dietz. Foi justamente a prática de colocação de radio-colar que trouxe grandes avanços nos estudos sobre habitats, tolerância de áreas alteradas pelo homem, estudos epidemiológicos e transmissão de doenças aos lobos por contato com animais domésticos, entre outros parâmetros de pesquisa.

Ao contrário de que muitos leigos possam erroneamente afirmar, os trabalhos realizados desde 2000 por Rogerio Cunha e uma série de outros pesquisadores de diversas áreas aumentaram exponencialmente o conhecimento biológico e sobre a saúde do lobo-guará. Existem protocolos bem definidos e pode-se dizer que o conhecimento adquirido em 13 anos de pesquisa na Canastra possibilitaram a produção de trabalhos importantes, entre eles o Plano de Ação para Conservação do Lobo-Guará (PHVA), que se tornou a base para que novos programas de conservação surgissem em diversas regiões do Brasil e outros países da América do Sul.

Mapa de localizações de 10 lobos na região da Serra da Canastra (cada lobo é identificado por uma cor) de 2007 a 2013. Cada ponto se refere a um lugar de ocorrência de cada indivíduo.
Mapa de localizações de 10 lobos na região da Serra da Canastra (cada lobo é identificado por uma cor) de 2007 a 2013. Cada ponto se refere a um lugar de ocorrência de cada indivíduo.

Argumentos anticientíficos

“O colar usado nos lobos da Canastra é feito de material leve, sintético, hipoalergênico. Não provoca feridas, nem desgaste na pelagem do pescoço.”

Nos últimos anos, um movimento sem fundamentação técnico-científica tem causado polêmicas incabíveis ao questionar o uso de rádio-colares em animais silvestres. Tais argumentos mostram a grande falta de conhecimento sobre o tema e infelizmente têm feito muita gente se opor a um procedimento de pesquisa que existe há mais de 50 anos. Nesse tempo, só houve melhorias visando o bem-estar animal e reduzindo riscos à sua saúde. E então vai uma pergunta: o que é mais prejudicial a um animal: um radio-colar cujo peso não ultrapassa 3% de seu peso corpóreo (e na grande maioria das vezes é bem inferior a isso), ou a ignorância sobre ele e os riscos à sua sobrevivência, como cruzar uma estrada cujo fim provavelmente não será o outro lado?

Ser sedado uma única vez para coleta de sangue que embasa pesquisas, ou ter contato com animais domésticos que provavelmente transmitirão doenças desconhecidas no meio silvestre? Ser monitorado à distância para descobrir sua área de vida, ou ser abatido por adentrar em uma propriedade rural, mesmo que as pessoas saibam que um bicho não entende nada sobre cercas e divisas?

O colar usado nos lobos da Canastra é feito de material leve, sintético, hipoalergênico. Não provoca feridas, nem desgaste na pelagem do pescoço. O animal não tem seus padrões comportamentais (de vida, alimentação, reprodução), afetados pelo equipamento que perdura em seu pescoço durante poucos anos. E o que não falta nesta equipe é experiência de sobra no assunto. A conta é de 59 animais acompanhados pelo método desde 2004. E justamente porque ao longo do tempo os objetivos foram sendo atendidos, o número de animais capturados e aparelhados diminuiu consideravelmente desde então.

Em 2004, foram 12 lobos marcados com rádio-colar. Já em 2011 apenas dois. Um único animal em 2012 e neste ano apenas um animal recebeu colar na primeira expedição, em março. Isto sem contar que na mesma campanha um lobo foi recapturado e teve seu colar retirado. Aliás, esforços de recaptura e retirada dos colares antigos são realizados ano a ano.

Nesta campanha que compartilho com vocês, dois lobos já foram capturados, mas nenhum deles recebeu o aparelho. Tudo é feito com planejamento e critério.

Nenhum se feriu nos procedimentos de captura, tampouco pela utilização do colar. Atualmente, os aparelhos possuem um dispositivo que solta o colar automaticamente após um período pré-programado. Aqui, o projeto definiu um tempo de no máximo 12 meses para soltura.

Enfim, aparelhar um animal silvestre é invasivo? Talvez, mas é uma medida essencial para as pesquisas do lobo-guará e outros animais. É a ponte para o sucesso da conservação. Os problemas verdadeiros são a invasão do homem sobre áreas originalmente nativas, o seu distanciamento a uma forma equilibrada de convívio com o meio ambiente, sua intolerância e seu apego a crendices.

Clique nas imagens para ampliá-las e ler as lendas

*Matéria atualizada em 28/06/2013, às 16h31.

 

  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.