Reportagens

Simpático ao garimpo, Antônio Denarium tem mais quatro anos no governo de Roraima

No primeiro mandato, governador tentou legalizar garimpo por meio de PLs aprovados pela Assembleia; agora ele afirma querer reduzir reservas legais

Fabio Pontes ·
24 de outubro de 2022 · 1 anos atrás

Em seus primeiros quatro anos à frente do governo de Roraima, o empresário Antônio Denarium, do Progressistas, sancionou dois projetos de lei que tinham como objetivo garantir certo aspecto de legalidade à atividade garimpeira, que tem entre as populações indígenas do estado as mais impactadas pelos danos sociais e ambientais que provoca. 

Todo este clima de “legitimação” foi reforçado pela visão positiva do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre o garimpo, somada ao desmonte da política de proteção ambiental promovida pelo Palácio do Planalto.    

Aliado à agenda bolsonarista para o meio ambiente, Denarium foi reeleito para um segundo mandato com 56,47% dos votos válidos. A depender do conteúdo de seu plano de governo, a questão ambiental continuará de fora das prioridades da “nova gestão”, que se inicia a partir de 2023. Nas 10 páginas do documento, não há nenhuma referência a propostas para o meio ambiente. 

O governador  Antônio Denarium  e o presidente e candidato à reeleição Bolsonaro, ambos favoráveis à legalização do garimpo  (Foto: Alan Santos/PR)

Um dos poucos trechos fala apenas na regularização ambiental das propriedades rurais de Roraima como fomento para a economia local. 

No último tópico, dedicado aos povos indígenas, não são citadas medidas de proteção aos territórios contra a invasão de madeireiros ou garimpeiros. O plano de Denarium faz referência apenas ao fomento de uma agricultura sustentável nas aldeias. 

É certo que as políticas para gestão territorial e de proteção das comunidades indígenas é uma atribuição exclusiva do governo federal. Todavia, em meio à também desestruturação da Fundação Nacional do Índio (Funai) pelo governo Bolsonaro, o governador Antônio Denarium poderia não piorar um cenário já delicado, ao deixar de assinar propostas que impulsionam o garimpo em Roraima. 

As terras indígenas (TIs) são as áreas preferenciais para a extração de metais preciosos, em especial a TI Yanomami. Desde a posse de Bolsonaro e Denarium, aumentou-se de forma significativa os relatos de ataques aos Yanomami por garimpeiros, que atuariam na região com o apoio até mesmo de facções criminosas. 

Análises do Mapbiomas indicam que, apenas dentro da Ti Yanomami, a atividade garimpeira cresceu 3.350% entre 2016 e 2020. Juntas, as terras indígenas representam 46% do território roraimense, ou 10,3 milhões de hectares.     

Garimpo (quase) liberado

Em janeiro do ano passado, Denarium enviou para a Assembleia Legislativa de Roraima projeto que implementou o Licenciamento para a atividade de lavra garimpeira. Aprovada pelo Parlamento e sancionada pelo governador, a Lei 1.351/2021 estabelecia critérios menos rígidos para a emissão das licenças ambientais, permitindo até mesmo o uso do mercúrio.  A proposta não especificava para quais áreas haveria a concessão de exploração, o que geraria conflitos com a legislação federal. 

Em fevereiro, o partido Rede entrou com recurso junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para invalidar a lei. De forma liminar e monocrática, o ministro Alexandre de Moraes determinou a sua suspensão, até que foi considerada ilegal, de forma unânime, pelo plenário da Corte em setembro de 2021. Hoje, não há nenhuma área de garimpo legalizada em Roraima. 

Não satisfeita, a classe política simpática ao garimpo voltou a apresentar projetos para resguardar o garimpo. Em maio deste ano, o deputado George Melo (Podemos) propôs o PL 233 que impedia a destruição de maquinários apreendidos em garimpos durante operações de órgãos ambientais e policiais do estado. 

Garimpo em Roraima, 2022. Foto: Divulgação/PF

Em setembro, ((o)) eco publicou reportagem mostrando que o mandato de Melo na Assembleia Legislativa é dedicado à defesa dos garimpeiros.  Atualmente ele cumpre mandato-tampão após o titular ter sido cassado; ele não foi reeleito no dia 2 de outubro, ficando apenas como suplente. 

Aprovado, o PL 233 foi sancionado pelo governador e passou a ser a Lei Ordinária 1.701. Tanto George Melo quanto Antônio Denarium afirmam que a lei exclui de sua cobertura as terras indígenas, mas no texto não há nada especificado, o que pode ser visto como mais um fomento à invasão destes territórios pelos garimpeiros. 

O Ministério Público Federal também ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) junto ao STF para anular a lei; o processo ainda está em análise pela Corte. 

Outra ofensiva de Antônio Denarium foi enviar ao Conselho Estadual de Meio Ambiente proposta que reduz de 80% para 50% o tamanho das áreas que devem ser preservadas dentro das propriedades rurais, a chamada reserva legal. Pelo Código Florestal, propriedades dentro da Amazônia Legal não podem desmatar mais de 20% de seu tamanho total. 

Aumentar este limite é um dos principais intentos da bancada ruralista da região. Por mais que a proposta seja também aprovada, é certo que haverá recursos na Justiça por ela “atropelar” uma norma federal, que é o Código Florestal. 

Desde a posse de Antônio Denarium e Jair Bolsonaro, Roraima tem apresentado aumento expressivos em suas taxas de desmatamento. Entre 2019 e 2021, o estado apresenta uma alta média anual de 122% da área de floresta devastada, isso na comparação com os três anos anteriores. 
É o maior crescimento entre os nove estados da Amazônia Legal. Em 2018, por exemplo, Roraima teve desmatados, de acordo com o Inpe/Prodes, 195 km2 de cobertura vegetal. No ano seguinte, a área derrubada somou 590 km2.

  • Fabio Pontes

    Fabio Pontes é jornalista com atuação na Amazônia, especializado nas coberturas das questões que envolvem o bioma desde 2010.

Leia também

Notícias
12 de julho de 2022

Ações tentam barrar no STF lei de Roraima que proíbe destruição de equipamento do garimpo ilegal

Norma semelhante de Rondônia também é alvo de ação no Supremo. Procuradoria-Geral da República é autora de duas das três ações no STF sobre o assunto

Reportagens
24 de agosto de 2022

Candidato do PV ao governo defende organizar a mineração em Roraima

O candidato ao governo de Roraima segue a tese presidencial de que seria possível liberar a extração de minérios nos territórios indígenas

Reportagens
23 de setembro de 2022

Governador exalta redução da violência em Roraima, mas ignora assassinatos indígenas

Programa de Antonio Denarium (PP) na TV mostra que o número de mortes violentas caiu no estado, o terceiro com maior número de assassinatos de indígenas no país em 2021.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.