Salada Verde

Como andam UCs do Amazonas, Pará e Rondônia

Publicações lançadas hoje pelo WWF-Brasil trazem diagnóstico de 156 Unidades de Conservação. Informações variam de recursos a vulnerabilidades.

Karina Miotto ·
19 de janeiro de 2012 · 10 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Libélula, Expedição Mariuá-Jauaperí, do WWF-Brasil, em outubro e novembro de 2008, nos estados do Amazonas e Roraima, Brasil. Foto: © Zig Koch WWF-Canon
Libélula, Expedição Mariuá-Jauaperí, do WWF-Brasil, em outubro e novembro de 2008, nos estados do Amazonas e Roraima, Brasil. Foto: © Zig Koch WWF-Canon
O WWF-Brasil, em parceria com secretarias de Meio Ambiente e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), lança hoje três publicações sobre a gestão de 156 Unidades de Conservação (UCs) distribuídas entre Amazonas (54), Pará (49) e Rondônia (53) que, juntas, totalizam 56 milhões de hectares. Um dos focos do trabalho foi uma avaliação sobre se estas áreas estão de fato contribuindo para a conservação do bioma. Também foram analisadas a qualidade da gestão, vulnerabilidades, ameaças e disponibilidade de recursos.

O WWF acredita que os resultados obtidos são importantes para subsidiar políticas públicas. “Apesar de importância biológica alta e planejamento adequado, as UCs avaliadas nos três estados têm menores índices de desempenho em insumos, como recursos financeiros e humanos, e processos, como a elaboração dos planos de manejo”, afirma Mariana Ferreira, analista de conservação do WWF-Brasil.

As publicações estão disponíveis para download.

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.


    1. JOCEMIR VIEIRA JUNIOR diz:

      Verdade.
      E um ano e seis meses é muito pouco pra esse tipo de crime!