Salada Verde

Molusco ameaça acesso a água potável no Nordeste

O crescente número de mexilhões-dourados nas usinas de Sobradinho e Luiz Gonzaga está entupindo as tubulações e acarretando paradas obrigatórias para limpeza

Sabrina Rodrigues ·
5 de dezembro de 2016 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Mexilhões-dourados. Foto: Wikimedia Commons
Mexilhões-dourados. Foto: Wikimedia Commons

O mexilhão-dourado (Limnoperma fortunei), molusco nativo do sul da Ásia, está causando grande preocupação no Nordeste. É que este molusco, do tamanho de 5 cm, é capaz de se fixar em quase qualquer substrato, entupindo tubulações e invadindo máquinas de usinas hidrelétricas. Há um ano e meio, esses organismos têm se espalhado pelo rio São Francisco, onde estão as usinas de Sobradinho (BA) e Luiz Gonzaga (PE). Estudiosos apontam que na área de Sobradinho, o número de mexilhão-dourado esteja em 40% do máximo de 200 mil indivíduos por metro quadrado, mais do que isso, ele para de se reproduzir por falta de alimento. No ano passado, um alerta foi emitido por pesquisadores informando a gravidade da presença desses organismos nestes locais, dificultando a captação de água. As prefeituras informaram que o molusco ainda não afetou a rede, mas que nos últimos cinco meses foram reforçadas as vistorias para detecção do animal. Entre o final de 2015 e início deste ano, o mexilhão invadiu os adutores de turbinas das seis unidades geradoras de energia, em Sobradinho, acarretando paradas obrigatórias de dois dias a cada três meses para limpeza.

Fonte original: Folha de S. Paulo

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Salada Verde
26 de maio de 2022

A proposta de restaurar 900 campos de futebol de Mata Atlântica em dois anos

Projeto teve início no primeiro semestre de 2022 e seguirá até dezembro de 2023, com a proposta de restaurar 886.3 hectares de vegetação, sendo 720.8 em áreas de RPPNs e 165.5 em regiões do entorno

Reportagens
26 de maio de 2022

Melhorar planejamento e licenciamento reduziria impactos ferroviários à fauna

Mortandade de animais pode crescer com projetados 50 mil quilômetros de novas linhas para escoar produtos agropecuários e minerais, inclusive pela Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta