Reportagens

Caminho de Cora, rota pela poesia e pelos contrastes de Goiás

A trilha de longo curso resgata rotas históricas e versos da poetisa goiana para conectar Corumbá de Goiás e Cidade de Goiás, numa jornada de cerca de 300 quilômetros

Duda Menegassi ·
21 de setembro de 2022 · 1 anos atrás

Todo caminho tem nome próprio, mas nem todos levam no batismo um nome tão forte quanto o de Cora Coralina, poetisa goiana. É pelo estado, onde nasceu, viveu e morreu a escritora, que passa o Caminho de Cora, trilha de longo curso que conecta os municípios de Corumbá de Goiás e Cidade de Goiás. São cerca de 300 quilômetros de peregrinação pela poesia de Cora, as paisagens do Cerrado e seu contraste com as fronteiras amplas e bem marcadas do agronegócio. 

O nome da trilha torna inevitável a pergunta “a Cora percorreu este caminho?”. A resposta negativa pode deixar alguns confusos. A verdade é que além da localização da casa de Cora em Cidade de Goiás, onde termina o caminho, não há uma relação direta entre a poetisa e o percurso oficialmente inaugurado em 2018. Não entenda mal, caro leitor, a poesia que inspira Cora está por todo lugar. E não me refiro às placas com trechos da sua obra instaladas pelo caminho, mas ao Cerrado e ao povo goiano, grandes inspirações para a escrita de Cora Coralina (1889-1985).

Gente como Gilma Barreto, uma senhora hospitaleira e sorridente em seus 60 e poucos anos, que me recebeu em sua pousada Recanto da Serrinha, em Corumbá de Goiás, uma das hospedagens oficiais do Caminho de Cora. A vinculação, aliás, estava explícita em sua camiseta, que estampava a pegada que eu iria seguir pelos próximos dias na trilha. Uma sola preta de bota onde lê-se “Cora”, na vertical, num fundo amarelo (padrão que sinaliza no sentido Corumbá x Cidade de Goiás).

Se a sua camisa não fosse suficiente, ao lado da porta de entrada, um banner deixava evidente que aquele era o pouso oficial dos andarilhos que decidem percorrer o Caminho de Cora. No banner, além de um traçado que mostra todos os oito municípios do percurso, havia também uma frase e uma foto de Cora. “É a nossa poeta”, disse Gilma sorridente.

Ser um empreendimento associado à trilha de longo curso vem com oportunidades e compromissos. Gilma me conta que é preciso pagar uma pequena mensalidade (algo em torno de R$50) para a Associação Caminho de Cora Coralina, valor que ajuda na manutenção e sinalização da rota, oferecer um preço especial para os caminhantes e opção de alimentação. Em troca, sua pousada é divulgada e indicada pela trilha como ponto de hospedagem e também vira um ponto de venda – e de carimbo – do Passaporte do Peregrino. A cada passaporte vendido, o estabelecimento ganha uma comissão. 

“Já vendi mais de 200 passaportes”, contou orgulhosa Dona Gilma, quando cheguei lá para começar a caminhada, no final de maio. Eu, é claro, comprei o meu.

A economia da pequena cidade de Corumbá de Goiás gira em torno de tomate e turismo de festas religiosas como a Cavalhada. Aos poucos, o Caminho de Cora tem trazido um público diferente para o município e ajudado a movimentar a cidade o ano inteiro, independente dos eventos.

A trilha pode ser feita tanto a pé quanto de bicicleta. No pedal, entretanto, os dias encurtam, pois é possível percorrer os 300 quilômetros até mesmo num único final de semana. Dentre os peregrinos, a maioria, segundo Gilma, vem dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. 

A caminhada começa ainda no perímetro urbano de Corumbá de Goiás, onde um pórtico e uma placa sinalizam a trilha junto com uma sinalização informal: um grafite de Cora no muro da casa ao lado.
Em pouco tempo o percurso ganha ares de paisagem rural, onde alternam bois e monoculturas e a rota segue por uma estrada de terra pouquíssimo usada por veículos. De um lado pasto, do outro plantação. Um retrato deveras fiel do centro-oeste brasileiro. Ainda assim, foi possível avistar inúmeras espécies de aves, como um pica-pau-do-campo (Colaptes campestris), e ouvir outras tantas que fui incapaz de identificar.

Após uma hora de caminhada, cruzei com a primeira placa, das 60 que acompanham o Caminho de Cora com as palavras da poetisa goiana, já castigadas pelo sol do centro-oeste. Em tempo: desde setembro todas as placas estão sendo renovadas pela Goiás Turismo, em parceria com a Associação.

