Salada Verde

Canadá fechará usinas termelétricas a carvão até 2030

O objetivo é reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O país tem como meta a redução de 80% das emissões até 2050

Sabrina Rodrigues ·
22 de novembro de 2016 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Candiota, no Rio Grande do Sul, é a maior termelétrica a carvão do país. Foto: Flickr
Candiota, no Rio Grande do Sul, é a maior termelétrica a carvão do país. Foto: Flickr

Uma boa notícia veio do Canadá. Na segunda-feira (21), o governo divulgou que até 2030 fechará as suas usinas termelétricas a carvão. O compromisso tem o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Catherine McKenna, ministra do Meio Ambiente tem como meta a redução de 80% das emissões de gases do efeito estufa até 2050. O fechamento das termelétricas corresponderá a uma redução de mais de cinco milhões de toneladas de emissões de carbono que são produzidas pelo Canadá e será o mesmo que retirar 1,3 milhão de veículos de circulação. Futuramente são aguardadas medidas semelhantes em relação a usinas a gás natural, segundo a ministra.

Fonte original: Folha de S. Paulo

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta