Reportagens

Não culpe os camelos pelo aquecimento global, diz estudo

A família dos camelídeos come moderadamente e produz quantidades de metano consideravelmente menores do que o gado, os carneiros e as cabras.

Alex Kirby ·
13 de maio de 2014 · 10 anos atrás
The Guardian Environment Network
Artigos da rede que reúne os melhores sites ambientais do mundo, selecionados pelo diário inglês The Guardian.

Foto:
Foto:

Nunca acuse a ciência de negligenciar o menor e, aparentemente, mais insignificante detalhe nos seus esforços para entender de forma completa como a Terra e tudo o que ela contém funcionam.

Uma de suas últimas e misteriosas revelações é fruto do trabalho de cientistas da Suíça, os quais descreveram na área pública da publicação científica PLOS One por que não devemos exagerar a culpa dos camelos por adicionar mais metano à atmosfera.

Os camelos – e seus parentes camelídeos, como llamas, guanacos, alpacas, vicuñas, dromedários e camelos-bactrianos – produzem metano, o qual tem potência mais de 20 vezes superior do que a do dióxido de carbono como gás do efeito estufa. Entretanto, eles o produzem em quantidades consideravelmente menores do que ruminantes como gado, ovelhas e cabras.

Quando eles digerem sua comida, ruminantes emitem grandes quantidades de metano, cerca de 20% do total de todo o metano emitido no planeta. Até então, a premissa havia sido de que camelos, que tem sistemas digestivos similares, produziriam a mesma quantidade deste gás.

Porém, agora, pesquisadores das universidades de Zurich e ETH Zurich demonstraram que camelos liberam menos metano do que os ruminantes.

Camelos e ruminantes são parecidos, mas não idênticos. Ambos os grupos têm estômagos com várias câmaras, o que lhes permite regurgitar a comida de uma câmara de forma a reduzir o seu volume mastigando-a outra vez. Esta é a razão porque as pessoas imaginavam, até esta pesquisa, que camelídeos e ruminantes produziam quantidades similares de metano. Mas os pesquisadores concluíram que, em termos absolutos, camelos liberam menos metano do que ovelhas e vacas de tamanhos parecidos.

Na realidade, é um pouco mais complicado do que isso: se você comparar a produção de metano com a quantidade que o time de pesquisadores chama de “alimentação convertida”, então, a liberação de metano é semelhante entre os dois grupos. Mas o que interessa é a quantidade de alimentação convertida.

O estudo talvez seja menos esotérico do que parece à primeira vista. Ao trabalhar com o zoológico de Zurich e criadores privados de camelos, os pesquisadores mediram a produção de metano em 3 tipos de camelídeos. Eles descobriram que todos os três tinham um metabolismo mais lento do que o de ruminantes – por que eles comem menos.

Um dos autores do estudo, Marcus Clauss, um veterinário cirurgião da faculdade de Vetsuisse, parte da universidade de Zurich, disse: “para cada unidade de alimento digerida, ruminantes e camelídeos produzem a mesma quantidade de metano. Mas os camelos tem um metabolismo mais lento e, por isso, precisam comer menos do que os ruminantes. Então, o total de fibras digeridas por dia é menor em camelídeos, e, logo, o total de metano liberado também é menor.

Os autores dizem que o metabolismo mais lento dos camelídeos pode ser importante para países que detêm grandes quantidades de camelos, como os dromedários do Oriente Médio e a Austrália, ou as Alpacas e llamas da América do Sul. Porém, eles não advogam uma mudança do consumo de carne de vaca e carneiro para a de camelo.

O Doutor Klauss disse: “pessoalmente, não acho que o achado tem relevância para os sistemas de agropecuária, já que existem tantas outras coisas a serem consideradas também. Por exemplo, estou seguro de que, no mesmo período de tempo, não seria possível produzir a mesma quantidade de carne de camelo comparada a um touro”.

 

*Esse artigo é publicado em parceria com a Guardian Environment Network, da qual ((o))eco faz parte. A versão original (em inglês) foi publicada no site do Guardian. Tradução de Eduardo Pegurier

 

 

Leia também
Poluição de quatro patas
Os reis do gado e suas vacas insoladas
Israel usa esterco de gado para produzir energia

 

 

 

Leia também

Notícias
1 de março de 2024

Liminar interrompe corte de árvores para circuito da Stock Car, em Belo Horizonte

Adequação de ruas do entorno do Mineirão para o circuito de rua demandava o corte de 63 árvores; deputada anuncia ato público de replantio amanhã, às 9h

Reportagens
1 de março de 2024

Lebrão invade o Brasil no rastro do desmatamento

Relatório inédito aponta prejuízos nacionais de até R$ 15 bilhões anuais com espécies exóticas vindas do mundo todo

Salada Verde
1 de março de 2024

Inscrições abertas para o 1º Seminário Paranaense de Trilhas

O evento, que será realizado em Curitiba na próxima sexta-feira (8), tem como objetivo discutir os caminhos e desafios para implementação de uma Rede de Trilhas no estado

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.