Finalmente, o Cerrado dá as caras. O cenário da savana mais biodiversa do mundo é um refresco visual depois de quase 8 quilômetros basicamente dominados por pastagem e monocultura. As árvores de troncos retorcidos e folhas grossas me fazem soltar um suspiro aliviado de que sobrou algo em pé no coração do “celeiro do mundo”. Desde 1985, o estado de Goiás já perdeu mais de 4 milhões de hectares de vegetação nativa de Cerrado, a maior parte convertida em pasto, segundo levantamento do MapBiomas

O caminho desemboca na rodovia BR-414, que cruza o estado de Goiás. As pegadas amarelas e pretas levam o caminhante pelo acostamento, um trecho quiçá ingrato, onde caminhões fazem companhia e passam no ritmo acelerado do agronegócio.

De acordo com os responsáveis pelo Caminho, o objetivo é buscar uma alternativa para futuramente alterar este trecho e evitar a rodovia. Isso me lembra o mantra das trilhas de longo curso: “A trilha é um organismo vivo”. Isso significa, entre outras coisas, que nenhum traçado é definitivo. E também que gerir uma trilha é um trabalho interminável, e por isso seu sucesso está atrelado ao envolvimento de atores locais, moradores, guias, voluntários, donos de hospedagem… São eles quem irão garantir a manutenção e vida longa da trilha no território. 

Com o sol a pino da época seca me castigando a cada passo, só pensava em quando teria uma sombra para descansar um pouco. Atendendo aos meus pedidos, vieram duas visões magníficas. A primeira foi a cachoeira do Salto Corumbá, vista de longe, mas exuberante. A outra, um pouco à frente, foi o bar Mirante do Salto, onde pude sentar e beber algo gelado enquanto contemplava a cachoeira.

A visão do Salto Corumbá, um dos destaques do primeiro dia de caminhada. Foto: Duda Menegassi

Renovada, segui por mais um quilômetro e pouco quando finalmente, a sinalização indicou a saída da estrada. O asfalto deu lugar a um solo bem diferente, uma areia branca e fina que reforça a proximidade com o rio Corumbá, assim como a vegetação mais florestal. Ao invés da rodovia, agora ando ao lado do rio. Muito melhor.

Aproveitei o convite irresistível para me banhar nas águas do Corumbá. Águas essas surpreendentemente gélidas, devo confessar, como se fossem indiferentes à inclemência do sol goiano.

Voltei ao caminho e próximo da marca de 18 quilômetros, encontrei o primeiro ponto de wi-fi livre, iniciativa promovida pelo governo do estado através da Goiás Turismo, que disponibiliza internet gratuita em alguns pontos do percurso. Fiz o teste e meu celular começou a tremer com a enxurrada de mensagens.

De lá, a trilha sai por uma entrada que quase me passou despercebida, à direita de um portão. Ao contrário das estradas de terra que havia percorrido até então, o percurso se estreita e dá um gostinho maior de andar pelo Cerrado. Para coroar este belo trecho, há um pequeno cânion que emoldura o rio Corumbá com rochas erodidas de formas tão belas e variadas que parecem esculpidas por um artista.

Um casarão antigo, eucaliptos, porteiras, mais gado e mais monocultura, quase nenhum veículo e nenhuma pessoa. E ainda assim, Cerrado e poesia. Esses foram os vários elementos que se alternaram durante o primeiro dia no Caminho de Cora. E, claro, as pegadas amarelas e pretas.

As pegadas pretas no fundo amarelo sinalizam o sentido Corumbá x Cidade de Goiás. Foto: Duda Menegassi

Eu as seguia obediente quando enxerguei um elemento diferente no horizonte: uma cidade. Mais precisamente, Cocalzinho de Goiás. O caminho, entretanto, apenas vê de longe a cidade goiana. Coincidentemente, depois iria encontrar, separadamente, com dois moradores de Cocalzinho que reclamaram para mim justamente dessa exclusão da cidade na rota de Cora. Essa disputa pelo traçado do caminho não é um revés, mas um sinal positivo de como a trilha de longo curso tem sido percebida na região: uma oportunidade e um potencial.

Por ora, meu destino, assim como o Caminho de Cora, segue distante do centro urbano. O ponto de pernoite do primeiro dia de caminhada é o Recanto das Acácias, camping associado à trilha.

