Salada Verde

Maior reserva marinha

Governo britânico decreta proteção de área com quase o tamanho do estado da Bahia com as 65 ilhas Chagos, no Oceano Índico.

Salada Verde ·
7 de abril de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Amostra das belezas no arquipélago de Chagos. foto: Divulgação/WWW
Amostra das belezas no arquipélago de Chagos. foto: Divulgação/WWW

O estabelecimento de uma base militar americana na ilha de Diego Garcia, em 1967, resultou na exclusão da pesca e outros impactos humanos das ilhas, que hoje abrigam 220 espécies de corais, mais de mil espécies de peixes, além de populações saudáveis de aves e tartarugas marinhas e espécies exterminadas em outros locais, como o caranguejo-gigante-dos-coqueiros. Larvas de corais, peixes e crustáceos vindas das ilhas são consideradas importantes para repovoar recifes na costa da África e outras partes do Índico.

 

Chagos é um conhecido exemplo de “área protegida não intencional” resultante de ações militares, e de como a natureza vai muito melhor sem humanos no cenário. Veja aqui a posição das ilhas no Índico.

As ilhas tem uma história que faria socioambientalistas brasileiros terem pesadelos. Originalmente desabitadas, foram colonizadas no século 18 por trabalhadores de origem africana e do sul da Ìndia trazidos das ilhas Maurício para trabalhar nas plantações de coco, voltadas à produção de óleo e fibra para exportação. Em 1967, o governo britânico fechou a companhia que administrava as plantações e despovoou as ilhas através do expediente simples de negar o envio de suprimentos, levando os dois mil habitantes a voltarem às Maurício. A razão foi exatamente o estabelecimento da base de Diego Garcia.

Após uma batalha legal, os antigos habitantes receberam indenizações superiores a 4,5 milhões de libras e cidadania britânica, mas foi só em 2008 que as cortes britânicas chegaram à conclusão do processo, definindo que os mesmos não podem mais voltar a viver nas Chagos. No entanto, a briga continua na corte da União Européia, e há o temor de que o possível retorno dos habitantes resulte na abertura da área à pesca comercial e outros impactos. Por outro lado, entidades representando os exilados apoiaram a criação da área protegida.

Aqui no Brasil, onde unidades de conservação marinhas cobrem área ainda pífia, áreas sob controle militar poderiam cumprir essa função. Entre estas, estão as ilhas de Trindade e Martim Vaz, onde, infelizmente, a pesca comercial praticada por espinheleiros é praticada sem controle.

Leia também

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Reportagens
30 de novembro de 2021

Há 8 anos na Câmara, projeto que cria uma lei para o mar ainda não tem votação à vista

Série de reportagens investiga motivos da longa tramitação do projeto de lei que institui a Política Nacional para Conservação e o Uso Sustentável do Bioma Marinho Brasileiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta