Reportagens

Elas estão voltando

As baleias jubarte, habitués da costa baiana, estão redescobrindo o resto do litoral nordestino. Uma expedição de dois meses registrou esse ressurgimento.

Carolina Elia ·
26 de novembro de 2004 · 17 anos atrás

No litoral nordestino, está ficando comum, além dos turistas, a presença de baleias – principalmente jubartes. É uma novidade. Até bem pouco, os cetáceos que freqüentavam a região se restringiam à costa baiana. Intrigados com o fenômeno, pesquisadores do Projeto Baleia Jubarte montaram a expedição Cetáceos do Nordeste e navegaram 1.500 milhas náuticas à procura das ilustres visitantes.

As jubartes avistadas pelo caminho só faltaram acenar para os integrantes da equipe. Aliás, acenaram. Elas têm o costume de exibir as longas nadadeiras peitorais quando estão perto da superfície e o gesto foi observado várias vezes. Em 55 dias, entre setembro e novembro, os biólogos registraram 31 grupos de baleias jubarte e 40 de outros tipos de baleias e golfinhos entre Sergipe e o Rio Grande do Norte. Ao todo, foram encontradas 59 baleias jubartes, sendo 19% filhotes.

Parece que as jubarte curtem fazer turismo familiar no nordeste. Em todos os estados onde foi localizado esse tipo de baleia, havia também filhotes. A freqüência surpreendeu os pesquisadores, que passaram a suspeitar que as áreas do norte da Bahia funcionam como berçários. As baleias acasalam na região e onze meses depois voltam para ter filhotes sergipanos, pernambucanos e paraibanos. “O Rio Grande do Norte foi o único estado onde não vimos baleias jubarte, mas pesquisadores locais nos mandaram fotos de algumas observadas por lá”, conta Clarêncio Baracho, biólogo do Projeto Baleia Jubarte e participante da expedição.

As baleias jubarte são divertidas e fáceis de serem observadas. Se locomovem no máximo a 27 km/h, são dóceis e acrobáticas: saltam para fora d’água, expõem a cabeça, o dorso e as nadadeiras. Além do mais, cantam. Na temporada reprodutiva, os machos ganham as fêmeas no gogó. Eles emitem sons complexos para atrair as parceiras e afastar os rivais. A cantada varia. Segundo o Projeto Jubarte, que grava os cantos desde 1995, a “canção” do começo da temporada de acasalamento é diferente da emitida no fim do mesmo período. Em cinco anos o som muda radicalmente.

As jubarte fazem parte da Lista Oficial de Espécies Ameaçadas de Extinção do IBAMA. Calcula-se que 95% da população dessa espécie tenha sido dizimada durante o período em que a caça às baleias era permitida. A prática só foi banida mundialmente em 1986 e atualmente devem existir apenas 25 mil baleias jubarte nos oceanos. Na Paraíba, uma indústria nipo-brasileira de caça funcionou até 1985 e quase liquidou todas as grandes baleias que freqüentavam a costa nordestina. Aos poucos, elas estão voltando a freqüentar a região e os pesquisadores querem que continue assim.

Durante a expedição foram coletadas amostras genéticas para identificar não apenas o sexo, que não é possível distinguir a olho nu, mas o grau de parentesco das visitantes com outras populações mundiais. Estudos parecidos permitiram a pesquisadores descobrir que baleias minkes pescadas ilegalmente no Atlântico estavam sendo vendidas pela Noruega ao Japão. Essas amostras são pedaços de pele e gorduras que ajudam a identificar características do animal e do habitat em que ele vive. Como por exemplo, o grau de contaminação química de determinadas áreas do oceano.

Metais pesados provenientes de dejetos industriais se acumulam
na camada de gordura dos animais e são transferidos através da cadeia alimentar. Os mamíferos marinhos costumam ter um alto índice dessas substâncias nos tecidos, por serem predadores e estarem no topo da cadeia alimentar. Esse tipo de contaminação destrói o sistema imunológico, diminui a capacidade reprodutiva e danifica rins, fígado e o sistema nervoso das baleias. Até o fim do ano, participantes da Expedição Cetáceos do Nordeste esperam concluir as análises do material genético coletado na viagem.

As baleias avistadas durante a viagem também foram fotografadas para serem catalogadas e comparadas com outras que já passaram pelo litoral nordestino. As jubarte têm manchas pretas e brancas na cauda que funcionam como impressões digitais e permitem a identificação individual. A partir daí é possível estudar as relações sociais, o deslocamento, a história da espécie e outros fatores. Usando essa técnica, o Projeto Baleia Jubarte já cadastrou aproximadamente uma população de mil baleias na região de Abrolhos e pretende aprofundar cada vez mais o monitoramento da espécie. Tudo para que elas nunca mais tenham motivos para deixar de freqüentar as águas quentes do nordeste brasileiro.

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta