Salada Verde

ONGs denunciam Brasil à ONU por violar direito à água e ao saneamento

No Fórum Mundial da Água, entidades entregam documento ao relator especial da ONU com lista de violações feitas pelo Brasil contra o direito humano à água e ao saneamento

Sabrina Rodrigues ·
21 de março de 2018 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
No Brasil, moradores convivem com esgoto e lixo à céu aberto. Foto: Raphael Seabra.

 

Os índices e dados oficiais do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), elaborado pelo Ministério das Cidades, demonstram que nos últimos 21 anos o acesso à água potável e aos serviços sanitários pouco evoluíram no Brasil. Mais de 34 milhões de brasileiros não têm acesso à água potável e mais de 100 milhões não têm seus esgotos sequer coletados. Baseados nestes e em outros dados, o Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), a Artigo 19, o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e a Conectas protocolaram hoje (21) denúncia junto ao Escritório do Alto Comissariado dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

As entidades alegam que o Estado brasileiro vem histórica e sistematicamente violando o direito humano de acesso à água potável aos serviços de saneamento básico. A denúncia foi entregue pessoalmente a Leo Heller, relator especial da ONU para o assunto, durante o 8º Fórum Mundial da Água, realizado está semana em Brasília.

Em 26 páginas, as entidades mostram-se preocupadas com os pífios investimentos que o governo vem alocando em saneamento, com um corte de 45% entre 2012 e 2018. Em termos de abastecimento de água potável, o documento ressalta uma piora na prestação desse serviço essencial, que resultou na redução da população atendida de 93,3% em 1995 para 83,3% em 2016. Tais investimentos não condizem com o compromisso de cumprir a meta de universalização do acesso à água potável e à coleta e tratamento de esgoto até 2033, conforme prevê o Plano Nacional de Saneamento Básico. Pelo contrário, mantidos os investimentos atuais, somente em 2054 a plena universalização será alcançada.

O documento conclui que o Estado brasileiro, em suas diferentes instâncias, não está alocando todos os esforços e recursos (financeiros e não financeiros) disponíveis, se omitindo, portanto, de uma responsabilidade indelegável. Fato esse que caracteriza a violação do direito humano.

Saiba Mais

Denúncia – Violação dos direitos humanos no Brasil: acesso à água potável e ao esgotamento sanitário.

Leia Também

ONU: Água gera empregos

Saneamento básico e a qualidade da água que a gente bebe

Por atraso no saneamento, Justiça suspende licença de Belo Monte

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
31 de agosto de 2016

Por atraso no saneamento, Justiça suspende licença de Belo Monte

Consórcio Norte Energia não cumpriu a obrigação de concluir as obras no município de Altamira. Prazo venceu em julho de 2014

Notícias
7 de maio de 2014

Saneamento básico e a qualidade da água que a gente bebe

Nordeste é a região que tem mais municípios sem água tratada. Entre as capitais, Manaus é a que tem mais domicílios sem água encanada

Notícias
22 de março de 2016

ONU: Água gera empregos

Relatório Mundial da ONU sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos reforça o discurso em nome do desenvolvimento sustentável e evidencia o papel às vezes ignorado da água na economia.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Everardo diz:

    ONG denunciando pra ONG que não serve pra nada, segue o jogo.


  2. paulo diz:

    Parabéns as entidades.

    Aperta o miolo mole destes politiqueiros.