O Recanto das Acácias disponibiliza barracas aos caminhantes, o que é um duplo alívio. Primeiro porque significa que não é necessário carregar esse peso extra na trilha, e segundo porque garante colchonete, cobertor e almofada para a noite de sono. O local possui ainda infraestrutura de apoio, com banheiros e cozinha. Há ainda a opção de pedir comida da cidade, mordomia da qual fiz uso sem pensar duas vezes.

Com as costas e os pés cansados depois de cerca de 25 km de caminhada, comemorei me jogando na grama da área de camping e ficando descalça.

A Serra dos Pireneus

O segundo dia do Caminho de Cora Coralina cruza o Parque Estadual dos Pirineus, protagonista cênico deste trecho. A área protegida foi criada em 1987 e abrange uma área de aproximadamente 2,8 mil hectares de Cerrado, que fica dividida entre três municípios goianos: o próprio Cocalzinho de Goiás, Corumbá de Goiás e Pirenópolis. 

Quando cheguei na guarita que marca a entrada do parque, a cerca de 2 km do camping, deparei-me com um posto abandonado. Diante das cancelas permanentemente levantadas, questionei-me se algum dia houve de fato um controle da entrada e saída de veículos e pessoas nesta estrada de terra que cruza o parque estadual.

Atualmente, a equipe do parque se concentra numa casa na entrada para o Pico dos Pirineus, numa localização mais central na unidade de conservação. A casa também é usada pelos brigadistas que estavam em plena atividade de monitoramento quando passei por lá. O fogo, que em anos anteriores já consumiu grandes porções do parque, é uma preocupação constante na área protegida. Este ano, até meados de setembro, poucos focos de calor haviam sido registrados na unidade.

A Serra dos Pirineus está na borda do Planalto Central brasileiro e seus morros dividem duas importantes bacias hidrográficas brasileiras: a Platina e a Tocantins-Araguaia. Da estrada de terra por onde me guiam as pegadas pretas em fundo amarelo, observo as formações rochosas peculiares – algumas, descubro depois, datadas em mais de 1 bilhão de anos!

No centro disso tudo está o Pico dos Pirineus, a 1.385 metros de altitude, o ponto mais alto do Planalto Central. Pela sua altura estratégica, este cume foi um ponto usado pelos integrantes da Missão Cruls, que passaram por lá em 1892, quando seguiam em busca de um território para instalar o que viria a ser o Distrito Federal.

Para chegar lá, depois de uma subida gradual e constante por quase 5 quilômetros pela estrada de terra do parque, é preciso encarar um curto trecho de uns 500 metros de subida por uma trilha mais íngreme. 

Vista do topo do Pico dos Pirineus, no parque estadual. Foto: Duda Menegassi

Hoje, quem sobe ao Pico dos Pirineus aproveita a vista panorâmica do parque, onde destaca-se o Morro do Cabeludo. Além disso, no topo está uma pequena capela azul e branca, um ponto que tornou-se destino de peregrinações religiosas. Seja pela geografia, pela ciência, pela beleza ou pela fé, a Serra dos Pirineus é definitivamente um destino que há séculos atrai caminhantes.

O guia de ecoturismo Cisernandez e o caminhante Elton num encontro fortuito na subida para o Pico dos Pirineus. Foto: Duda Menegassi

Para fazer jus à reputação de destino turístico, minha jornada solitária é interrompida pela companhia de outros cinco turistas e um guia – em plena quarta-feira.

“Eu acho que o ideal seria criar bate-voltas para incluir outros atrativos da região no Caminho de Cora e abraçar mais o município de Cocalzinho de Goiás”, comenta o guia de ecoturismo Cisernandez, da Cocal Ecotrip, enquanto me apontava direções e dizia o nome das montanhas e de locais que eu tinha que conhecer.

Com seus olhos atentos, é ele quem me aponta, de longe, as asas brancas de um dos soberanos do céu: o urubu-rei (Sarcoramphus papa). E, na trilha, me mostra o caule esbranquiçado e “descamado” de um papiro (Tibouchina papyrus) ou pau-papel, pequena árvore que é endêmica do Cerrado e símbolo do estado de Goiás.

Depois deste raro momento de farta companhia, prossigo novamente sozinha, de volta à estrada de terra que corta o parque, em direção a Pirenópolis. As pegadas amarelas me levam até certo ponto e, pela primeira vez, ignoro-as para seguir pela estrada, pois meu ponto de pernoite está mais à frente: o Sítio Lavrinhas.

O desvio de aproximadamente 4 quilômetros da rota principal é justificado, pois mais do que apenas minha hospedagem para noite, o Sítio Lavrinhas é o lar de um dos idealizadores do Caminho de Cora, Bismarque Villa Real.

O encontro inesperado e de longe com um veado-catingueiro (Mazama gouazoubira). Com auxílio da lente, vejo que ele me olha e depois salta tranquilamente para completar sua travessia para o outro lado da estrada. Um encontro gravado na memória e registrado precariamente em fotos. Foto: Duda Menegassi

Inspiração em outros caminhos

Bismarque me recebe no sítio junto com sua companheira, a fotógrafa Eliane De Castro. O local é um dos pontos oficiais de pernoite do Caminho de Cora, ainda que, por escolha, receba pouca gente.

Quando pergunto sobre a idealização do percurso, Bismarque pega um mapa que abre de forma improvisada sobre o sofá. Nele, serpenteia um traçado em vermelho e outro preto pontilhado, rodeados por adesivos de cores diversas que marcam pontos descritos em relatos de expedições, como a própria Missão Cruls, e de naturalistas como o botânico Auguste de Saint-Hilaire.

Parte do papel de Bismarque na elaboração da trilha de longo curso foi justamente este mergulho em relatos e documentos históricos para reviver os passos destes viajantes e traçar por onde o caminho deveria passar. 

“Um que me guiou muito foi o diário de viagem feito pelo [Luís] da Cunha Menezes que veio de mula da Bahia pra Goiás para assumir [o cargo de governador da capitania de Goiás], em 1778, e deixou um diário de viagem com as distâncias que ele percorria todos os dias, os rios…”, relembra Bismarque. “E no século 19, vieram dois naturalistas, Saint-Hilaire e Johann Emanuel Pohl, que também foram uma fonte muito importante. Enquanto o Cunha e Menezes me deu as distâncias e por onde passou, os naturalistas falavam sobre costumes, botânica, biologia, um outro viés, e também muito importante que permite ver os resquícios dessa paisagem natural”, completa.

Hoje o Caminho de Cora, com seus 300 quilômetros, é um dos trechos já implementados de um projeto maior: o Caminho de Goyazes, que conecta a região da Serra Dourada, no sul de Goiás, com a Chapada dos Veadeiros, ao norte do estado – e na rota cruza o Distrito Federal. Essa costura de trilhas inclui ainda os caminhos do Planalto Central e dos Veadeiros, o Giro dos Povoados e a Rota do Rio Areias.

Este grande corredor a ser percorrido a pé (ou de bicicleta) é, sob certa ótica, uma nostálgica homenagem aos inúmeros aventureiros e expedicionários que primeiro mapearam os caminhos do estado.

Rumo à Pirenópolis

Um café da manhã caprichado e um papo fértil fizeram com que eu me permitisse uma saída mais tardia do que a planejada para o terceiro e, para mim, derradeiro dia de jornada no Caminho de Cora. 

Um dos assuntos durante o café foi a incrível história da primeira insurgência de motivações ecológicas que Bismarque tem notícia no país e que aconteceu ali próximo do sítio, como atestam as ruínas de uma antiga mina de ouro. Em março de 1887, os moradores de Pirenópolis – que na época chamava-se Meiaponte – atearam fogo nas instalações da Companhia de Mineração Goyana, que explorava as Lavras do Abade, em protesto contra a poluição causada pelo garimpo no rio das Almas, que abastecia a cidade.

Inspirada por esta história fantástica, refaço parte dos passos do dia anterior até a entrada da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Caraívas, de volta ao rumo de Cora e suas pegadas. A presença desta área protegida privada, junto ao próprio Sítio Lavrinhas, que também é uma RPPN, reforça a afirmação que Bismarque havia feito na véspera de que esta é a região do Brasil com maior densidade de RPPNs, com 14 reservas. Um cinturão particular de proteção do Cerrado goiano – talvez o ambientalismo corra mesmo nas veias do povo pirenopolino. 

Sob a proteção da reserva, o percurso vira uma trilha agradável e sombreada em meio à floresta e pequenos rios, uma cena rara na minha experiência com o caminho. Quando o dossel das árvores é interrompido pelo retorno da savana, o choque térmico é imediato. Para minha alegria, apesar do calor, a trilha segue na boa companhia do Cerrado.

De repente, escutei um trotar inconfundível. “Vem aí um cavalo”, pensei com alguma surpresa, já que neste momento caminhava por uma trilha estreita e cheia de pedras. Apareceu então a égua Estrela, de pêlo escuro e suado. Montado nela, Zé Costa, que subia para sua casa. A cena evidenciou o uso ainda tradicional de cavalos como meio de transporte de moradores. É possível, inclusive, fazer alguns trechos do Caminho de Cora a cavalo, apesar desta não ser uma modalidade muito estimulada ou mesmo estruturada no percurso.

Morador da região, Zé Costa faz a cavalo o deslocamento pelas trilhas. Foto: Duda Menegassi

O caminho ora se abria em estrada, ora voltava a ser trilha, com pouca sombra em ambos os cenários. O único refresco eram os momentos em que o percurso cruzava com as águas geladas e cristalinas do Córrego da Barriguda. Eu já havia andado cerca de 7 quilômetros quando, no horizonte, apareceu meu destino: a cidade histórica de Pirenópolis – ou Piri para os íntimos.

Na medida em que descia, cruzei com outros empreendimentos parceiros do Caminho de Cora, como o Refúgio de Avalon. Lá eu ganhei um carimbo extra no meu passaporte de peregrina e um suco de capim-limão gelado e extremamente bem-vindo.

Foi um contraste chocante quando o caminho, de repente, desembocou em uma enorme pedreira. O local, em plena atividade, com caminhões carregados de quartzito para lá e para cá, que levantam poeira a cada vez que passam, me faz pensar como a espécie humana é capaz de comer até mesmo as montanhas.

A extração de pedras e a atividade turística são as duas grandes fontes de renda de Pirenópolis. “Quem não trabalha no turismo, trabalha na pedreira”, me explica um dos moradores do município. É uma balança curiosa porque a atividade de extração do quartzito não apenas desmata, mas também promove o assoreamento do rio das Almas, que alimenta cachoeiras e praias fluviais que, por sua vez, são a grande atração turística de Piri.

Um fortuito desvio tira, enfim, o caminho da pedreira e o põe de volta pro mato através de uma ponte adornada com as pegadas de Cora. Nos quatro quilômetros seguintes que me separam de Pirenópolis, a trilha acompanha a margem do rio das Almas e passa por vários pontos de banho convidativos. A presença de banhistas aumenta gradativamente em cada um deles, na medida em que me aproximo da cidade.

Quando chego, enfim, ao centro histórico, sou obrigada a abandonar as pegadas e usar o Google Maps, já que dentro do centro, tombado como Patrimônio Histórico, não é permitido pintar as pegadas de sinalização.

Com apoio da tecnologia, cheguei ao Casarão do Bispo, mais um associado ao Caminho de Cora. Bispo, sobrenome que virou apelido de Roberto, é um carioca falante que se encantou pelas terras goianas. Além da simpatia do anfitrião, a marca registrada dessa hospedagem é o cardápio do jantar: o famoso “macarrão do Bispo”. E aí o nome vem a calhar, porque é de comer rezando! 

O centro histórico da cidade de Pirenópolis é tombada como patrimônio. Foto: Duda Menegassi

“Receber peregrino é muito bom. Turista exige, peregrino agradece. São relatos incríveis, trocas de histórias”, afirma Bispo durante o jantar. Ele conta ainda que se tornou diretor regional de sinalização dos trechos 3 e 4, que começam e terminam em Pirenópolis, mas admite que ainda não conhece todos os 300km do caminho. “Aos poucos estou conhecendo o que falta”, acrescenta, “porque preciso conhecer para poder ter essa troca com os peregrinos”.

Minha curta peregrinação pelo Caminho de Cora somou apenas 61km, cerca de um quinto do total do percurso. Uma fração da caminhada, mas ainda assim uma amostra generosa do que esta trilha de longo curso é capaz de movimentar. São passos, pessoas, negócios e, por quê não, versos. 

E aqui, cedo ao maior clichê possível nesta reportagem para deixar que as próprias palavras de Cora Coralina deixem clara a poesia que não apenas existe no caminho, mas que é o caminho: “O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim, terás o que colher”.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Análises
9 de junho de 2022

Trilha para Todos: uma estratégia nacional de reconciliação (e revolução!)

Democratizar e universalizar o acesso de brasileiros ao ambiente natural pode ser, mais do que um imperativo moral, a nossa tábua de salvação

Reportagens
30 de maio de 2022

Com acordos, carta aberta e sinal verde de autoridades, Congresso impulsiona agenda de trilhas

O 1º Congresso Brasileiro de Trilhas alinhou o discurso dos Ministérios do Turismo, Meio Ambiente e ICMBio em prol da agenda de trilhas de longo curso no Brasil

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 2

  1. Assis diz:

  2. Duda Menegassi, novamente arrasando com seu texto informativo e, ao mesmo tempo leve. É um orgulho para a Rede Brasileira de Trilhas ter o Caminho de Cora como uma de suas grandes referências!