Salada Verde

Equipe do Parque Nacional Lagoa do Peixe conta suas aves

O censo teve como objetivos estimar a abundância e monitorar a migração e o uso dos ambientes encontrados na unidade de conservação

Sabrina Rodrigues ·
2 de outubro de 2017 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Maçarico-da-perna-amarela predomina sobrevoando o Parque Nacional Lagoa do Peixe. Foto: Aquiles Bastiani Naressi/Wikiparques.
Maçarico-da-perna-amarela predomina sobrevoando o Parque Nacional Lagoa do Peixe. Foto: Aquiles Bastiani Naressi/Wikiparques.

O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (CEMAVE) e o Parque Nacional Lagoa do Peixe (RS) realizaram o primeiro de três censos de aves migratórias da temporada inverno 2017/2018. O trabalho teve como objetivos estimar a abundância e monitorar a migração e o uso dos ambientes encontrados no Parque Nacional Lagoa do Peixe, no Rio Grande do Sul. O censo foi realizado nos dias 25 e 27 de setembro.

Aves limícolas são animais que costumam habitar zonas úmidas costeiras, como estuários e lagunas. O censo também contou com a participação de especialistas e voluntários da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), Universidade do Vale do dos Sinos (Unisinos), SAVE Brasil. O Parque Nacional é o destino de aves como maçaricos e batuíras, que nesta época do ano migram do Hemisfério Norte, fugindo do inverno boreal, para descansarem e se alimentarem no parque, que dispõe de uma grande diversidade de espécies.

Espécies como o maçarico-acanelado, maçarico-de-colete e baituruçu migrantes já chegaram em pequenos grupos no Parna Lagoa do Peixe, e outras espécies como o piru-piru, maçarico-grande-da-perna-amarela e maçarico-pequeno-da-perna-amarela predominam nas praias.

O censo é importante para verificar as tendências populacionais e avaliar a eficiência dos esforços conservacionistas. Nas últimas décadas foi constatado o declínio de até 80% de populações de maçaricos e batuíras.

O trabalho faz parte do projeto Monitoramento das Aves Migratórias em Unidades de Conservação Federais com recursos oriundos do Projeto Áreas Marinhas e Costeiras Protegidas – CEF-Mar, do Ministério do Meio Ambiente, em conformidade com o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Aves Limícolas Migratórias.

Leia Também

Governo abre consulta pública sobre aves da Amazônia

Livro reúne pesquisa sobre aves migratórias

Estudo revela a biodiversidade de aves na Serra da Cantareira

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
18 de julho de 2017

Estudo revela a biodiversidade de aves na Serra da Cantareira

Pesquisadores mapeiam avifauna do local cravado na região metropolitana de São Paulo e encontra 326 registros de espécies de aves, sendo 7 globalmente ameaçadas

Reportagens
9 de dezembro de 2011

Livro reúne pesquisa sobre aves migratórias

Livro é o primeiro passo para criação de políticas internacionais que protejam essas espécies que desconhecem fronteiras e têm suas populações sob ameaça.

Salada Verde
11 de maio de 2017

Governo abre consulta pública sobre aves da Amazônia

Os interessados poderão enviar as contribuições até o dia 31 de agosto. As informações serão utilizadas na Oficina de Avaliação do Estado de Conservação em setembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. umbrios27 diz:

    Parabéns ao bom humor de quem selecionou esta foto. 🙂