Notícias

Área de pasto cresceu 200% na Amazônia nos últimos 36 anos

Atualmente, pastagens ocupam 154 milhões de hectares em todo país, área equivalente a quase todo estado do Amazonas, mostra levantamento do Mapbiomas

Cristiane Prizibisczki ·
13 de outubro de 2021

Principal uso dado ao solo brasileiro, as pastagens ocupam atualmente 154 milhões de hectares em todo o país, uma área equivalente a quase o tamanho de todo Estado do Amazonas. Na Amazônia, a área ocupada por pasto cresceu 200% entre 1985 e 2020, e hoje a atividade já ocupa 56,6 milhões de hectares do bioma. Os números fazem parte do levantamento “Brasil Revelado – 1985-2020”, realizado pelo MapBiomas, cujos resultados foram divulgados nesta quarta-feira (13).

A área destinada à pecuária é ainda maior se considerados os campos naturais, formações presentes principalmente no Pampa e no Pantanal e que ocupam 46,6 milhões de hectares, e áreas de mosaico de agricultura e pastagem, que abrangem 45 milhões de hectares e onde o mapeamento não permitiu a separação ou onde as tais atividades ocorrem de forma consorciada.

Quando considerado todo período analisado, de 1985 a 2020, o Mapbiomas identificou que pelo menos 252 milhões de hectares, ou quase 1/3 do país, é ou já foi ocupado por pasto.

Atualmente, a Amazônia é o bioma com maior extensão de pastagens cultivadas (56,6 milhões de ha), seguido pelo Cerrado (47 milhões de ha), Mata Atlântica (28,5 milhões de ha), Caatinga (20 milhões de ha) e Pantanal (2,4 milhões de ha).

Em termos percentuais, o bioma mais ocupado por pastagens cultivadas é a Mata Atlântica, com 25,7%, seguido por Cerrado (23,7%), Caatinga (23,1%), Pantanal (16%) e Amazônia (13,4%). Os estados líderes em área de pastagem são Pará (21,5 milhões de hectares), Mato Grosso (21 milhões de hectares) e Minas Gerais (19,3 milhões de hectares).

A boa notícia é que a qualidade das pastagens aumentou no período analisado. Em 2000, 70% das áreas de pasto apresentavam sinais de degradação, contra 53% em 2020. No caso das pastagens severamente degradadas houve uma redução ainda mais expressiva: representavam 29% das pastagens em 2000 (46,3 milhões de hectares) e agora representam 14% (22,1 milhões de hectares).

Essa melhora foi identificada em todos os biomas, sendo que os que apresentaram maior retração nas áreas severamente degradadas foram Amazônia (60%), Cerrado (56,4%), Mata Atlântica (52%) e Pantanal (25,6%).

A qualidade das pastagens tem importância estratégica, tanto para o produtor, que ganha em produtividade, quanto para o meio ambiente, já que pastagens bem manejadas capturam carbono da atmosfera.

“Pastagens degradadas agravam a contribuição do setor agropecuário para as emissões dos gases que estão alterando o clima, com efeitos perversos sobre a própria atividade agropecuária”, explica Laerte Ferreira, professor e pró-reitor de Pós-Graduação (PRPG) da Universidade Federal de Goiás e coordenador do levantamento de pastagens do MapBiomas.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
15 de setembro de 2021

Restaurar pasto degradado custa 72% menos do que abrir novas áreas na Amazônia

Além de mais rentável, restauração pode evitar desmatamento de 1 milhão de hectares por ano até 2030, mostra estudo do projeto Amazônia 2030

Notícias
20 de maio de 2021

Relatório expõe agronegócio como grande motor do desmatamento ilegal de florestas

Entre 2013 e 2019, o equivalente a 32 milhões de hectares de florestas tropicais foram desmatadas ilegalmente para produção de itens como soja, carne bovina e óleo de palma. Brasil é um dos líderes no ranking

Reportagens
21 de fevereiro de 2019

Nas prateleiras dos supermercados, mais dúvidas do que certezas

Maiores redes de varejo do país adotam políticas frágeis de controle da procedência da carne vermelha e admitem dificuldades no rastreamento das fases iniciais da criação dos bovinos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta