Salada Verde

Bangcoc encerra sem avanços

Divergências entre os mais de 200 países da Convenção da ONU atrasam a elaboração de um novo acordo para substituir o Protocolo de Quioto.

Redação ((o))eco ·
9 de abril de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Flávia Moraes

Plenária em Bangcoc: clima de incerteza. (foto: Jan Galinski - UNFCCC)
Plenária em Bangcoc: clima de incerteza. (foto: Jan Galinski – UNFCCC)
Nesta sexta-feira (08/04), finalizaram-se, em Bangcoc, as negociações preparatórias da 17 Conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas. No entanto, poucos avanços foram feitos em relação às discussões de Cancún, na Conferência do Clima (COP16), em dezembro de 2010.

Conforme declarações da representante da ONU para mudanças climáticas, Christiana Figueres, a ideia desse encontro na Tailândia era fazer “os governos manter um impulso e formalizar um plano de trabalho para 2011. Isso inclui colocar em pleno funcionamento as instituições para financiar a luta contra as mudanças climáticas, a cooperação tecnológica e a adapatação, nos prazos de Cancún”.

No entanto, ao longo das negociações, que se iniciaram em 03 de abril, Christiana chegou a assumir que seria provável haver um intervalo de tempo entre o fim do Protocolo de Quioto (que encerra em 2012) e o começo de um novo acordo climático. Isso porque houve muitas divergências entre os países participantes.

O grupo formado pelo G77 mais a China chegou a apresentar uma agenda com questões que não haviam sido abordadas em Cancún, mas que acreditavam ser importantes para o debate. Os outros países desconsideraram, afirmando que o encontro em Bangcoc deveria ser utilizado para confirmar e detalhar os compromissos já formulados.

No saldo do encontro ficou firmada a posição da Nova Zelândia e do Japão, os quais comunicaram que não assinarão um período de ampliação do Protocolo de Quioto, pois preferem não estar vinculados a um pacto internacional, mas criar uma agenda própria de compromissos de corte de emissões. Essa posição pode ser seguida pela Rússia, Canadá e Austrália.

A União Europeia, por sua vez, considera prolongar o pacto adotado em 1997 e compromete-se cortar as suas emissões em 20%, em 2020. Entretanto, seus representantes afirmam que sem o apoio desses países será impossível atingir os objetivos.

Assim, a conferência em Bangcoc termina sem a garantia de que na COP17, em Durban, África do Sul, será fechado um acordo para prolongar a vigência de Quioto ou que seja elaborado um novo plano para substituí-lo.

Leia também
Cúpula de Cancun Termina com acordo
COP 16: países concentram-se em REDD 

Veja entrevista da secretária-executiva da Convenção de Mudanças Climáticas da ONU (em inglês)

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta