Reportagens

Assim como desmatamento, exploração madeireira avança pelo norte de Rondônia

Divisa entre RO, MT e AM é conhecida como a “nova fronteira do desmatamento”. Do total explorado no estado, em ao menos 5 mil hectares e retirada de madeira foi feita de forma ilegal

Cristiane Prizibisczki ·
26 de outubro de 2021

Cerca de 70 mil hectares de florestas em Rondônia foram utilizados para extração madeireira, entre 2019 e 2020. Do total desta área, em ao menos 5.814 hectares a retirada da madeira ocorreu de forma ilegal, em áreas protegidas. Os dados, divulgados na última semana, fazem parte de um estudo realizado pela Rede Simex, formada por quatro organizações ambientais: Imazon, Idesam, Imaflora e ICV. Rondônia é o terceiro no ranking de estados com maior área utilizada para exploração florestal na Amazônia.

A extração de madeira em unidades de conservação de proteção integral e Terras Indígenas é vedada por lei. No entanto, o trabalho revelou que somente em TIs, a área explorada chegou a  3.307 hectares.

A TI Tubarão Latunde, localizada no sudeste do estado, concentrou 68% das explorações, com 2.242 hectares, o equivalente a mais de dois mil campos de futebol. A outra terra com extração de madeira identificada no estudo foi a Rio Omerê, onde 1.065 hectares foram explorados, 32% do total mapeado em terras indígenas.

Na categoria de unidades de conservação de proteção integral, 86% da exploração madeireira ocorreu no Parque Nacional dos Campos Amazônicos. A UC é localizada no norte de Rondônia, na divisa com o Amazonas e Mato Grosso, região que enfrenta alta pressão pela destruição da floresta. 

Já nas unidades de conservação de uso sustentável, 78% das explorações ocorreram na Reserva Extrativista Rio Preto-Jacundá e na Floresta Nacional de Jacundá, que está em concessão.

Apesar dos números significativos de extração ilegal em áreas protegidas, o total da ilegalidade é bem maior. O problema é que a falta de acesso aos dados públicos completos impediu a análise em todo território rondoniense. No Mato Grosso, por exemplo, outro estudo da Rede Simex mostrou que os imóveis rurais cadastrados eram responsáveis por 70% da exploração ilegal no estado.

“A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – SEDAM/RO disponibilizou parcialmente dados de autorizações de exploração florestal e das áreas de manejo florestal (AMF). No entanto, esses dados não foram suficientes e não apresentaram os formatos necessários para a concretização da análise de legalidade até o lançamento do presente estudo”, diz parte do trabalho.

Exploração por categorias

Conforme a pesquisa, foram identificados 69.794 hectares com exploração madeireira em Rondônia, entre agosto de 2019 e julho de 2020. Destes, 78% (54.416 hectares) concentraram-se em imóveis rurais cadastrados, 10,2% (7.154 ha) em unidades de conservação que não de proteção integral, 8,3% (5.814 ha) em UCs de proteção integral e Terras Indígenas, 1,3%  (901 ha) em assentamentos rurais, 0,5% (392 ha) em terras não destinadas e 1,6% (1.117 ha) em outras categorias.

Somente na cidade de Porto Velho foram identificados 29.646 ha da exploração madeireira no período (42%), seguida por Machadinho d´Oeste, com 8.129 ha (12%), e Candeias do Jamari, com 6.317 hectares (9%).

“Esses municípios concentram-se na região norte que, nos últimos anos, destacou-se pelo desmatamento. E, agora, segundo os nossos dados, também destaca-se pela exploração madeireira”, afirma Julia Niero Costa, do Imaflora.

Extração madeireira 

Ao contrário do desmatamento, em que ocorre a remoção completa da vegetação com o ‘corte raso’, a exploração madeireira feita fora do estabelecido nos planos de manejo provoca degradação, que é quando a floresta é continuamente empobrecida por distúrbios, reduzindo sua biomassa e o próprio estoque de madeira comercial.

A extração madeireira sem controle leva ao empobrecimento da biodiversidade e à emissão de gases de efeito estufa, entre outros problemas.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Notícias
14 de setembro de 2021

Mais da metade da exploração de madeira no Pará é ilegal, aponta estudo

Entre 2019 e 2020, cerca de 50 mil hectares do estado foram explorados para extração de madeira, sendo 55% sem autorização

Reportagens
6 de setembro de 2021

Exploração de madeira na Amazônia atinge 464 mil hectares em 2020

Área equivale a três vezes a cidade de São Paulo. Falta de transparência nos dados dos estados impede que legalidade da extração madeireira seja checada

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Ribeiro diz:

    O estado de Rondônia está devendo na conta de quanta floresta deveria ter, segundo o código florestal, e aquele governador picareta ainda reduz reservas de sua responsabilidade. Como a proteção da amazônia é questão de segurança nacional, temos de declarar grileiros, garimpeiros e madeireiros como inimigos da pátria e assim abrir as opções das forças de segurança para “eliminar” o problema. E que se dane o “mimimi” desses vagabundos que se dizem trabalhadores. Trabalhador não vive às custas de destruição.