Salada Verde

Barulho no mar afeta polvos e lulas

Poluição sonora afeta sistema auditivo e a capacidade de equilíbrio e posicionamento de cefalópodes, segundo pesquisa realizada na Espanha.

Redação ((o))eco ·
13 de abril de 2011 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Vandré Fonseca

O choco, uma das espécies de cefalópodes afetada pela poluição sonora.  Crédito; Laboratori d
O choco, uma das espécies de cefalópodes afetada pela poluição sonora. Crédito; Laboratori d
A poluição sonora provocada pelo transporte marítimo e perfuração de poços de petróleo causa danos severos ao sistema auditivo de cefalópodes, segundo comprovou um estudo publicado no periódico Frontiers in Ecology and the Environment, da Sociedade Ecológica da América. A equipe liderada pelo engenheiro em biotecnologia Michel André, doutor da Universidade Técnica da Catalunha, Barcelona, analisou os efeitos de sons de baixa intensidade e baixa frequência (de 50 a 400 Hertz) em 87 indivíduos de quatro espécies, entre elas duas lulas (Loligo vulgaris, Illex coindeti), um polvo (Octopus vulgaris) e um choco (Sepia officinalis).

Os resultados demonstram tanto a importância dos estatocistos (órgãos semelhantes a balões cheios de líquido, que ajudam estes invertebrados a manter o equilíbrio e a posição) na percepção de sons de baixa frequência quanto os efeitos negativos provocados pelo barulho nestes órgãos. Em todos os aninais, células ciliadas dos estatocistos sofreram danos. Além disso, a exposição provocou inchaço nas fibras nervosas.

“Se as exposições curtas, relativamente de baixa intensidade, utilizadas em nossos estudos podem causar tais traumas severos, então o impacto da poluição sonora, de alta intensidade e contínua, no oceano pode ser considerável”, diz André. “Por exemplo, nós podemos prever que, desde que os estatocistos são responsáveis pelo equilíbrio e orientação espacial, danos provocados pelo barulho nestas estruturas podem afetar também a habilidade de cefalópodes caçarem, fugirem de predadores e também se reproduzirem. Em outras palavras, isto pode não ser compatível com suas vidas”, completa.

Os efeitos do barulho em golfinhos e baleias já eram conhecidos, devido a importância vital das informações acústicas para estas espécies, mas não haviam estudos indicando impactos graves em  invertebrados. Estes danos haviam sido sugeridos, após serem encontradas lesões em lulas encontradas mortas ao longo da costa das Astúrias, na Espanha, entre os anos de 2001 e 2003.

Link para ao artigo: http://www.lab.upc.es/index_link.php?web=frontiers&lang=en

Célula apresenta dano acústico. Crédito; Laboratori d
Célula apresenta dano acústico. Crédito; Laboratori d


Leia também

Salada Verde
21 de junho de 2024

Pesquisa sobre turismo de natureza está aberta para respostas até 25 de junho

Viajantes de todo o Brasil são convidados a participar da pesquisa sobre turismo na Grande Reserva da Mata Atlântica. Participantes poderão concorrer a prêmios ao final da resposta

Reportagens
20 de junho de 2024

Da crítica ao modelo de desenvolvimento às enchentes no Rio Grande do Sul

Desde 1971, Francisco Milanez milita na Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e dela retira a explicação para a mudança no clima que ainda vitima seu estado

Salada Verde
20 de junho de 2024

Elas chegaram: temporada de baleias-jubarte na costa brasileira

Pesquisadores brasileiros vêm acompanhando a rota migratória das jubarte para analisar os efeitos das mudanças ecossistêmicas na alimentação desses animais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.