Salada Verde

Parque Nacional do Cabo Orange é declarado Sítio Ramsar

Pleito é aceito e Parque no Amapá, entre os municípios de Oiapoque e Calçoene, vira a 12ª Zona Úmida protegida em território nacional.

Redação ((o))eco ·
10 de dezembro de 2013 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Mangues do Parque Nacional do Cabo Orange. Foto: Arquivo
Mangues do Parque Nacional do Cabo Orange. Foto: Arquivo

 

O Parque Nacional do Cabo Orange é o mais novo sítio RAMSAR no Brasil, status concedido pelo Comitê Nacional de Zonas Úmidas (CNZU).

A busca do Parque Nacional do Cabo Orange pela designação de sítio RAMSAR tem um pouco mais de uma década e percorreu um minucioso processo burocrático. Em 2002, a equipe liderada pelo analista ambiental Ricardo Motta Pires concluiu que o Cabo Orange tinha características ecológicas para perseguir esse status.

A primeira movimentação oficial foi em 2004, quando a gestão da unidade apresentou o Parque como possível área úmida de importância. “Mas fomos abraçados por muitas outras demandas e fomos deixando para depois”, disse Pires, que hoje é o gestor da UC. “Foi no início do ano de 2011 que retomamos o processo. No total, ele levou uns 2 anos e meio”.

A denominação de sítio RAMSAR obriga que estas áreas recebam prioridade para implementar políticas públicas, tanto do governo nacional quanto de instituições internacionais.

“Pretendemos ‘contaminar’ os moradores do entorno do Parque Nacional do Cabo Orange com o orgulho que estamos sentindo”, disse Pires. A população, como ele diz, não sabe o que um sítio RAMSAR, mas precisa saber a impor. “Não diria que o PNCO foi transformado em sítio RAMSAR. Ele apenas passou a ser reconhecido oficialmente como tal”.

 

Clique para ampliar.

 

Criado em 1980, o Parque Nacional do Cabo Orange está localizado no extremo norte do Brasil, entre os municípios de Oiapoque e Calçoene, no Amapá (AP). Tem área de 619 mil hectares, boa parte voltada para o mar. Ele possui ecossistemas terrestres, mangues e uma faixa marítima de 10 km, por onde deságuam no Oceano Atlântico os rios Cassioporé, Uacá e afluentes.

Com a inclusão do parque na lista, o Brasil passa a abrigar 12 zonas úmidas, num total de 6,5 milhões de hectares.

A Convenção de Ramsar foi firmada no Irã, na cidade de Ramsar, em 1971. Entrou em vigo em 1975 e foi ratificada pelo Brasil em 1996. A sua intenção é proteger as áreas úmidas em torno do mundo.

 

Veja a lista dos 12 sítios Ramsar do Brasil (fonte: ICMBio)

  1. Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses (MA)
  2. Parque Nacional do Araguaia (TO)
  3. Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS)
  4. Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense (MT)
  5. Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (AM)
  6. Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense (MA)
  7. Parque Estadual Marinho do Parcel de Manuel Luiz (MA)
  8. Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal (MT)
  9. Reserva Particular do Patrimônio Natural da Fazenda Rio Negro (MS)
  10. Parque Nacional Marinho dos Abrolhos (BA)
  11. Parque Estadual do Rio Doce (MG)
  12. Parque Nacional do Cabo Orange (AP)

 

Saiba mais

Infográfico: Sítios Ramsar na América do Sul

Leia também

Por dentro do Parque Nacional do Cabo Orange
As cores e as formas do Pantanal vistas do espaço
Campinas amazônicas sofrem com descaso e super exploração
Bolívia: nova reserva de área úmida com 7 milhões de hectares

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta