Salada Verde

Rio Grande do Norte: indústria do camarão manobra, mas perde

Carcinicultores tentaram através da Justiça evitar que 1.000 hectares de mangue degradados pela atividade fossem recuperados

Daniele Bragança ·
14 de junho de 2015 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Criadores de camarão terão que recompor mangues degradados. Foto: Wikipédia.

Uma disputa entre representantes dos produtores de camarão e órgãos ambientais no Rio Grande do Norte terminou na 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Eles defenderam na Justiça que a produção de camarão fosse definida como atividade agrossilvipastoril, o que eximiria a categoria da obrigação de recuperar por completo as áreas degradadas pela carcinicultura.

Uma atividade agrossilvipastoril utiliza espécies florestais, agrícolas e/ou criação de animais de forma simultânea em uma mesma área. Este não é o caso da criação de camarões em viveiros, mas ainda assim os representantes dos carcinicultores tentaram convencer a Justiça que sim. Caso vencessem a causa, os produtores não precisariam recuperar cerca de mil hectares de mangue, segundo cálculos do Ibama.

Uma decisão favorável aos produtores abriria brecha para mais ações em todo o país, com base nos artigos 61-A e 61-B da Lei 12.651/2012 (Código Florestal). Em comparação à legislação anterior, o Código reduziu a obrigação de recomposição para proprietários que desenvolviam atividades agrossilvipastoris nas Áreas de Preservação Permanente até 22 de julho de 2008. Quanto menor for a propriedade rural, menor é o tamanho da área que deverá ser recomposta.

Os carcinicultores não poderão recorrer da decisão.

 

Saiba Mais
Íntregra da decisão – 4º Turma –  Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

Leia Também
“Atlas Mangues do Mundo” revela ecossistemas em risco
Aterrando mangues e destruindo o futuro
O que é uma Área de Preservação Permanente

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Análises
30 de novembro de 2022

Vem aí a mais importante Conferência Global de Biodiversidade da Década

Junto com a crise climática enfrentamos uma crise de perda de biodiversidade, com uma nova era de extinção. Por isso, a CoP da Biodiversidade que começa em dezembro precisa ter um papel estratégico e fundamental na tomada de decisões

Notícias
30 de novembro de 2022

Amazônia perdeu 11,5 mil km² de floresta em 2022, aponta INPE

Apesar de representar uma queda de 11% em relação à 2021, número, divulgado nesta quarta-feira (30), é o segundo maior em 14 anos

Notícias
30 de novembro de 2022

Censo registra recorde de 25 mil baleias-jubarte na costa do Brasil

Estimativa realizada pelo Projeto Baleia Jubarte confirma tendência de recuperação de jubartes no litoral brasileiro. Espécie já foi quase extinta pela caça indiscriminada

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta