Reportagens

Não culpe os camelos pelo aquecimento global, diz estudo

A família dos camelídeos come moderadamente e produz quantidades de metano consideravelmente menores do que o gado, os carneiros e as cabras.

Alex Kirby ·
13 de maio de 2014 · 8 anos atrás
The Guardian Environment Network
Artigos da rede que reúne os melhores sites ambientais do mundo, selecionados pelo diário inglês The Guardian.

Foto:
Foto:

Nunca acuse a ciência de negligenciar o menor e, aparentemente, mais insignificante detalhe nos seus esforços para entender de forma completa como a Terra e tudo o que ela contém funcionam.

Uma de suas últimas e misteriosas revelações é fruto do trabalho de cientistas da Suíça, os quais descreveram na área pública da publicação científica PLOS One por que não devemos exagerar a culpa dos camelos por adicionar mais metano à atmosfera.

Os camelos – e seus parentes camelídeos, como llamas, guanacos, alpacas, vicuñas, dromedários e camelos-bactrianos – produzem metano, o qual tem potência mais de 20 vezes superior do que a do dióxido de carbono como gás do efeito estufa. Entretanto, eles o produzem em quantidades consideravelmente menores do que ruminantes como gado, ovelhas e cabras.

Quando eles digerem sua comida, ruminantes emitem grandes quantidades de metano, cerca de 20% do total de todo o metano emitido no planeta. Até então, a premissa havia sido de que camelos, que tem sistemas digestivos similares, produziriam a mesma quantidade deste gás.

Porém, agora, pesquisadores das universidades de Zurich e ETH Zurich demonstraram que camelos liberam menos metano do que os ruminantes.

Camelos e ruminantes são parecidos, mas não idênticos. Ambos os grupos têm estômagos com várias câmaras, o que lhes permite regurgitar a comida de uma câmara de forma a reduzir o seu volume mastigando-a outra vez. Esta é a razão porque as pessoas imaginavam, até esta pesquisa, que camelídeos e ruminantes produziam quantidades similares de metano. Mas os pesquisadores concluíram que, em termos absolutos, camelos liberam menos metano do que ovelhas e vacas de tamanhos parecidos.

Na realidade, é um pouco mais complicado do que isso: se você comparar a produção de metano com a quantidade que o time de pesquisadores chama de “alimentação convertida”, então, a liberação de metano é semelhante entre os dois grupos. Mas o que interessa é a quantidade de alimentação convertida.

O estudo talvez seja menos esotérico do que parece à primeira vista. Ao trabalhar com o zoológico de Zurich e criadores privados de camelos, os pesquisadores mediram a produção de metano em 3 tipos de camelídeos. Eles descobriram que todos os três tinham um metabolismo mais lento do que o de ruminantes – por que eles comem menos.

Um dos autores do estudo, Marcus Clauss, um veterinário cirurgião da faculdade de Vetsuisse, parte da universidade de Zurich, disse: “para cada unidade de alimento digerida, ruminantes e camelídeos produzem a mesma quantidade de metano. Mas os camelos tem um metabolismo mais lento e, por isso, precisam comer menos do que os ruminantes. Então, o total de fibras digeridas por dia é menor em camelídeos, e, logo, o total de metano liberado também é menor.

Os autores dizem que o metabolismo mais lento dos camelídeos pode ser importante para países que detêm grandes quantidades de camelos, como os dromedários do Oriente Médio e a Austrália, ou as Alpacas e llamas da América do Sul. Porém, eles não advogam uma mudança do consumo de carne de vaca e carneiro para a de camelo.

O Doutor Klauss disse: “pessoalmente, não acho que o achado tem relevância para os sistemas de agropecuária, já que existem tantas outras coisas a serem consideradas também. Por exemplo, estou seguro de que, no mesmo período de tempo, não seria possível produzir a mesma quantidade de carne de camelo comparada a um touro”.

 

*Esse artigo é publicado em parceria com a Guardian Environment Network, da qual ((o))eco faz parte. A versão original (em inglês) foi publicada no site do Guardian. Tradução de Eduardo Pegurier

 

 

Leia também
Poluição de quatro patas
Os reis do gado e suas vacas insoladas
Israel usa esterco de gado para produzir energia

 

 

 

Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta