Salada Verde

TCU investigará uso de produto poluente em reservas ambientais

A investigação sobre a compra do produto poluente pelo Ministério do Meio Ambiente foi protocolada por dois deputados do PV no Tribunal de Contas da União

Marcos Furtado ·
17 de dezembro de 2020 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O Tribunal de Contas da União acatou, na última quarta (15), um pedido feito por deputados do Partido Verde para investigar o uso de um retardante de chamas no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães e na Estação da Serra das Araras, em Mato Grosso. Mesmo sem ter regulação ambiental para ser usado no Brasil e com parecer técnico contrário do Ibama feito em 2018, o produto foi adquirido pelo Ministério do Meio Ambiente.

Os deputados Célio Studart (PV-CE) e Israel Batista (PV-DF) protocolaram no mês de outubro uma representação sobre possíveis irregularidades praticadas pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, envolvendo a compra, sem licitação e ignorando parecer técnico, de 20 mil litros do retardante de chamas Fire Limit FL-02, compra que custou 684 mil aos cofres públicos.

Os parlamentares solicitaram que o TCU investigue não apenas a compra sem licitação, mas a relação entre o uso do componente e possíveis contaminações na água e no solo. Segundo recomendação da Coordenação de Avaliação Ambiental de Substâncias e Produtos Perigosos do Ibama, o retardante leva pelo menos 28 dias para que cerca de 80% a 90% de seu material se degrade, por isso, era necessário suspender o “consumo de água, pesca, caça e consumo de frutas e vegetais na região exposta ao produto pelo prazo de 40 dias”. (Marcos Furtado)

 

Leia Também 

Precaução, Retardantes e Pirotecnia na Chapada dos Veadeiros

 

  • Marcos Furtado

    Escreveu para ((o))eco, Estadão, Folha de SP, Colabora. Ganhou o Prêmio Santander Jovem Jornalista e teve o 3º lugar em concurso do ICFJ

Leia também

Colunas
15 de outubro de 2020

Precaução, Retardantes e Pirotecnia na Chapada dos Veadeiros

O uso de um produto de efeitos ainda pouco conhecidos sobre o meio ambiente fere a precaução necessária à gestão das unidades de conservação e à proteção do meio ambiente

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Fernando César de Mattos diz:

    Eu nunca vi seguro dar prejuízo. Além disso, a parte que o der, pode ser encarada como subsídio.
    Não bastasse, muito melhor ajudar o agro do que dar 6 bi para fundo eleitoral. Sem agro, a fome vem, e ela é nefasta.
    Não quero dizer com isso que o meio ambiente não deva ser protegido de maneira aguerrida, só que o agro não é esse vilão que tentam passar para o povo. A gente já vai pra cama, cheia de produtos de algodão ( agro) e, quando, acorda usamos na alimentação tudo que é produzido pelo agro, e por aí vai…..


    1. Paulo diz:

      Até quando. A conta vai chegar, e aí………


  2. Fabio diz:

    Lembrando que o Código Florestal foi mutilado nos governos Lula e Dilma, que marcam a ascensão política do Agro Criminoso. Relembrar é viver