Reportagens

Animação: Como nosso dinheiro financia obras na Amazônia

Durante três meses, nossos repórteres buscaram desvendar a trilha de investimentos do BNDES em projetos de infraestrutura na Amazônia. Veja as principais descobertas nesta animação.

Bruno Fonseca · Jessica Mota ·
6 de janeiro de 2014 · 8 anos atrás

Cerca de 44% do que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financia está completamente às escuras. E mais da metade do que o BNDES envia para o exterior é completamente sigiloso. É assim que o banco lida com a transparência, embora o dinheiro seja público, vindo, por exemplo, do Tesouro Brasileiro e do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), do Ministério do Trabalho e Emprego.

Em 2012, o BNDES emprestou 156 bilhões de reais desse dinheiro público. Foi em busca do que acontece com esse dinheiro que nossa equipe levantou, durante três meses, os investimentos em infraestrutura na Amazônia, onde essas obras geram gritantes impactos sociais e ambientais. Leia abaixo as reportagens da série.

As informações coletadas também serviram de base para o desenvolvimento da plataforma interativa BNDES na Amazônia, uma parceria da Pública comO Eco.

 

 

Leia também
Especial BNDES NA AMAZÔNIA

 

 

Leia também

Reportagens
25 de maio de 2022

Como deslanchar o Código Florestal após uma década de entraves?

Diante de ampla oferta de produção científica sobre o tema, lições de casa para superar os gargalos passam por vontade política e mobilização social, segundo especialistas

Notícias
24 de maio de 2022

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Salada Verde
24 de maio de 2022

Rede de Conservação Águas da Guanabara organiza seminário de educação ambiental

Inscrições estão abertas para o evento, que ocorre nos dias 11 e 12 de julho, em Niterói, e tem como objetivo integrar e promover projetos de sensibilização ambiental na Baía de Guanabara

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta