Reportagens

Em três décadas, Pantanal ficou mais seco e assistiu escalada da agropecuária

Pastagens tiveram aumento de 285% e ocupam um sexto da área do bioma, aponta levantamento do MapBiomas. Com menos água, 2018 continua sendo o último ano com registro de cheia significativa

Michael Esquer ·
30 de agosto de 2022

A maior área úmida do mundo está mais seca e tem tido a sua paisagem transformada pela agropecuária. Isto é o que revelam os dados da Coleção 7 dos mapas anuais de cobertura e uso da terra do Brasil, lançado na última sexta-feira (26) pelo MapBiomas. Nas últimas três décadas, as áreas de pastagem assistiram uma escalada de mais de 285% e, somada às outras atividades agropecuárias, como agricultura, soja e outras lavouras temporárias, passaram a ocupar cerca de um sexto do uso da terra no bioma. Na série histórica, 2018 continua sendo o último ano com cheia significativa no bioma, mesmo com um índice 29% menor em comparação ao primeiro pico de inundação, registrado na série histórica da rede colaborativa em 1988. 

Conforme o levantamento, em 1985 o Pantanal possuía 662,8 mil hectares de superfície coberta por atividade agropecuária, o que correspondia a 4% da área total do bioma. Em 2021, o número subiu para 2,55 milhões, ou também 16% da área do Pantanal, o que configura um aumento de 285% – dentro desta categoria, a pastagem responde por 99% do uso. 

Entre as principais constatações do levantamento também está o fato de que as alterações causadas pela ação do homem entre 1985 e 2021 foram intensas: a antropização corresponde, também, a mais de um sexto (16,9%) de toda a área do bioma. Nesse período, o Pantanal passou de 95,58% de cobertura de áreas naturais, para 83,01%.

Para Eduardo Rosa, coordenador de mapeamento do Pantanal no MapBiomas, o aumento do uso antrópico do bioma tem, em primeiro momento, relação com o aumento da pastagem e, posteriormente, com a transformação dessas regiões em áreas de agricultura mecanizáveis. “Hoje temos a entrada de soja na planície, com um potencial de aumento sobre áreas de pastagens já abertas, porém, com baixa aptidão a cultivos anuais e, por isso, não se recomenda o plantio de soja na planície, vista a fragilidade das condições naturais do sistema pantaneiro, entre outras problemáticas associadas ao monocultivo, que já causam problemas relacionados à conservação da Bacia do Alto Paraguai e por consequência no Pantanal”, disse a ((o))eco.

De acordo com a SOS Pantanal, organização que integra o Observatório Pantanal – coalizão composta por 43 instituições socioambientais atuantes na Bacia do Alto Paraguai (BAP) no Brasil, Bolívia e Paraguai –, a transformação da paisagem pela agropecuária ocorre, principalmente, quando o proprietário substitui a vegetação nativa do bioma (Formações Florestais, Savânicas e Campestres) por pastagem exótica. “Isso é percebido pelo MapBiomas, essa alteração, e mostra esse aumento das áreas de pastagem exótica. Mas a pecuária, na verdade, ocupa uma área maior, porque tem muitos campos nativos do Pantanal que são usados para pecuária”, explicou a ((o))eco Gustavo Figueirôa, diretor de Engajamento e Comunicação da instituição. 

Ao mesmo tempo, ele enfatiza que a pecuária existe há mais de 200 anos dentro do bioma, e ocorre em equilíbrio com o meio ambiente quando manejada com boas práticas. Isto, por conta dos grandes campos abertos do Pantanal, que favorecem a prática no bioma. O que preocupa, de fato, segundo ele, é a substituição das áreas de pastagens nativas do bioma por pastagens exóticas. “Nessa transformação, o maior problema é quando tem essa substituição de gramínea nativa por gramínea exótica, que na maioria das vezes não precisa, porque o capim nativo é muito nutritivo. Quando a gente vê que isso está acontecendo, a gente percebe que tem gente que está vindo de fora e não entende a dinâmica de equilíbrio que o Pantanal tem com a pecuária. Preocupa um pouco, porque é uma atividade bem estabelecida já, mas que tem que ser feita com boas práticas para continuar em equilíbrio”, acrescentou. 

Pantanal mais seco 

O levantamento do MapBiomas também mostra que o ano de 2018 continua sendo o último com registro de cheia significativa no bioma – o dado já havia sido retratado na coleção publicada no ano passado pelo MapBiomas, mas, neste ano, foi reprocessado com melhores técnicas. Com uma área de 5 milhões de hectares coberta por água, campos alagados e área pantanosa, o número, porém, ainda foi 29% menor do que o registrado em 1988, quando a rede colaborativa registrou a primeira cheia na sua série histórica. Naquele ano, a água cobriu 7,1 milhões de hectares do bioma. 

Gustavo comenta que essa diminuição da superfície coberta por água, durante as cheias, é também um reflexo das mudanças climáticas, que já atingem o bioma. Além disso, soma-se a essa tendência de seca a diminuição do fluxo de água que vem de fora do bioma. Estima-se que pelo menos 70% da água que abastece o Pantanal origina-se dos rios situados em suas bordas, região conhecida como Planalto. Esta mesma porção situada na porção norte da BAP sofre com o desmatamento, uso de agrotóxicos e, ainda, a previsão de instalação de barramentos para a geração de energia

“O Pantanal está ficando com a área total alagada menor e com o tempo de alagamento menor também […] antes era seis meses, agora tá com dois meses. Isso influencia a dinâmica do Pantanal, que depende do pulso de inundação para os seus ciclos ecológicos. Imagina que tem várias áreas onde a água só chega durante a cheia e a reprodução de espécies ocorrem lá durante a cheia. Isso é completamente afetado quando você não tem uma cheia. Não só muda o ciclo ecológico, mas também muda o ciclo de como o ser humano usa a paisagem, e é preocupante porque a tendência é ficar cada vez mais seco”, relatou. 

Outro dado que o relatório do MapBiomas também fornece é o da área coberta apenas por corpos d’água (rios e lagos). Se comparados os números de 1985 e 2021, a redução no bioma é de 80% (caiu de 2,6 milhões de hectares para 530,4 mil hectares). A SOS Pantanal, no entanto, esclarece que essa comparação não é recomendada, e nem suficiente, para entender a dinâmica do Pantanal. A comparação de picos de cheia, ele explica, continua sendo a referência ideal para compreender como tem se comportado a maior área úmida do mundo. “O Pantanal passa por regimes de cheia e seca plurianuais. Ou seja, passa um período de oito a dez anos que são mais cheios, depois de oito a dez anos que são mais secos. Comparar o auge de um período que estava cheio com um período de seca não é condizente, porque naturalmente o bioma já vai estar mais seco”, finalizou Figueirôa.

Sobre a Coleção 7 do MapBiomas

A Coleção 7 do MapBiomas traz mapas e dados anuais sobre a evolução de 27 classes de cobertura e uso da terra no Brasil desde 1985 a 2021 e inclui também módulo contendo dados sobre a evolução anual do desmatamento, vegetação secundária, irrigação, mineração e qualidade das pastagens.

“Os satélites nos ajudam a revelar os desafios de como expandir a agropecuária sem desmatamento, como proteger os recursos hídricos e como ocupações urbanas podem ser mais seguras e menos desiguais ”, explica Julia Shimbo, Coordenadora Científica do MapBiomas e Pesquisadora do IPAM.

  • Michael Esquer

    Jornalista em formação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
24 de agosto de 2022

Investimentos e licenças pulverizados consolidam hidrovia no Pantanal

Avanço pontual de portos e outras obras pode mascarar severos impactos sobre os ambientes naturais e as pessoas

Reportagens
10 de agosto de 2022

Complexo ameaça uma das últimas regiões livres de barramentos nas nascentes do Pantanal

Rio Cabaçal é alvo de projeto que prevê a construção de quatro PCHs e duas CGHs. Fragilizada pelo assoreamento, bacia do curso d'água pode sofrer com fortes impactos na qualidade da água

Reportagens
26 de maio de 2021

Pantanal não tem lavouras, mas veneno da soja chega pelos rios e ameaça bioma

Com apenas 0,01% de sua área utilizada para produzir a commodity, o Pantanal está vulnerável justamente pela condição que o faz único: as águas que o inundam anualmente carregam consigo resíduos dos agrotóxicos da região que mais usa pesticidas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta